desenvolvimento sustentável Archives - Página 3 de 15 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

desenvolvimento sustentável

Consenso de Nairobi – colaboração e igualdade no comércio e investimentos para o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Impacto Ambiental, Meio Ambiente

29 de julho de 2016

     Reunidos em Nairobi no período de 17 a 22 de julho, mais de 5.000 delegados de 149 países participaram da conferência UNCTAD14, a 14ª. Da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UN Conference on Trade and Development), que após debates, mesas redondas de alto nível, eventos temáticos, do Fórum Mundial de Investimentos, do Fórum Global de Commodities, do Fórum dos Jovens e do Fórum da Sociedade Civil, produziu uma Declaração, como importante resultado desta Conferência.

UNCTAD14_2016

    A declaração final, também chamada de Consenso de Nairobi, discute: os benefícios da globalização; os contínuos impactos da crise econômica e financeira global; a importância do trabalho, a igualdade de gênero e o empoderamento e promoção do espírito empresarial das mulheres e jovens, assim como traz ações para favorecer parcerias globais para erradicar a pobreza e viabilizar o desenvolvimento sustentável.

     A UNCTAD14 destacou questões relacionadas com medidas não tarifárias, a dívida e os fluxos financeiros ilícitos, e incluiu o lançamento de uma iniciativa e-comércio, bem como um fundo fiduciário multilateral sobre o comércio e capacidade produtiva.

     Outro importante resultado da UNCTAD 14, foi a assinatura, por mais de 90 países, de um roteiro sobre subsídios à pesca, cuja declaração conjunta apela à comunidade internacional a cumprir a meta 14 dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (conservação e utilização sustentável dos oceanos, mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável), e, especificamente, para alcançar a meta 14.6, sobre a proibição de subsídios à pesca que levam ao excesso de capacidade e a sobrepesca, eliminando subsídios que contribuem para a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada.

    Aos interessados em ler na íntegra o Consenso de Nairobi ou, em língua Swahili, chamado Nairobi Azimio, cliquem aqui. 

     Aos interessados em ler, na íntegra, o Relatório “Das decisões para as ações”, resultado final da UNCTAD 14, no sentido de auxiliar a reorientações de políticas e ações em nível local, regional e nacional, cliquem aqui.

 

Publicidade

Cursos gratuitos no Ministério do Meio Ambiente

    Seguem até 12 de junho as inscrições de vários cursos de curta duração, na modalidade Educação a Distância. Abaixo, os cursos que estão com inscrições abertas e que terão início em 13 de junho.

Estrutura da Gestão Ambiental

 Objetivo:Estruturação da gestão ambiental municipal, por meio de processos formativos.

Carga horária: 60 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 27/07/2016

Número de vagas: 2.000

 

Estilos de Vida Sustentável

Objetivo: Incentivar a reflexão, discussão e ação interativas com informações e conceitos sobre mudança em favor de estilos de vida sustentáveis.

Carga horária: 30 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 22/07/2016

Número de vagas: 1.000

 

Crianças e o Consumo Sustentável

Objetivo: Trabalhar o conhecimento dos pais e educadores para que construam valores mais sustentáveis com as suas crianças, desestimulando o consumir por consumir e incentivando a prática de brincadeiras, hábitos e atitudes muito mais saudáveis e sustentáveis.

Carga horária: 30 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 22/07/2016

Número de vagas: 1.000

 

Produção e Consumo Sustentável

Objetivo: Sensibilização e divulgação de informações pertinentes á área ambiental, oportunizando conhecimentos específicos em produção e consumo sustentáveis, desenvolvendo ações e acompanhamento do sistema de gestão ambiental e economia verde.

Carga horária: 40 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 05/08/2016

Número de vagas: 2.000

 

Sustentabilidade a Administração Pública

Objetivo: Oferecer subsídios e apoio técnico para a implementação da Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P nos órgãos e entidades da administração pública de todas as esferas e poderes.

Carga horária: 12 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 24/06/2016

Número de vagas: 2.000

 

Igualdade de Gênero e Desenvolvimento Sustentável

Objetivo: Sensibilizar e capacitar os gestores públicos de todas as áreas sobre a problemática da desigualdade de gênero e a importância da transversalização dos temas “gênero” e “desenvolvimento sustentável”.

Carga horária: 20 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 07/07/2016

Número de vagas: 1.000

Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.

Fonte: MMA,2016.

Publicidade

Curso gratuito em Gestão Ambiental

     O Ministério do Meio Ambiente (MMA) está com inscrições abertas até 12 de junho para o Curso Estruturação da Gestão Ambiental Municipal. Estão sendo oferecidas mil e quinhentas vagas, na modalidade Educação a Distância.

