agenda de desenvolvimento Archives - Página 2 de 7 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

agenda de desenvolvimento

O caminho para a dignidade até 2030

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Meio Ambiente

11 de Fevereiro de 2015

No final de dezembro/2014, a Resolução A/69/700, da Assembleia Geral da ONU, trouxe o Relatório Síntese da agenda de desenvolvimento sustentável pós-2015.

Com o título “O caminho para a dignidade até 2030: erradicando a pobreza, transformando todas as vidas e protegendo o Planeta”, o documento traz importantes informações que todos nós, cidadãos no mundo, deveríamos saber.

O Blog Verde traz, então, durante essa semana informações contidas neste Relatório, cujo conteúdo é objeto das negociações multilaterais dos países e que podem (e devem) subsidiar políticas públicas (sua readequação e implementação) em municípios e estados em seus setores industrial, financeiro, de agricultura e outros.

O desafio não é pequeno; mas com esforço conjunto é possível se alcançar metas e prazos. O Relatório propõe uma agenda universal e transformadora para o desenvolvimento sustentável, tendo por base os direitos, e tendo as pessoas e o planeta como centro de discussão. Um conjunto integrado de seis elementos essenciais foi fornecido para auxiliar e reforçar a agenda do desenvolvimento sustentável, no sentido de assegurar o que os anseios e visão expressas pelos Países Membros possam se tornar realidade em cada país. Os elementos são:

(a) Dignidade: para acabar com a pobreza e combater as desigualdades;

(b) Pessoas: para garantir uma vida saudável, o conhecimento e a inclusão das mulheres e crianças no processo de desenvolvimento;

(c) Prosperidade: para crescer uma economia forte, inclusiva e transformadora;

(d) Planeta: para proteger os ecossistemas para todas as sociedades e para os nossos filhos;

(e) Justiça: para promover sociedades e instituições fortes, seguras e pacíficas; e

(f) Parceria: para catalisar a solidariedade global para o desenvolvimento sustentável.

Mencionado Relatório destaca,a inda, que uma agenda integrada de desenvolvimento sustentável requer um quadro igualmente sinérgico de meios para a sua implementação, incluindo o financiamento, tecnologia e investimentos.

Além disso, o Relatório conclama a todos a assumir a responsabilidade compartilhada, a fim de garantir que as promessas se transformarão em ações exequíveis. Para isso, o Relatório propõe uma estrutura que permita acompanhar e rever sua execução.

Fonte: UN, 2014.

Publicidade

80% dos esgotos, no mundo, são lançados sem tratamento

    No último Relatório divulgado no começo de fevereiro/2015, a Organização Mundial da Saúde (WHO, sigla em inglês), alerta que apenas 20% dos esgotos, no mundo, são lançados no meio ambiente, com tratamento adequado.

esgoto_WHO_onu_2015

Fonte: WHO, 2015

    Mencionado Relatório alerta que essa forma inadequada de lançamento de esgoto pode provocar a contaminação de mananciais de água, provocando doenças. A OMS encoraja, portanto, governos locais e nacionais e olharem para a temática “tratamento de esgoto” como um recurso extremamente valioso, sendo este tema um dos prioritários para a agenda de desenvolvimento pós-2015.

    O relatório menciona ainda que a população urbana, no mundo, deve duplicar nas próximas quatro décadas e que os países tem demonstrado ter reduzida capacidade, cerca de 8%, de tratar eficientemente os esgotos que serão produzidos.

     Michel Jarraud, Presidente da UN-Water, comentou: “o esgoto tem sido bastante discutido na Agenda de Desenvolvimento pós-2015. Os países reconhecem que o desenvolvimento econômico e sustentável deve incorporar os recursos hídricos, o esgoto e a qualidade da água. Esse relatório contribui para as discussões futuras e deve auxiliar os tomadores de decisão”.

   O título do relatório é “Wastewater Management, a UN-Water Analytical Brief”. Aos interessados em ler na íntegra, cliquem aqui.

Fonte: WHO

Publicidade

A Conferência do Clima 2014 começa hoje

    A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a Conferência do Clima 2014, começa hoje em Lima, no Peru e deve continuar até 12/12. Mencionada Conferência abriga, também, a Conferência das Partes (COP) 20 da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC, sigla em inglês) e o Encontro das Partes sobre o Protocolo de Kyoto.

     A Conferência do Clima deve considerar, em suas discussões, a agenda com itens relacionados a financiamento, mitigação, adaptação e tecnologia. Um dos resultados esperados é o desenvolvimento de um Protocolo, outro instrumento legal de acordo entre as Partes, para que estes possam cumprir, a partir de 2015, com início das ações ali acordados com prazo não posterior a 2020.

     Vamos aguardar! Estamos na torcida para que os países possam, realmente, assumir os compromissos necessários a este novo desafio do século: mudanças climáticas.

