pobreza Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

pobreza

O que aprendemos das experiências de desenvolvimento das últimas duas décadas

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

13 de Fevereiro de 2015

    A Resolução A/69/700 (UN, 2014) traz, resumidamente, as experiências que os países do mundo vivenciaram em relação ao desenvolvimento nas últimas duas décadas, desde 1992 a 2002.  Essas experiências estão relatadas no documento da Rio + 20 intitulado “O futuro que queremos”. Neste estão os avanços obtidos e as lacunas que se constituirão nos desafios para as próximas décadas.

    Os avanços foram insuficientes para, por exemplo, erradicar a extrema pobreza nos países em desenvolvimento; sendo este o maior desafio colocado para o mundo todo, como necessário e urgente para se enfrentar. A extrema pobreza é algo inconcebível, inaceitável. E como tal permanece como o grande desafio do desenvolvimento sustentável.

    Conforme mencionada Resolução da ONU, a extrema pobreza pode ser erradicada na próxima geração. Os Objetivos do desenvolvimento do Milênio (ODMs) contribuíram para este progresso. Todos são chamados a fazer sua parte: sociedade civil, governos e setores privados.

     Atualmente, a família global possui 7 bilhões de pessoas e em 2050 estima-se que serão 9 bilhões de pessoas. As pessoas estão envelhecendo, vivendo mais e tendo vidas mais saudáveis (e isso é muito bom!). No entanto, devemos nos preparar para os impactos que advirão desse crescimento populacional, notadamente das pessoas que moram em áreas urbanas. Isto se constitui em desafios e também em oportunidades!

     A discussão da agenda de desenvolvimento pós-2015 deve voltar sua atenção para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Atenção maior deve ser dada aos que são mais vulneráveis, em particular os países africanos, os países menos desenvolvidos e os países insulares.

Fonte: UN, 2014.

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável –parte 2

    A proposta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) tem até 2030 como horizonte temporal para consecução. São 17 as propostas dos ODS. Nesta parte, traremos quatro dos ODS (propostas) e algumas metas.

    Importante ressaltar que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável só serão votados, em plenária na ONU, em 2015; portanto, ainda se encontram em discussão com todas as partes interessadas.

1) Acabar com a pobreza em todo lugar. Dentre as metas estão: até 2030, zerar o número de pessoas que vivem na extrema pobreza e reduzir pela metade a proporção das pessoas de todas as idades que estão abaixo do nível de pobreza.

2) Acabar a fome, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável. Dentre as metas estão: até 2030 acabar com a fome e assegurar que todas as pessoas tenham acesso à adequada nutrição.

3) Alcançar vida saudável para todos. Dentre as metas estão: até 2030, acabar com a mortalidade e a morbidade maternas evitáveis; reduzir em um terço a morbidade, a mortalidade e a incapacidade por doenças não transmissíveis; reduzir pela metade o número de mortes evitáveis e de doenças provocadas por produtos químicos perigosos, pela poluição do ar (interior e exterior), pela poluição da água e do solo e outras formas de degradação ambiental.

4) Proporcionar educação de qualidade e oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Dentre as metas estão: até 2030, prover a todas as crianças acesso a educação infantil e básica de qualidade; assegurar aos meninos e meninas completar a educação primária (fundamental) e secundária (médio); integrar a educação aos programas de educação para o desenvolvimento sustentável, incluindo os direitos dos povos indígenas, direitos humanos, promovendo uma cultura de paz e não violência.

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.

Publicidade

Salvando vidas de muitas maneiras – Relatório ODM 2014

     Muito recentemente, a Organização das Nações Unidas publicou o Relatório dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) – 2014. Aproxima-se a data limite, que é 2015, para que os países alcancem metas e prazos.

    Mencionado relatório dos ODM é baseado em estatísticas oficiais e fornece o resumo mais recente de todas as metas, tanto em nível global quanto regional. Os resultados mostram que os esforços concentrados para alcançar as metas dos ODM pelos governos nacionais, pela comunidade internacional, pela sociedade civil e pelo setor privado estão indo em direção de tirar as pessoas da pobreza extrema e melhorar seu futuro.

     O Secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, comentou: “os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio foram uma promessa de defender os princípios da dignidade humana, igualdade e equidade, e libertar o mundo da pobreza extrema. Os ODM, com oito grandes metas e com prazos mensuráveis, estabeleceram um plano para enfrentar os desafios de desenvolvimento mais prementes do nosso tempo”.

    Ainda segundo o relatório, ao longo dos últimos 20 anos, a probabilidade de uma criança morrer antes dos cinco anos foi quase cortada pela metade, o que significa cerca de 17 mil crianças salvas todos os dias. Globalmente, a taxa de mortalidade materna caiu 45% entre 1990 e 2013.