    Conforme assessoria de comunicação do MMA, o objetivo do curso é apoiar os municípios na estruturação institucional e no fortalecimento da gestão ambiental municipal, com a visão da sustentabilidade socioambiental territorial. O curso tem, ainda, a perspectiva de atender as demandas dos municípios em qualificar e capacitar seu corpo técnico de forma que o município possa assumir as suas competências administrativas e o seu papel de protagonista em relação à questão ambiental local.

    O curso será ministrado no período de 13 de junho a 27 de julho, com carga de 60 horas, em três módulos com a legislação referente aos temas desenvolvidos, explicações sobre termos técnicos e dicas sobre onde obter informações adicionais.

    Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.

Publicidade

Tolba – contribuição para a governança ambiental global

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

05 de Abril de 2016

    Na semana passada, em 28/03, em Genebra, na Suíca, o mundo perdeu o Dr. Mostafa Tolba, líder visionário que contribuiu significativamente para a governança ambiental global, inclusive promovendo sua filosofia de “desenvolvimento sem destruição”. Suas implicações são claramente refletidas em seus discursos, livros e em programas do PNUMA (UNEP), em muitos campos e em muitos níveis.

    Sob a liderança de Tolba, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (sigla em inglês, UNEP) tornou-se uma organização vital dentro do sistema das Nações Unidas, agindo como catalisador, estimulando governos, empresas, universidades, organizações intergovernamentais e não-governamentais para a ação significativa.

     Entre os muitos destaques da carreira do Dr. Mostafa Tolba, a Convenção de Viena e Protocolo de Montreal se destacam como exemplos de sua liderança inovadora. Segundo a UNEP, amplamente reconhecido como o acordo ambiental multilateral de maior sucesso até hoje, a Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozono e seu Protocolo de Montreal combina ciência, tecnologia, finanças e parcerias para permitir que nações possam eliminar as substâncias que pudessem danificar a camada.

stockolm+10_mostafa_tolba_UNEP

    O atual Diretor Executivo do PNUMA, Achim Steiner disse: “Dr. Tolba foi um pioneiro e “o homem da primeira hora!”. Após a decisão de estabelecer a sede do PNUMA, em Nairobi, no Quênia, o Dr. Tolba juntou-se a Maurice Strong – o primeiro Diretor Executivo do PNUMA – como Vice-Diretor Executivo em 1973. Dois anos mais tarde os Estados membros nomearam Dr. Tolba como Diretor Executivo; uma posição que ocupou por 17 anos. Durante este período Dr. Tolba desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da agenda ambiental global e que continua a ser a base para a governança ambiental e da diplomacia ambiental até os dias de hoje”

executivos_UNEP

         Líderes como Dr. Tolba são raros, únicos, singulares. Seu legado permanecerá. Agradecemos infinitamente por toda sua contribuição, que se iniciou em 1972, quando liderou a delegação do seu país de origem, Egito, para a Conferência de Estocolmo sobre o Ambiente Humano, começando, assim, um compromisso de vida para as questões ambientais.

Fonte: UNEP

Publicidade

Implementando a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável – discussão com a sociedade

    Até amanhã, dia 25 de março de 2016, está acontecendo a discussão eletrônica (e-discussão), coordenada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e pelo Departamento das Nações Unidas de Assuntos Sociais e Econômicos, a respeito da implementação da agenda pós-2015 e seus compromissos até 2030.

     A finalidade dessa e-discussão é engajar os grupos de atores sociais e especialistas de todas as partes do mundo num diálogo que contemple os aspectos específicos da agenda 2030, esperando-se sugestões e recomendações que possam ser encaminhadas para essa nova Agenda, com ênfase no nível nacional e metas de desenvolvimento sustentável.

    Aos interessados em participar, cliquem aqui. Convite feito!

Fonte: UNDP

Publicidade

Professor Renato Aragão – o Ceará sob o olhar ambiental

       No dia 04/02/2016, na sede da FIEC, em Fortaleza/Ceará, haverá o lançamento do livro de minha autoria intitulado “Professor Renato Aragão – o Ceará sob o olhar ambiental”.

     O livro traz a história de implementação da política ambiental no Estado do Ceará, desde a década de 1960, contando a vida profissional do Professor Renato Aragão, cuja trajetória foi inteiramente dedicada às questões ambientais.

     A História ambiental do Estado do Ceará está diretamente relacionada com a atuação profissional do Professor Renato Aragão. Ele foi o responsável pela elaboração da Política Estadual do Meio Ambiente, instituída em 1987; da redação do Capítulo de Meio Ambiente da Constituição Estadual, instituída em 1989, e de vários outros diplomas legais que favoreceram a proteção dos recursos ambientais do Estado do Ceará.

