agenda de desenvolvimento Archives - Página 4 de 7 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

agenda de desenvolvimento

2015- uma oportunidade histórica

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

16 de outubro de 2013

    O ano de 2015, conforme relato do Secretário Geral da ONU, Ban Ki-Moon, será uma oportunidade histórica, pois simultaneamente será a data final para o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM); a adoção da nova agenda de desenvolvimento pós-2015, e ainda um novo acordo sobre as mudanças climáticas.

Foto: Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal

   Ainda conforme o Secretário Geral das Nações Unidas, os ODM possibilitaram, por meio de esforços mundiais e conjuntos, salvar milhões de vidas. Eles são a prova de como o desenvolvimento compartilhado entre os diversos atores podem ajudar a construir um mundo melhor.
     Já existe um amplo consenso de que os direitos das mulheres, a governança e ações sobre a ameaça global das mudanças climáticas devem figurar com destaque na agenda ambiental de desenvolvimento pós-2015.
Fonte:UNEP
Publicidade

Energia e Sustentabilidade – parte 2

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Desertificação, Meio Ambiente

06 de setembro de 2013

O Relatório da Organização das Nações Unidas “Energia Sustentável para todos” (Sustainable Energy for All) reforça a necessária atuação dos atores sociais no processo de garantir o acesso universal de energia limpa.

     Dentre os atores sociais está o setor público que deve dar o suporte a novas tecnologias instituindo políticas inteligentes que possam nivelar energias renováveis e eficiência energética, por meio de incentivos aos investimentos privados e outros mecanismos, bem como dando suporte à cooperação internacional e a disseminação do conhecimento.

     Com relação à sociedade civil, esta é um agente social crítico que pode significar mudanças potenciais aos avanços de tecnologias de energias limpas. As Organizações da Sociedade Civil podem formar, então, parcerias e redes de relacionamento no intuito de facilitar o fluxo de informações – transparentes e abertas. Podem, ainda, se engajar com os tomadores de decisão e com o setor privado para auxiliar na implementação de políticas de energias limpas e de suas tecnologias.

    O programa “Energia Sustentável para todos” (Sustainable Energy for All) é uma oportunidade de trazer todos os atores sociais à mesa para trabalharem, de forma conjunta, em direção à energia sustentável.

     Uma coisa é certa: tanto países desenvolvidos como os países em desenvolvimento têm necessidade de desenvolver tecnologias de energias renováveis. Oportunidades de alto impacto existem em todos os setores da economia, a saber:

– setor de eletricidade;

– setor de transportes;

– setor da construção civil; e

– setor industrial.

     Acredita-se que o programa “Energia Sustentável para todos” (Sustainable Energy for All) pode auxiliar em diferentes maneiras, dentre as quais:

– uso das redes de conhecimento para dar apoio aos governos locais (municípios) com esforços para implementar programas de energia;

– desenvolver agenda de ação de agora até 2030 para atender aos objetivos, a exemplo da Green Climate Fund (Fundo Verde Clima).

Fonte: ONU

Publicidade

Resultados da pesquisa My World – Meu Mundo

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

30 de agosto de 2013

A pesquisa da Organização das Nações Unidas realizada no mundo interiro para eleger prioridades ambientais mundiais, com dados de 30/08/2013, teve ao todo cerca de 170.000 votos. O Brasil contribui, até o presente momento, com 18.509 votos.

Fonte: ONU

Fonte: ONU

As três prioridades ambientais mais votadas no mundo, até agora, são:

– proteção para florestas, rios e oceanos;

– educação de qualidade; e

– Acesso à água potável e ao saneamento.

Vocês acreditam que o tema: Acesso à energia em sua casa está em 15º lugar? O menos votado é o tema: melhoria dos transportes e estradas.

Você, caro leitor do Blog Verde, já votou? Não. Então, caso se interesse em contribuir nesta busca dos caminhos a percorrer no futuro e suas prioridades, clique aqui.

 

Publicidade

Qual é o mundo que queremos?

     Desde novembro de 2012 até maio de 2013, houve consulta pública para ouvir as vozes do mundo inteiro sobre a discussão de sustentabilidade ambiental para o que se deseja na agenda pós-2015. Durante esse período, conforme UNEP, foram 1100 submissões e comentários a respeito das temáticas oriundos de 173 países.

     Está agora disponível o rascunho do Relatório O Mundo que Queremos para comentários. Este processo de visualização e de comentários ficará disponível até 26 de julho e pode ser acessado aqui.

    O Relatório (Draft Report) informa que as respostas atuais são curtas para manter o passo da multiplicidade e complexidade das atividades humanas no planeta, que estão aumentando as desigualdades e provocando mudanças ambientais. Estas, por sua vez, incrementam a vulnerabilidade humana e prejudicam o bem-estar, particularmente das mulheres, crianças e pobres.

my_world_ONU

    Ainda conforme o Relatório, muitos compartilham do otimismo de que a inovação e as soluções integradas demonstram que temos conhecimento e capacidade para redirecionar a trajetória para o desenvolvimento sustentável e fazer uma agenda universal, que reflitam os objetivos comuns e que reflitam a realidade.

