juventude Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

juventude

Educação Ambiental e Água

     Terminou hoje, 03/09, o IV Encontro Formativo Nacional Integrado de Educação Ambiental para a Gestão das Águas, que aconteceu em São Pedro, interior do Estado de São Paulo.

     O evento teve por objetivo o diálogo e troca de experiências para a implantação de estratégias de educação ambiental e o desenvolvimento de capacidades, comunicação e mobilização social na gestão integrada de recursos hídricos.

   A assessoria de Comunicação do Ministério do Meio Ambiente – MMA informa que o papel da educação ambiental no processo de participação social na Agenda Água, inserindo neste contexto a participação da juventude, foi um dos principais eixos do encontro deste ano.

    A ASCOM/MMA também informou que a coordenadora de Juventude do Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do MMA (DCRS/SAIC/MMA), Sra. Marccella Berte, a juventude deverá ser o principal foco da educação ambiental no próximo biênio, com relação aos recursos hídricos, devido ao Fórum Mundial da Água, a ser realizado em 2018, em Brasília.

     A ideia é a construção, com ampla participação da sociedade notadamente da juventude, do Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente (PNJMA).

Fonte: MMA

Publicidade

Juventude e Meio Ambiente

     Por iniciativa do Ministério do Meio Ambiente, foi lançada a 1ª edição da Revista Juventude e Meio Ambiente, em parceria com o Conselho Nacional de Juventude, Secretaria Nacional de Juventude, como uma das ações do Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente.

    Conforme a Assessoria de Comunicação do MMA, mencionada edição é referente ao primeiro semestre de 2014. Foram recebidas 60 contribuições, das quais 24 foram selecionadas, usando como critérios a garantia da diversidade de abordagens e a fidelidade do conteúdo com o tema sugerido.

    A segunda edição está em andamento. Quem tiver interesse em participar deve enviar material até o dia 10 de novembro via e-mail juventude.meioambiente@mma.gov.br ou pelos correios. Jovens de 15 a 29 anos podem se inscrever na categoria de fotos, charges, reportagens, poemas, artigos livres e acadêmicos (apenas neste item, também podem participar adultos). O material produzido deve ser instigado pelo tema “Quais são os nossos objetivos para mudar o mundo e como mobilizar a sociedade, comprometendo o poder público local e todos os setores para com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável?”.

   Para ter acesso a revista na íntegra, cliquem aqui. 

Fonte: MMA

Publicidade

Dia Internacional da Juventude 2014

  Em 12 de agosto comemorou-se o Dia Internacional da Juventude. Este ano, 2014, o tema foi “Juventude e Saúde Mental“, sob o slogan questões de saúde mental.

   Conforme a Organização das Nações Unidas, jovens com problemas de saúde mental muitas vezes podem experimentar algum estigma ou discriminação que, por sua vez podem levar à exclusão, assim como desencorajar as pessoas a procurarem ajuda por medo de ser negativamente rotulados”.

   São necessários esforços para superar esse estigma e garantir que os jovens com problemas de saúde mental possam levar uma vida plena e saudável.

     O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, por intermédio do Ponto Focal para a Juventude e a Rede Inter-Agências sobre Desenvolvimento da Juventude, promovem uma abordagem multidimensional para abordar os desafios enfrentados pelos jovens com problemas de saúde mental, incluindo a abordagem de estigma, no sentido de promover, também, a inclusão social de todos os jovens e a realização de suas aspirações e metas.

Fonte UN DESA

Publicidade

A IV Conferência Infanto Juvenil e “Um casaquinho azul” do Ceará

    Mês passado, em Luziânia-GO, houve a IV Conferência Nacional Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente, com a participação de crianças e jovens brasileiros, que com seu protagonismo juvenil tiveram seus momentos de discussão para um mundo melhor.

    Do Ceará, partiu uma delegação com 27 crianças. Dentre os acompanhantes estava a Profa. Lindalva Cruz, coordenadora da equipe de Educação Ambiental da SEDUC e membro da COE – Comissão Organizadora Estadual, que escreveu o texto abaixo transcrito, com sua autorização.

     “Hoje acordei pensando no nível de responsabilidade que nós, membros das COE e acompanhantes dos delegados nacionais, assumimos ao levar para Brasília, 27 jovens entre 11 e 14 anos de idade. Nossa! Que coragem tivemos!

     E mais, ainda assumimos um termo de responsabilidade pela integridade física e psicológica desses jovens! Meu Deus!

     No entanto, em meio a toda essa responsabilidade, um ícone, chamado por nós de casaquinho azul, fez toda a diferença. Como assim?

