mercúrio Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

mercúrio

Agenda ambiental global até 2018

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de junho de 2013

   A 44ª reunião do Conselho do GEF (Global Environmental Fund), em Washington, discute, nos dias 20 e 21 de junho, agenda ambiental global até 2018. No período de 2014 a 2018 serão liberados $369,82 milhões de dólares para o novo programa de trabalho. Aprovaram, também, o financiamento inicial para as ações da Convenção de Minimata sobre Mercúrio.

Membros do Conselho Fonte: GEF

Membros do Conselho
Fonte: GEF

    A presidente do GEF, Naoko Ishii, disse na oportunidade: “Em primeiro lugar, o GEF deve se concentrar em combater causas subjacentes da degradação ambiental, não só os sintomas. Eu acredito que a força potencial do GEF é a sua rede de parcerias com outras agências, convenções, com o Escritório de Avaliação do GEF, com o Painel Consultivo Científico e Técnico (STAP), com o setor privado e organizações da sociedade civil”. Enfrentar sérias ameaças ambientais exige destes parceiros “compartilhar a mesma orientação estratégica e contribuir baseado em seus próprios valores.”

Fonte: GEF

Publicidade

Mercúrio – Tempo de agir

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

10 de Janeiro de 2013

     Os países em desenvolvimento enfrentam o aumento dos riscos ambientais e de saúde relacionados à exposição do mercúrio, segundo informações do novo estudo do UNEP (United Nations Environment Programme), publicado hoje.

MIneração com mercúrio
Fonte: UNEP

     Em alguns lugares da América do Sul, África e Ásia houve aumento das emissões de mercúrio no meio ambiente devido principalmente ao uso desta substância tóxica na mineração de ouro e através da queima de carvão para geração de energia elétrica.

    A publicação do UNEP, Avaliação Global de Mercúrio – 2013 (Global Mercury Assessment 2013) relata que a emissão deste metal pesado, oriunda da mineração de ouro, dobrou desde 2005, em parte devido ao aumento do preço do ouro.

    Conforme o documento, a Ásia é a região que mais emite mercúrio e responde pela metade de todas as emissões globais. O estudo, que fornece análise abrangente das emissões de mercúrio por região e por setor econômico, também destaca lançamentos significativos para o meio ambiente correlacionados a áreas contaminadas e desmatamento. O relatório diz que cerca de 260 toneladas de mercúrio – anteriormente encontradas nos solos – estão sendo lançados em rios e lagos.

    Algumas fontes de mercúrio destacadas no Relatório do UNEP (ou PNUMA) são:

produção de metal e cimento, por meio da extração de combustível e combustão de combustíveis fósseis;

• produtos de consumo, tais como aparelhos eletrônicos, interruptores, baterias, lâmpadas e cosméticos, como cremes de clareamento da pele e rímel. O mercúrio contido em tais bens também pode entrar no fluxo de resíduos.

• Odontologia: cerca de 340 toneladas de mercúrio são usadas anualmente para fazer recheios e outros produtos dentais, dos quais até 100 toneladas são suscetíveis de entrar no fluxo de resíduos

• Produção de Plástico – especialmente a fabricação de policloreto de vinil (PVC).

• A indústria do cloro e álcalis (produção de cloro e soda cáustica do sal)

mineração – embora a prática seja limitada a alguns países

     Não é a primeira vez que o UNEP produziu um Relatório a este respeito. Sua primeira Avaliação Global de Mercúrio foi publicada em 2002 e um estudo posterior, em 2007. A avaliação de 2013 é a mais abrangente e inclui informações, pela primeira vez, sobre o lançamento e os impactos do mercúrio em ambientes aquáticos.

      O Relatório Mercúrio: Tempo de Agir está disponível aqui

Fonte: UNEP

Publicidade

Mercúrio – Tempo de agir

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

10 de Janeiro de 2013

     Os países em desenvolvimento enfrentam o aumento dos riscos ambientais e de saúde relacionados à exposição do mercúrio, segundo informações do novo estudo do UNEP (United Nations Environment Programme), publicado hoje.

MIneração com mercúrio
Fonte: UNEP

     Em alguns lugares da América do Sul, África e Ásia houve aumento das emissões de mercúrio no meio ambiente devido principalmente ao uso desta substância tóxica na mineração de ouro e através da queima de carvão para geração de energia elétrica.

    A publicação do UNEP, Avaliação Global de Mercúrio – 2013 (Global Mercury Assessment 2013) relata que a emissão deste metal pesado, oriunda da mineração de ouro, dobrou desde 2005, em parte devido ao aumento do preço do ouro.

    Conforme o documento, a Ásia é a região que mais emite mercúrio e responde pela metade de todas as emissões globais. O estudo, que fornece análise abrangente das emissões de mercúrio por região e por setor econômico, também destaca lançamentos significativos para o meio ambiente correlacionados a áreas contaminadas e desmatamento. O relatório diz que cerca de 260 toneladas de mercúrio – anteriormente encontradas nos solos – estão sendo lançados em rios e lagos.

    Algumas fontes de mercúrio destacadas no Relatório do UNEP (ou PNUMA) são:

produção de metal e cimento, por meio da extração de combustível e combustão de combustíveis fósseis;

• produtos de consumo, tais como aparelhos eletrônicos, interruptores, baterias, lâmpadas e cosméticos, como cremes de clareamento da pele e rímel. O mercúrio contido em tais bens também pode entrar no fluxo de resíduos.

• Odontologia: cerca de 340 toneladas de mercúrio são usadas anualmente para fazer recheios e outros produtos dentais, dos quais até 100 toneladas são suscetíveis de entrar no fluxo de resíduos

• Produção de Plástico – especialmente a fabricação de policloreto de vinil (PVC).

• A indústria do cloro e álcalis (produção de cloro e soda cáustica do sal)

mineração – embora a prática seja limitada a alguns países

     Não é a primeira vez que o UNEP produziu um Relatório a este respeito. Sua primeira Avaliação Global de Mercúrio foi publicada em 2002 e um estudo posterior, em 2007. A avaliação de 2013 é a mais abrangente e inclui informações, pela primeira vez, sobre o lançamento e os impactos do mercúrio em ambientes aquáticos.

      O Relatório Mercúrio: Tempo de Agir está disponível aqui

Fonte: UNEP