    As contribuições oriundas dos 173 países convergiram para a necessidade de transformação, particularmente na governança e na responsabilidade, na ação local e no empoderamento das populações locais, na educação e em mudanças econômicas.

    Convite feito! Caros leitores do Blog Verde, participem! Este é o momento de colocar na pauta mundial o que nós queremos, o que desejamos… inclusive para nossos filhos.

Publicidade

Grandes avanços sobre Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

01 de julho de 2013

     Hoje, a ONU (Organização das Nações Unidas) publicou um Relatório sobre os Avanços na consecução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), cuja meta final é 2015.

     Algumas metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) já foram atingidas e mais metas estão próximas de serem atendidas até 2015, ao mesmo tempo em que os desafios para alcançar os outros ODM devem ser abordados com urgência,comentou o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki–Moon, em Gêneva, durante a solenidade de lançamento do Relatório.

Foto: Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal

      O Relatório Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio-2013 (The Millennium Development Goals Report 2013) mostra que as ações conjuntas dos governos nacionais, da comunidade internacional, da sociedade civil e do setor privado estão fazendo a consecução dos ODM tornar realidade.

      Segundo o Secretário Geral, Ban Ki-Moon, “os ODM têm sido o mais bem sucedido impulso global no combate à pobreza na história. Os ODM têm provado que os objetivos de desenvolvimento global podem fazer uma diferença profunda.” As oito metas foram acordadas por todos os países como uma consequência da Cúpula do Milênio das Nações Unidas, em 2000.

      Conforme o Relatório, milhões de pessoas melhoraram notadamente no que diz respeito às metas de redução da pobreza e do aumento do acesso à água potável. O relatório diz ainda que progressos notáveis em outras áreas significam dizer que as outras metas do ODM devem ser alcançadas em 2015.

Fonte: UNEP

Publicidade

Produção e consumo sustentáveis em debate

    Nos próximos dias 24 e 25 de junho, em Lima-Peru, a discussão mundial gira em torno da produção e consumo na 7ª Reunião Regional da América Latina e do caribe sobre o Quadro Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis (10YFP on SCP).

     O objetivo do encontro é proporcionar uma visão global e regional sobre o tema, além de compartilhar avanços e identificar áreas de colaboração. O encontro deve servir para avaliar a execução dos programas locais que envolvem a produção e consumo sustentáveis, noticia Tinna Oliveira, do MMA.

     Este encontro regional vai lançar o 10YFP na região e identificar áreas prioritárias, fortalecer parcerias, criar sinergias e aumentar a participação dos interessados nas atividades e programas 10YFP.

     O Brasil possui Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS), que tem por objetivo fomentar políticas, programas e ações que promovam a produção e o consumo sustentáveis no país. O Blog Verde já comentou, em 13/06, sobre mencionado Plano.

     Pra saber um pouco mais sobre Quadro Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis (The 10 year framework of programmes on Sustainable consumption and production), cliquem aqui.

Fonte: UNEP e MMA

 

Publicidade

Desenvolvimento Humano 2013 – parte 4

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

06 de junho de 2013

      Conforme Human Development Report 2013, a promoção da coesão social e da integração social, um dos objetivos declarados das estratégias dos países em desenvolvimento, a exemplo do Brasil, é baseada em evidências de impacto positivo do desenvolvimento para uma sociedade unificada.

     Sociedades mais igualitárias tendem a desenvolver melhor a maioria das medidas do desenvolvimento humano- desde a gravidez na adolescência até as taxas de suicídio – do que fazem as sociedades desiguais. Esta conclusão é corroborada por estudos em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

     Estes aspectos de nível de desenvolvimento da sociedade têm sido subvalorizado em conceituações anteriores de desenvolvimento, mas estão provando serem elementos essenciais de qualquer caminho de desenvolvimento viável e desejável em longo prazo.

     Conforme o Human Development Report 2013, muitos países do Hemisfério Sul também se beneficiaram de efeitos indiretos em importantes setores de desenvolvimento humano, especialmente em matéria de saúde. As empresas Indianas, por exemplo, fornecem atualmente, a países africanos e a preços acessíveis, medicamentos, equipamento médico, produtos e serviços de tecnologias de informação e comunicação. As empresas brasileiras e sul-africanas produzem um impacto semelhante.

Fonte: UNDP, 2013

Publicidade

Desenvolvimento Humano 2013 – parte 3

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

04 de junho de 2013

     Enfrentar os desafios ambientais, este é um dos pontos importantes colocados no relatório Human Development Report 2013.

    As ameaças ambientais, a exemplo das alterações climáticas, o desmatamento, a poluição atmosférica e dos recursos hídricos, assim como as catástrofes naturais afetam todos, mas  atingem sobretudo os países pobres.