    Conforme apresentação idealizada pelo Professor Manuel Gonçalves Silva, o livro é um “estudo sério, criterioso e até, meticuloso, pelo excesso de zelo com que os assuntos são tratados. Escrito por uma cientista, biografando um cientista e descrevendo a implantação de uma Ciência, especificamente no Ceará, com intensos reflexos no Brasil e repercussões no exterior”.

     Para além de uma biografia de um profissional ímpar na História do Ceará, o livro “Professor Renato Aragão – o Ceará sob o olhar ambiental” é um registro dos fatos e acontecimentos que os cearenses de hoje desconhecem, considerando a inexistência de bibliografias como esta.

     Uma das minhas maiores alegrias nesta vida foi ser presenteada, neste livro, com o prefácio do Professor Paulo Nogueira-Neto. Seguem trechos do prefácio:

    “O Professor Renato Aragão é um cidadão fora do comum. Trabalha há muitos anos em assuntos ligados ao meio ambiente, principalmente no Estado do Ceará.”

    “Numa dessas viagens ao Ceará, fiquei conhecendo uma pessoa ambientalista, que foi logo incorporada à SEMA. Essa pessoa chama-se Professor Renato Aragão. Ele tem o mesmo nome que um artista famoso, o que proporcionou situações curiosas. Certa vez, ele mandou dizer que a tantas horas chegaria de avião a uma certa cidade. Quando ele chegou foi recebido por um grande número de pessoas, que pensavam ser ele o artista.”

    “A história da escolha de Jericoacoara, hoje praia famosa e área protegida, teve a influência e decisão do Professor Renato Aragão.”

    “Quero prestar homenagem a esse grande brasileiro conservacionista, defensor do Meio Ambiente e meu amigo pessoal. É um exemplo para todos nós.”

    O livro é dedicado a todos os cearenses, inclusive os que ainda não nasceram, para que possam conhecer a contribuição singular do Prof. Renato Aragão, se inspirar nos bons exemplos, como o legado de sua trajetória ambiental, e se espelhar para construir um lugar mais agradável e justo para todos.

     Meu muito obrigada, primeiramente a Deus, por permitir o dom da vida e estar aqui. Agradeço a todos que tornaram possível a realização deste sonho que acalento há anos, em especial, à Diretoria da FIEC, nas pessoas do seu Presidente Dr. Beto Studart e do seu Diretor Administrativo, Dr. Ricardo Cavalcante; à família do Professor Renato Aragão; ao Professor Paulo Nogueira-Neto pelo prefácio e ao professor Manuel Gonçalves Dias pela apresentação e revisão do livro.

convite_lançamento_livro_najila_2016

Publicidade

V Congresso Brasileiro de Educação Ambiental aplicada e Gestão Territorial

    Em março deste ano, Fortaleza sediará o V Congresso Brasileiro de Educação Ambiental aplicada e Gestão Territorial, na Universidade Federal do Ceará, Departamento de Geografia,campus do Pici,

    O evento tem por objetivo promover debates e trocas de experiências acadêmicas a nível nacional, buscando contribuir com a difusão de ideias e trabalhos para construção de uma sociedade mais sustentável.

      Assim, terão espaços destinados a discussão e intercâmbio de conhecimentos atrelados a temas relacionados com o evento, que será constituído por um conjunto de palestras, minicursos e apresentação de trabalhos científicos por acadêmicos e técnicos, o que propiciará uma maior troca de conhecimentos entre os participantes do congresso.

    Aos interessados, abaixo tem o cartaz do evento, e para mais informações cliquem aqui.

V_Congresso_Educacao_ambiental_2016

Publicidade

Agenda 2030: ação global para as pessoas e para o Planeta – Parte final

    São muitos e urgentes os desafios que o mundo deve enfrentar nos próximos 15 anos. A Agenda 2030 enquanto compromisso mundial permite aos tomadores de decisão e à sociedade um direcionamento de metas a serem seguidas, considerando os quatro princípios, abordados anteriormente.

   Os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável foram construídos, com ampla participação da sociedade, a partir dos 8 Objetivos do Desenvolvimento do Milênio. A Figura, abaixo, mostra a dimensão ambiental do Desenvolvimento Sustentável e as interfaces entre os diferentes mais complementares objetivos da Agenda 2030.

agenda2030

   Cônscios do nosso dever para com as futuras gerações, sobretudo com a manutenção da qualidade ambiental, e empoderados das informações necessárias, vamos à luta; não apenas cobrar dos tomadores de decisão que optem pelos caminhos que nos levem à direção da sustentabilidade, mas também vamos realizar, cada um de nós, a nossa parte neste processo.