     Então… Antes de viajarmos para Brasília, mandamos confeccionar o tal do casaquinho azul e o entregamos a todos os jovens, acompanhantes, professores e representantes dos CJ (Coletivos Jovens) do Ceará que foram a Brasília, com a seguinte orientação: por nenhum motivo esse casaquinho podia ser retirado do corpo, nos momentos em que estivéssemos em público.

     E fomos obedecidos, principalmente pelos delegados, que usaram o casaquinho azul em todas as ocasiões, mesmo que não estivesse mais tão limpo… (obrigada meninos e meninas).

      Por que essa reflexão agora? Para dizer que essa orientação nos deu certa tranquilidade, pois possibilitou encontrar, localizar, identificar nossos delegados nas mais diversas ocasiões que a IV CNIJMA nos proporcionou participar: solenidade de abertura, noite dos Brasis, palestras, oficinas, encontros, visita ao Palácio do Planalto, roda de dança na Praça dos Três Poderes, aeroporto, em todos os momentos.

      Onde quer que estivéssemos era só olhar, procurar, localizar no meio àquela plateia de mil pessoas e lá estava ela, a delegação cearense, usando seu casaquinho azul. Aí, era só se dirigir até lá para nos juntarmos a todos e ficarmos tranquilos por acharmos nosso grupo.

     Na III CNIJMA nosso casaquinho era verde. Na IV CNIJMA era azul. Fico me perguntando qual será a cor do casaquinho da V CNIJMA?

     Se não for mais eu a pessoa a acompanhá-los (será que ainda terei coragem para tal, se isso for possível?), peço, por favor, confeccionem um casaquinho, seja de que cor for. Mas levem nossos delegados vestindo um casaquinho, pois além de proteger do frio, possibilita não perdê-los em meio à multidão”. (Lindalva Cruz)

Publicidade

Delegação Cearense da IV Conferência Nacional Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Educação Ambiental, Meio Ambiente

23 de novembro de 2013

Delegados cearenses - 2013 Fonte: SEDUC

Delegados cearenses – 2013
Fonte: SEDUC

    Hoje, às 5h da manhã, a Delegação Cearense da IV Conferência Nacional Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente, composta por 27 delegados, de 11 a 14 anos, embarcou para Brasília para participar da etapa nacional, que tem início hoje e segue até 28 de novembro.

     Acompanham os 27 jovens nessa missão, Antônio Kayo Maciel Cordeiro – Coletivo Jovem de Horizonte, a profa. Lindalva Costa da Cruz – SEDUC, a profa. Sandra Silva de Araújo – SME Fortaleza; a profa. Maria Roseneide Furtado Oliveira – CREDE 09 e a profa. Selma Teixeira da Cunha – Professora indígena Tapeba de Caucaia.

     A lista dos delegados, bem como os projetos nas temáticas: Água, Terra, Fogo e Ar, que irão representar o Ceará na Conferência, está aqui.

 

Publicidade

II Conferência Estadual Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente – mudança do local

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Educação Ambiental, Meio Ambiente

24 de outubro de 2013

       Aproxima-se a realização, no Ceará, nos dias 30 e 31 de outubro da II Conferência Estadual Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente. A equipe coordenadora alerta a todos os participantes, delegados, acompanhantes e professores que houve mudança no local de realização do evento.

      O evento acontece no Hotel Praia Centro, na Avenida Monsenhor Tabosa, n. 740, em Fortaleza. As demais informações permanecem as mesmas. Participam os representantes dos Coletivos Jovens que devem atuar como facilitadores na escolha dos delegados nacionais, nesta etapa do processo. Para os Coletivos Jovens, ao todo, são 2 vagas para a 3ª CREDE, 2 vagas para 7ª CREDE, 3 vagas para 9ª CREDE, 1 vaga para 11ª CREDE e 2 vagas para SEFOR. Importante ressaltar que a escolha dos representantes dos Coletivos Jovens foi feita através da RECEJUMA.

     Alertamos que esta etapa do processo da Conferência Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente não é aberta ao público em geral.

Publicidade

Seleção de jovens para facilitadores na IV Conferência Nacional Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente

     O Ministério da Educação (MEC) está com seleção aberta, até 23 de outubro de 2013, para jovens com idade entre 18 e 29 anos para serem facilitadores na Etapa Nacional da IV Conferência Nacional Infanto Juvenil pelo Meio Ambiente (IV CNIJMA).