     Ao longo desta semana, o Blog Verde trará, dentro da medida do possível, as notícias da Conferência do Clima 2014.

Publicidade

Educação para o Desenvolvimento Sustentável

     No período de 10 a 12 de novembro, sob os auspícios da UNESCO, houve a Conferência Mundial de Educação para o Desenvolvimento Sustentável, em Nagoya, no Japão.

     Como resultado final de mencionada Conferência tem-se a Declaração de Nagoya de Educação para o Desenvolvimento Sustentável (ESD), em que os participantes chamam por ações urgentes no sentido de fortalecer e ampliar a Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

     A Declaração baseia-se nas realizações da Década das Nações Unidas de ESD (2005-2014), bem como reconhece que “as pessoas são o centro do desenvolvimento sustentável”

     Mencionada Declaração de Nagoya realça “o potencial de ESD para capacitar os alunos a transformarem-se e transformarem a sociedade em que vivem, desenvolvendo conhecimentos, habilidades, atitudes, competências e valores necessários para abordar a cidadania global e os desafios contextuais locais do presente e do futuro, com compreensão da interconectividade dos desafios”.

     Aos interessados em ter acesso a Declaração de Nagoya de Educação para o Desenvolvimento Sustentável na íntegra, cliquem aqui. 

Fonte: ONU

Publicidade

Clima Energia 2030 – Pacote Europeu

      Ivo Augusto, escrevendo para EcoNews, de novembro/2014, informou que o Conselho Europeu apresentou no final do mês de outubro o pacote Clima-Energia, o qual define objetivos climáticos ambiciosos a atingir até 2030.

     Conforme Ivo Augusto, este quadro político pretende tornar a economia Europeia mais competitiva, segura e sustentável, reduzindo a dependência das importações de energia e criando novas oportunidades para o crescimento econômico e para a criação de emprego.

    Ainda segundo Ivo Augusto, a peça central deste quadro legislativo é a redução de, pelo menos, 40% do dos Gases de Efeito de Estufa (GEE) até 2030, com relação aos níveis de 1990. De forma atingir a redução de 40%, os setores não abrangidos pelo Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) terão de reduzir as emissões de GEE em 30%, relativamente a 2005, enquanto os se tores abrangidos pelo CELE terão de reduzir as suas emissões em 43%, em relação a 2005.

     Apresentando-se como o principal instrumento para a redução de emissões na Europa, está prevista a reforma do CELE, com o objetivo de solucionar o excedente de licenças de emissão, melhorar a resiliência do sistema e reforçar a promoção do investimento de baixo carbono ao menor custo para a sociedade, acrescenta Ivo Augusto.

Fonte: EcoNews, novembro/2014.

Publicidade

16º Encontro Global das Convenções Regionais dos Oceanos e Planos de Ação

Por Nájila Cabral em Água, Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

06 de outubro de 2014

     No período de 29 de setembro a 1º de outubro deste ano, em Atenas, na Grécia, foi realizado o16º Encontro Global das Convenções Regionais dos Oceanos e Planos de Ação. Os objetivos do encontro foram:

– discutir o papel das convenções no processo de desenvolvimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) nos oceanos considerando a agenda de desenvolvimento pós-2015;

– apresentar os avanços na implementação das Diretivas Estratégicas dos Oceanos 2013-2016;

– discutir o desenvolvimento de um mapa de implementação de prioridades para os próximos 10 anos.

     Estiveram presentes cerca de 50 participantes, que representavam 16 diferentes países. Também presentes organizações internacionais e mídia.

    No primeiro dia do encontro foi publicado o relatório “The importance of mangroves to people: a call for action” (A importância dos manguezais: uma chamada para ação), que contem as apresentações e as discussões do evento.

Fonte: UNEP

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – parte 3

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de agosto de 2014

       Dando continuidade as propostas de Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, tem-se:

5) Alcançar a igualdade de gênero, o empoderamento das mulheres e meninas em todos os lugares. Dentre as metas, citam-se: até 2030 acabar com todas as formas de discriminação contra as mulheres de todas as idades; eliminar todas as práticas nocivas especialmente com crianças forçadas a casarem cedo e as mutilações genitais.

6) Garantir a disponibilidade e uso sustentável da água e saneamento para todos. Dentre as metas está a garantia do direito humano à água e ao saneamento, fornecendo acesso universal à água potável segura, suficiente, aceitável e acessível, bem como saneamento adequado e higiene para todos.

7) Assegurar energia sustentável para todos. Dentre as metas estão: garantir o acesso universal aos serviços acessíveis e sustentáveis de energia confiável, fontes e tecnologias, assegurando a igualdade de gênero; pelo menos triplicar a quota das energias renováveis, socialmente e ambientalmente, saudáveis no mix global de energia.

8) Promover o crescimento sustentado, inclusivo e sustentável econômico, o emprego pleno e produtivo e do trabalho digno para todos. Dentre as metas estão: até 2030 alcançar o emprego pleno e produtivo e do trabalho digno para todas as mulheres e homens, inclusive para os jovens, idosos e pessoas com deficiência.