     Aos interessados em ler, na íntegra o documento da UNEP de Ação Global para as pessoas e para o Planeta, cliquem aqui.

Fonte: UNEP.

Publicidade

Agenda 2030: ação global para as pessoas e para o Planeta – Parte 1

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

20 de Janeiro de 2016

    Em setembro de 2015, foram instituídos os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável que integram, conjuntamente, a Agenda 2030 das Nações Unidas. O papel das Nações Unidas engloba a assistência necessária a todos os países do mundo no sentido de auxiliar a transformação que estes devem proceder para implementar as dimensões econômica, social e ambiental da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

     São quatro (4) princípios que norteiam a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a saber: integração, universalidade, direitos humanos e inovação.

    A universalidade diz respeito a todas as pessoas, sem limites de fronteiras. A Agenda 2030 deve ser universalmente aplicada, considerando as diferentes realidades entre os países, seus níveis de desenvolvimento e suas respectivas políticas e prioridades. Essa Agenda requer responsabilidade coletiva e um reforço na governança institucional.

    A integração diz respeito a uma ação harmônica como um todo. A Agenda 2030 deve ser atuante considerando os três pilares do desenvolvimento sustentável, balanceando e interconectando as dimensões social, ambiental e econômica.

    O princípio dos Direitos Humanos e igualdade traz implícita a necessidade de um mundo justo e sustentável, no qual as desigualdades não são apenas determinadas pelas variáveis econômicas. Para se alcançar níveis básicos de bens e serviços a todos, é necessária melhor distribuição de recursos, melhor acesso a oportunidades e à informação, para o atendimento das necessidades de toda a sociedade.

     A inovação é a chave do progresso. É senso comum a transferência de inovações tecnológicas. Para tanto, faz-se necessário reforçar a ciência formal, o conhecimento tradicional e o senso comum dos cidadãos, que permita aos países avançarem na direção do desenvolvimento sustentável.

Fonte: UNEP.

Publicidade

Blog Verde – Ano V

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

12 de Janeiro de 2016

    O Blog Verde, em seu quinto ano, continua a trazer informações ambientais que possam interessar a todos os cidadãos. A ideia é compreendermos as diferentes variáveis que influenciam as políticas ambientais e qual o reflexo destas em nosso viver.

    Mais ainda, o importante é que, empoderados destas informações, possamos escolher conscientemente pelas melhores opções para o alcance de um mundo mais justo e equilibrado para todos.

     O ano de 2016 já começou. Muitos serão os desafios. Este é o Ano Internacional dos Grãos, temática escolhida pelas Nações Unidas.

    Conforme a Organização das Nações Unidas, os grãos são um grupo de 12 culturas, que inclui feijões secos, ervilhas secas, grão de bico e lentilhas. São ricos em proteínas, fibras e várias vitaminas, fornecem aminoácidos e possuem fartas colheitas. São mais populares nos países em desenvolvimento, mas são cada vez mais reconhecidos em dietas saudáveis em todo o mundo.

    Esta semana, falaremos da Agenda 2030, uma ação global para as pessoas e para o Planeta. Mencionada Agenda tem um tema importante que é a agricultura sustentável.

     Então, que 2016 seja um ano de paz, de ganhos, de escolhas acertadas e adequadas na direção da sustentabilidade.

Publicidade

Blog Verde – Ano V

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

12 de Janeiro de 2016

    O Blog Verde, em seu quinto ano, continua a trazer informações ambientais que possam interessar a todos os cidadãos. A ideia é compreendermos as diferentes variáveis que influenciam as políticas ambientais e qual o reflexo destas em nosso viver.

    Mais ainda, o importante é que, empoderados destas informações, possamos escolher conscientemente pelas melhores opções para o alcance de um mundo mais justo e equilibrado para todos.

     O ano de 2016 já começou. Muitos serão os desafios. Este é o Ano Internacional dos Grãos, temática escolhida pelas Nações Unidas.

    Conforme a Organização das Nações Unidas, os grãos são um grupo de 12 culturas, que inclui feijões secos, ervilhas secas, grão de bico e lentilhas. São ricos em proteínas, fibras e várias vitaminas, fornecem aminoácidos e possuem fartas colheitas. São mais populares nos países em desenvolvimento, mas são cada vez mais reconhecidos em dietas saudáveis em todo o mundo.

    Esta semana, falaremos da Agenda 2030, uma ação global para as pessoas e para o Planeta. Mencionada Agenda tem um tema importante que é a agricultura sustentável.

     Então, que 2016 seja um ano de paz, de ganhos, de escolhas acertadas e adequadas na direção da sustentabilidade.