Fonte:MEC

Fonte:MEC

     Os jovens candidatos às vagas devem, necessariamente, serem membros/representantes dos Coletivos Jovens do Brasil e deverão passar por um processo formativo no período de 17 a 28 de novembro de 2013, no município de Luziânia-GO.

     A finalidade do processo seletivo é a escolha de dois jovens representantes e um suplente de cada Estado do país, para atuarem como facilitadores na etapa nacional da IV CNIJMA, cujo perfil contemple experiências e habilidades de comunicação, liderança, mediação de grupos, além de conhecimentos das temáticas ambientais

     Aos jovens do Brasil interessados em participar do processo seletivo, cliquem aqui  para mais informações.

Fonte: MEC

Publicidade

Agindo por um mundo melhor – parte 4 (final)

     A terceira parte do Relatório “TUNZA: Agindo por um mundo melhor” traz o título “Contagem Regressiva para Mudar – Economia Verde”.

    A Economia verde, discutida na Rio+20 como um dos desafios deste século, exige mudanças nos regulamentos nacionais, nas políticas, nos subsídios e incentivos.

     Os jovens reforçam a necessidade de todos os cidadãos do mundo se comprometerem com estilos de vida sustentáveis, por meio de algumas mudanças. Os desafios são:

Divulgação e compartilhamento das informações em base individual, notadamente a respeito da atual crise ambiental;

Convencimento das pessoas em se mover na direção ao desenvolvimento sustentável. Como podemos convencer os indivíduos, as organizações e os governos para fazerem escolhas certas para garantir um futuro sustentável para todos nós?

Mudança de comportamento. Após o convencimento das pessoas, como podemos garantir que as palavras serão convertidas em ação?

Educação para o desenvolvimento sustentável. A juventude entende que o desenvolvimento sustentável é a resposta para degradação ambiental. Por sua vez, a educação é a resposta ao desenvolvimento sustentável. Educação é a base transformadora da sociedade.

     O Relatório traz algumas dicas de como você pode ajudar nas mudanças, em um segundo, um minuto, em uma hora e um dia.

     Em um segundo:

– Desligue a luz quando sair de uma sala.

– Desligue as coisas se eles não estão sendo usados.

– Desligue o computador à noite.

– Utilize papel reciclado.

– Use pilhas recarregáveis em vez de baterias descartáveis.

– Não utilize pesticidas, herbicidas, ou produtos químicos.

     Em uma hora:

– Utilize os transportes públicos. Faça caminhada ou ande de bicicleta.

-Escreva um blog.

– Faça os seus presentes, em vez de comprá-los.

– Seja o seu guardião árvore local – proteja árvores de seu bairro.

     Em um dia:

– Passe o dia em uma floresta e faça uma lista das espécies raras que você encontrar. – Conecte-se com a natureza – acampe no feriado ou vá a lugares que não exija viagens de avião

– Comemore o Dia da Terra em 22 de abril e o Dia Mundial do Meio Ambiente em 5 de junho.

– Escreva um artigo sobre a importância da proteção ambiental e envie aos amigos e a jornais da escola ou da cidade.

    Caros jovens, dedicamos nesta semana o Blog Verde a vocês, que são as pessoas que podem executar as mudanças necessárias à consecução de um mundo melhor. Confio na capacidade e na criatividade de todos vocês.

Fonte: UNEP

Publicidade

Agindo por um mundo melhor – parte 3

    “Crianças e jovens são reconhecidos na Agenda 21 como os principais interessados no processo do desenvolvimento sustentável. São eles a herdar este mundo. Juventude não é apenas a geração do futuro, mas também a geração atual. Estamos a enfrentar desafios globais e cada um de nós tem a responsabilidade de pôr em marcha uma mudança que leve a todos nós adotar estilos de vida sustentáveis. Estes são tempos cruciais e as tomadas de decisões de agora terão impacto sobre nossos futuros – se é que vamos mesmo ter um”.

     As palavras acima dão início à segunda parte do relatório “TUNZA: Agindo por um mundo melhor”, que traz o processo e o impacto da Rio+20 sob a perspectiva da juventude.

Jovens na Oficina Preparatória da IV CNIJMA, em Fortaleza/CE. Foto: Lindalva Cruz, 2012.

Jovens na Oficina Preparatória da IV CNIJMA, em Fortaleza/CE.
Foto: Lindalva Cruz, 2012.

     Vocês, caros jovens, sabiam que 73% da contribuição do documento final da Rio+20 veio da sociedade civil e de organizações não governamentais? Conforme o relatório, isso demonstra que muitas pessoas se preocupam e que há, sim, esperança para o futuro.

