índice de sustentabilidade Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

índice de sustentabilidade

Municípios pré-selecionados no Programa Selo Município Verde – Edição 2018

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

25 de julho de 2018

     A Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) divulgou ontem os municípios pré-selecionados na 12ª edição do Programa Selo Município Verde (PSMV).

      Nesta edição de 2018, noventa e quatro (94) municípios cearenses se inscreveram e vinte e três (23) obtiveram pontuação suficiente para serem pré-selecionados.

     Os municípios foram avaliados em cinco (5) Eixos Temáticos (por meio de 16 Indicadores), a saber: Política Municipal de Meio Ambiente; Saneamento Ambiental e Saúde Pública; Recursos Hídricos; Agricultura Sustentável e Biodiversidade.  A primeira fase se constituiu de análise a partir da documentação comprobatória, conforme o Formulário de Avaliação.

     Após a avaliação documental, os municípios que atingiram a nota de corte – igual ou maior que 50 pontos – do Índice de Sustentabilidade Ambiental (ISA) foram pé-selecionados e devem receber visita in loco de técnicos da SEMA e de representantes do Comitê Gestor para averiguação das informações, cabendo ao Coordenador Municipal do PSMV ou suplente acompanhar os referidos técnicos.

     A Figura abaixo traz os 23 municípios cearenses pré-selecionados, cuja classificação pode ser alterada após a visita in loco.  Três (03) municípios receberam classificação B e vinte (20) receberam classificação C.

   A Categoria C indica que o município tem se esforçado para executar ações de gestão ambiental municipal coerentes com as exigências legais; no entanto, ainda, representa pouco compromisso com a sustentabilidade. Em termos de Índice de Sustentabilidade Ambiental (ISA) a categoria C possui intervalo entre >50 e <70 pontos, de um total possível de 100 pontos.

    A Categoria B indica que o município tem executado determinadas ações de gestão ambiental municipal coerentes com as exigências legais, o que representa médio compromisso com a sustentabilidade. Em termos de Índice de Sustentabilidade Ambiental (ISA) a categoria B possui intervalo entre >70 e <90 pontos, de um total possível de 100 pontos.

     A Categoria A indica que o município executa ações de gestão ambiental municipal coerentes com as exigências legais, denotando forte compromisso com a sustentabilidade. Em termos de Índice de Sustentabilidade Ambiental (ISA) a categoria A possui pontuação >90, de um total possível de 100 pontos.

    Importante lembrar que o Programa Selo Município Verde (pioneiro no Brasil) se constitui em uma certificação ambiental pública, em que a existência do Conselho Municipal de Meio Ambiente é a única exigência de inscrição voluntária do município. Todo o processo de avaliação se dá por meio de um Comitê Gestor, constituído por representantes da sociedade civil, da Academia e do poder público estadual e federal.

Fonte: SEMA, 2018.

Publicidade

A sustentabilidade como fator de classificação de risco

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

19 de agosto de 2013

     Os responsáveis técnicos do índice de sustentabilidade Dow Jones publicaram o novo ranking de sustentabilidade, como forma de classificação de risco de países.

Fonte: RobecoSAM

Fonte: RobecoSAM

    Pelas informações de RobecoSAM, o país mais sustentável dos analisados no mundo é a Suécia com a pontuação 8,25 de um total de 10. A Suécia obteve bons resultados nos fatores sociais, de governo e ambientais, sendo um dos fatores melhor avaliados: o uso de fontes renováveis de energia e as emissões de dióxido de carbono. Atrás da Suécia, em 2º Lugar está a Austrália com 7,87 pontos e em terceiro lugar a Suíça com 7,83 pontos.

     O Brasil aparece no 45º lugar com 4,63 da pontuação total de 10, entre os 59 países emergentes (em número de 38) e desenvolvidos (em número de 21) analisados no índice. O Chile foi o país emergente melhor posicionado no ranking, no 18º Lugar.

     Conforme as informações do EcoSítio, os resultados deste índice permitem indicar que um perfil de sustentabilidade mais forte corresponde a um prêmio de seguro mais baixo. A demanda dos investidores por estratégias orientadas, em longo prazo, que integrem considerações ambientais, sociais e de governo, por meio de uma série de diferentes tipos de ativos é muito provável que vá aumentar, sobretudo por causa da crise financeira que expõe algumas das deficiências das medidas tradicionais que se utilizam para avaliação de risco país.

Fonte: EcoSítio e RobecoSAM

Publicidade

A sustentabilidade como fator de classificação de risco

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

19 de agosto de 2013

     Os responsáveis técnicos do índice de sustentabilidade Dow Jones publicaram o novo ranking de sustentabilidade, como forma de classificação de risco de países.

Fonte: RobecoSAM

Fonte: RobecoSAM

    Pelas informações de RobecoSAM, o país mais sustentável dos analisados no mundo é a Suécia com a pontuação 8,25 de um total de 10. A Suécia obteve bons resultados nos fatores sociais, de governo e ambientais, sendo um dos fatores melhor avaliados: o uso de fontes renováveis de energia e as emissões de dióxido de carbono. Atrás da Suécia, em 2º Lugar está a Austrália com 7,87 pontos e em terceiro lugar a Suíça com 7,83 pontos.

     O Brasil aparece no 45º lugar com 4,63 da pontuação total de 10, entre os 59 países emergentes (em número de 38) e desenvolvidos (em número de 21) analisados no índice. O Chile foi o país emergente melhor posicionado no ranking, no 18º Lugar.

     Conforme as informações do EcoSítio, os resultados deste índice permitem indicar que um perfil de sustentabilidade mais forte corresponde a um prêmio de seguro mais baixo. A demanda dos investidores por estratégias orientadas, em longo prazo, que integrem considerações ambientais, sociais e de governo, por meio de uma série de diferentes tipos de ativos é muito provável que vá aumentar, sobretudo por causa da crise financeira que expõe algumas das deficiências das medidas tradicionais que se utilizam para avaliação de risco país.

Fonte: EcoSítio e RobecoSAM