     Outra informação importante é sobre a terapia anti-retroviral para pessoas infectadas pelo HIV salvou 6,6 milhões de vidas desde 1995. A expansão dessa cobertura poderia salvar muitos mais. Desde 1995, os esforços para combater a tuberculose salvaram cerca de 22 milhões de vidas.

    Em tempos de tantas informações que nos causam profunda tristeza, como a morte de milhares de pessoas no conflito da Síria, a informação de que políticas públicas, quando efetivamente implementadas podem salvar milhares de vida, é uma doce esperança. Temos, sim, muito que realizar, reprogramar, readequar… Mas tenho fé e acredito nessa linda criatura divina que denominamos Homem.

Fonte: New York: UN Department of Public Information

Publicidade

Resoluções Mundiais sobre Meio Ambiente

     No período de 23 a 27 de junho, em Nairobi, no Kenya, houve a Primeira Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em que estiveram presentes 1065 participantes, 113 Ministros, oriundos de 163 países membros.

    Foram aprovadas 16 resoluções, tratando das seguintes temáticas: reestruturação do GEF (Global Environment Facility), reforço do papel do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUMA, ou sigla em inglês – UNEP) em promoção da qualidade do ar, relação entre o Programa e Meio Ambiente das Nações Unidas e os acordos ambientais multilaterais, interface ciência-política do Sistema de Monitoramento Ambiental Global (ênfase Água), implementação do Princípio 10 da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; comércio ilegal de animais selvagens, bem como abordagens, modelos e ferramentas para atingir sustentabilidade ambiental no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza.

Fonte: UNEP/EA.1/L3 (25/06/2014)

Publicidade

Jogo contra a Pobreza – Brasil

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

30 de outubro de 2012

      Conforme site da UNDP, cerca de 20 jogadores de futebol já confirmaram a sua participação na 10ª edição do Jogo Contra a Pobreza (Match Against Poverty) que se realiza pela primeira vez no Brasil, em 19 de dezembro, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Como Embaixadores da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Ronaldo e Zidane vão, cada um, escolher e levar sua própria equipe para competir contra o outro.

      A equipe de Ronaldo já tem Neymar e Lucas, estrelas atuais da seleção brasileira, assim como Romário, um dos maiores atacantes de todos os tempos. Também em Porto Alegre estarão Bebeto e Denilson, e os defensores Belletti, Serginho e Roque Junior. Outras estrelas como Deco, Christian Vieri e o argentino Santiago Solari também estarão em Porto Alegre para o jogo. Christian Karembeu (França), Michel Salgado (Espanha) e Hidetoshi Nakata (Japão) são outros ex-jogadores que já confirmaram a sua participação no jogo.

     Segundo noticia a UNDP, Luiz Felipe Scolari, técnico campeão da Copa do Mundo para o Brasil em 2002, e Mano Menezes, atual técnico da seleção brasileira, serão os capitães das equipes.

     Bebeto disse: “Eu nunca poderia negar um convite como este. Será um grande prazer participar dessa iniciativa ao lado do meu amigo Ronaldo. Tenho certeza que o jogo vai ser um grande sucesso”.

     A iniciativa tem o apoio da FIFA e da União das Associações Europeias de Futebol (UEFA).

Fonte: UNDP, 2012.

leia tudo sobre

Publicidade

Jogo contra a Pobreza – Brasil

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

30 de outubro de 2012

      Conforme site da UNDP, cerca de 20 jogadores de futebol já confirmaram a sua participação na 10ª edição do Jogo Contra a Pobreza (Match Against Poverty) que se realiza pela primeira vez no Brasil, em 19 de dezembro, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Como Embaixadores da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Ronaldo e Zidane vão, cada um, escolher e levar sua própria equipe para competir contra o outro.

      A equipe de Ronaldo já tem Neymar e Lucas, estrelas atuais da seleção brasileira, assim como Romário, um dos maiores atacantes de todos os tempos. Também em Porto Alegre estarão Bebeto e Denilson, e os defensores Belletti, Serginho e Roque Junior. Outras estrelas como Deco, Christian Vieri e o argentino Santiago Solari também estarão em Porto Alegre para o jogo. Christian Karembeu (França), Michel Salgado (Espanha) e Hidetoshi Nakata (Japão) são outros ex-jogadores que já confirmaram a sua participação no jogo.

     Segundo noticia a UNDP, Luiz Felipe Scolari, técnico campeão da Copa do Mundo para o Brasil em 2002, e Mano Menezes, atual técnico da seleção brasileira, serão os capitães das equipes.

     Bebeto disse: “Eu nunca poderia negar um convite como este. Será um grande prazer participar dessa iniciativa ao lado do meu amigo Ronaldo. Tenho certeza que o jogo vai ser um grande sucesso”.

     A iniciativa tem o apoio da FIFA e da União das Associações Europeias de Futebol (UEFA).

Fonte: UNDP, 2012.