     Houve muita discussão antes e durante a Rio +20, nas quais as negociações pareciam não ter a mesma celeridade se comparada a 1992. Mencionada Conferência correu, inclusive, o “perigo de ser apelidada Rio-20”. Mas um acordo foi alcançado no final. O texto final da Rio +20 é chamado “O futuro que queremos”.

     Há 20 anos, na Rio92, a Juventude advertindo o mundo disse: “Nós queremos que vocês imaginem uma geração que foi condenada. Imaginem um mundo onde as crianças vivem em meio a uma guerra sem fim, uma comunidade onde os seres humanos são escravos dos seus semelhantes, onde a doença e a fome são a ordem do dia”.

     Na Rio+20, a Juventude se pronunciou dessa maneira: “se essas folhas de papel são o nosso futuro comum, então vocês venderam o nosso destino e subsidiaram nossa destruição comum. Onde esteve nossa voz, a voz dos nossos filhos e netos, nisso? Nós temos um planeta. Nosso ser, nosso pensamento e nossa ação não devem ser limitadas por fronteiras nacionais, mas por fronteiras planetárias. Vocês não conseguiram se libertar do auto interesse corporativo e nacional, bem como em reconhecer nossa necessidade de respeitar fronteiras bem maiores”.

    O relatório diz que esta é uma oportunidade de injetar ânimo para o debate sobre desenvolvimento sustentável, com foco no desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (agenda de desenvolvimento pós-2015), por meio de: ação orientada; tratar de questões emergentes; concentrar na criação de mudança; parar ou inverter as tendências negativas.

   Para mais informações, cliquem aqui.

Fonte: UNEP

Publicidade

Agindo por um mundo melhor – parte 3

    “Crianças e jovens são reconhecidos na Agenda 21 como os principais interessados no processo do desenvolvimento sustentável. São eles a herdar este mundo. Juventude não é apenas a geração do futuro, mas também a geração atual. Estamos a enfrentar desafios globais e cada um de nós tem a responsabilidade de pôr em marcha uma mudança que leve a todos nós adotar estilos de vida sustentáveis. Estes são tempos cruciais e as tomadas de decisões de agora terão impacto sobre nossos futuros – se é que vamos mesmo ter um”.

     As palavras acima dão início à segunda parte do relatório “TUNZA: Agindo por um mundo melhor”, que traz o processo e o impacto da Rio+20 sob a perspectiva da juventude.

Jovens na Oficina Preparatória da IV CNIJMA, em Fortaleza/CE. Foto: Lindalva Cruz, 2012.

Jovens na Oficina Preparatória da IV CNIJMA, em Fortaleza/CE.
Foto: Lindalva Cruz, 2012.

     Vocês, caros jovens, sabiam que 73% da contribuição do documento final da Rio+20 veio da sociedade civil e de organizações não governamentais? Conforme o relatório, isso demonstra que muitas pessoas se preocupam e que há, sim, esperança para o futuro.

     Houve muita discussão antes e durante a Rio +20, nas quais as negociações pareciam não ter a mesma celeridade se comparada a 1992. Mencionada Conferência correu, inclusive, o “perigo de ser apelidada Rio-20”. Mas um acordo foi alcançado no final. O texto final da Rio +20 é chamado “O futuro que queremos”.

     Há 20 anos, na Rio92, a Juventude advertindo o mundo disse: “Nós queremos que vocês imaginem uma geração que foi condenada. Imaginem um mundo onde as crianças vivem em meio a uma guerra sem fim, uma comunidade onde os seres humanos são escravos dos seus semelhantes, onde a doença e a fome são a ordem do dia”.

     Na Rio+20, a Juventude se pronunciou dessa maneira: “se essas folhas de papel são o nosso futuro comum, então vocês venderam o nosso destino e subsidiaram nossa destruição comum. Onde esteve nossa voz, a voz dos nossos filhos e netos, nisso? Nós temos um planeta. Nosso ser, nosso pensamento e nossa ação não devem ser limitadas por fronteiras nacionais, mas por fronteiras planetárias. Vocês não conseguiram se libertar do auto interesse corporativo e nacional, bem como em reconhecer nossa necessidade de respeitar fronteiras bem maiores”.

    O relatório diz que esta é uma oportunidade de injetar ânimo para o debate sobre desenvolvimento sustentável, com foco no desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (agenda de desenvolvimento pós-2015), por meio de: ação orientada; tratar de questões emergentes; concentrar na criação de mudança; parar ou inverter as tendências negativas.

   Para mais informações, cliquem aqui.

Fonte: UNEP