     Conforme mencionado Relatório, as alterações climáticas agravam as ameaças ambientais crônicas, e as perdas de ecossistemas podem restringir oportunidades de subsistência, especialmente no caso das populações pobres.

    Apesar de os países com um IDH baixo contribuírem menos para as alterações climáticas globais, são eles, conforme dispõe o Relatório de 2013, os que, provavelmente, terão de suportar maiores perdas no que se refere à precipitação anual e os mais acentuados aumentos na variabilidade climática, com implicações graves para a produção agrícola e a subsistência.

    A dimensão dessas perdas realça a urgência de medidas de adaptação. O custo da não ação será provavelmente elevado. Quanto mais tempo se mantiver a inação, maior o custo, diz o relatório Human Development Report 2013.

Fonte: UNDP, 2013

 

Publicidade

Desenvolvimento Humano 2013 – parte 2

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

03 de junho de 2013

      Chamou a atenção do mundo quando os países desenvolvidos pararam de crescer na crise financeira de 2008-2009, mas as economias dos países em desenvolvimento continuaram crescendo.

     Conforme o Human Development Report 2013, a ascensão do Hemisfério Sul foi muito comentada desde então. Esta discussão estava tipicamente focada estritamente no produto interno bruto (PIB) e no crescimento do comércio em alguns países desenvolvidos. No entanto, há uma dinâmica mais ampla em jogo, envolvendo muitos mais países e as tendências mais profundas, com implicações potencialmente transformadoras para a vida das pessoas, para a equidade social e para a governança democrática em níveis local e global.

    O relatório mostra que a ascensão do Sul é tanto o resultado de contínuos investimentos e conquistas de desenvolvimento humano, bem como uma oportunidade, ainda, para maior progresso humano para o mundo como um todo.

     A maioria dos países em desenvolvimento realizaram avanços, no entanto alguns países contribuíram mais no que pode ser chamado de “ascensão do Sul”, entre estes países: Brasil, China, Índia, Indonésia, África do Sul e Turquia.

     Pela primeira vez em 150 anos, a produção combinada de três líderes mundiais de economias em desenvolvimento (Brasil, China e Índia), é quase igual ao PIB combinado das potências industriais de longa data do Norte (Canadá, França, Alemanha, Itália, Reino Unido e os Estados Unidos).

     Conforme o Relatório, isto representa um reequilíbrio do poder econômico global. Em 1950, Brasil, China e Índia, juntos, responderam por apenas 10% da economia mundial, enquanto os seis líderes econômicos tradicionais do Norte foram responsáveis por cerca da metade. De acordo com projeções no Relatório, até 2050, Brasil, China e Índia juntos responderão por 40% da produção global, superando de longe a produção combinada projetada do Grupo dos Sete.

Fonte: UNDP, 2013

Publicidade

Desenvolvimento Humano 2013 – parte 1

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

01 de junho de 2013

    Durante essa semana, o Blog Verde traz, a cada dia, um tema discutido no último relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

    O Relatório do Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: Progresso Humano num Mundo Diversificado (The 2013 Human Development Report, The Rise of the South: Human Progress in a Diverse World) olha para a evolução geopolítica do nosso tempo, examinando questões e tendências emergentes e também os novos atores que estão moldando o cenário de desenvolvimento.

    O Relatório de 2013 identifica quatro específicas áreas que devem sustentar o desenvolvimento:

(1) aumento de equidade, incluindo a dimensão de gênero;

(2) permissão de voz e de mais participação dos cidadãos, incluindo os jovens;

(3) enfrentamento das pressões ambientais e

(4) gestão da mudança demográfica.

    O relatório também sugere que à medida que os desafios globais de desenvolvimento se tornam mais complexos e transfronteiriços na natureza, uma ação coordenada sobre os desafios mais urgentes da nossa época, sejam eles a erradicação da pobreza, a mudança climática, ou a paz e a segurança, é essencial.

Fonte: UNDP, 2013

Publicidade

Desenvolvimento Humano 2013 – parte 1

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

01 de junho de 2013

    Durante essa semana, o Blog Verde traz, a cada dia, um tema discutido no último relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

    O Relatório do Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: Progresso Humano num Mundo Diversificado (The 2013 Human Development Report, The Rise of the South: Human Progress in a Diverse World) olha para a evolução geopolítica do nosso tempo, examinando questões e tendências emergentes e também os novos atores que estão moldando o cenário de desenvolvimento.

    O Relatório de 2013 identifica quatro específicas áreas que devem sustentar o desenvolvimento:

(1) aumento de equidade, incluindo a dimensão de gênero;

(2) permissão de voz e de mais participação dos cidadãos, incluindo os jovens;

(3) enfrentamento das pressões ambientais e

(4) gestão da mudança demográfica.

    O relatório também sugere que à medida que os desafios globais de desenvolvimento se tornam mais complexos e transfronteiriços na natureza, uma ação coordenada sobre os desafios mais urgentes da nossa época, sejam eles a erradicação da pobreza, a mudança climática, ou a paz e a segurança, é essencial.

Fonte: UNDP, 2013