9) Promover a infraestrutura e industrialização sustentáveis e promover a inovação. Dentre as metas: até 2030 atualizar a infraestrutura das indústrias para torná-las sustentáveis; alcançar a transformação estrutural das economias no sentido de padrões de produção responsáveis sociais e ambientais, em todos os setores e atividades.

10) Reduzir as desigualdades dentro e entre países. Dentre as metas: até 2030 sustentar o crescimento da riqueza dos 40% da população mais pobres a uma taxa maior que a média nacional; eliminar todas as desigualdades nas oportunidades e minimizar as desigualdades entre todos os grupos sociais.

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável –parte 2

    A proposta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) tem até 2030 como horizonte temporal para consecução. São 17 as propostas dos ODS. Nesta parte, traremos quatro dos ODS (propostas) e algumas metas.

    Importante ressaltar que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável só serão votados, em plenária na ONU, em 2015; portanto, ainda se encontram em discussão com todas as partes interessadas.

1) Acabar com a pobreza em todo lugar. Dentre as metas estão: até 2030, zerar o número de pessoas que vivem na extrema pobreza e reduzir pela metade a proporção das pessoas de todas as idades que estão abaixo do nível de pobreza.

2) Acabar a fome, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável. Dentre as metas estão: até 2030 acabar com a fome e assegurar que todas as pessoas tenham acesso à adequada nutrição.

3) Alcançar vida saudável para todos. Dentre as metas estão: até 2030, acabar com a mortalidade e a morbidade maternas evitáveis; reduzir em um terço a morbidade, a mortalidade e a incapacidade por doenças não transmissíveis; reduzir pela metade o número de mortes evitáveis e de doenças provocadas por produtos químicos perigosos, pela poluição do ar (interior e exterior), pela poluição da água e do solo e outras formas de degradação ambiental.

4) Proporcionar educação de qualidade e oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Dentre as metas estão: até 2030, prover a todas as crianças acesso a educação infantil e básica de qualidade; assegurar aos meninos e meninas completar a educação primária (fundamental) e secundária (médio); integrar a educação aos programas de educação para o desenvolvimento sustentável, incluindo os direitos dos povos indígenas, direitos humanos, promovendo uma cultura de paz e não violência.

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.

Publicidade

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável –parte1

    Após a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (sigla em inglês UNCSD 2012), chamada Rio+20, o mundo inteiro começou a discutir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável enquanto agenda ambiental e de desenvolvimento pós-2015.

    A agenda pós-2015 se refere à data final (2015) para que os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) sejam atendidos.

    No período de 14 a 18 de julho de 2014, reunidos em Nova York, os Grandes Grupos (Major Groups) e outros atores sociais discutiram o documento com a proposta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

    O Blog Verde, esta semana, trará os resultados desta discussão, que estão no documento final da 13ª e última Sessão do Grupo Aberto de Trabalho sobre os Objetivos do Desenvolvimento Ssutentável (Open Working Group on Sustainable Development Goals)

    Destaque deve ser dado à ampla participação da sociedade mundial no processo de discussão das metas e objetivos do desenvolvimento sustentável, por meio dos diferentes mecanismos de participação, a exemplo do Meu Mundo (My Word) e do O Mundo que Queremos (The World we Want), ambos divulgados aqui no Blog Verde.

    Conforme o documento final do Grupo de Trabalho, mais de dois milhões e seiscentas mil pessoas participaram da votação no mundo inteiro. A figura abaixo traz as informações das votações, considerando as necessidades apontadas pela sociedade mundial e consequentemente, suas preocupações enquanto objetivos do desenvolvimento sustentável.

resultados_myworld_2014

    Atentar que a temática mais votada, com cerca de um milhão e oitocentos mil votantes, foi “uma boa educação”; seguida por “melhor cuidado com a saúde”, com um milhão e quatrocentos mil votos. A preocupação com as “Mudanças Climáticas”, conforme a votação, foi menos expressiva, no mundo.

    Importante destacar, também, a voz das Crianças e Juventude (Children and Youth) que em plenária se pronunciaram preocupantes com os limites planetários e encorajados em assumir, conjuntamente, os novos desafios que se aproximam.

“No mundo de hoje, estamos cruzando os limites do planeta, estamos comprometendo as necessidades das gerações futuras, devido à tomada de decisão míope; e nós estamos correndo risco com a perigosa mudança climática, que já fez suas primeiras vítimas. Se não tomarmos ações apropriadas aqui, nestes assentos confortáveis, a luta para alcançar um mundo sustentável poderá ser inútil. Isso precisa mudar, se quisermos criar o futuro que as pessoas precisam. Chegou a hora de trabalharmos juntos fortemente, entre os países e entre as gerações.”

Fonte: Sustainable Development Knowledge Plataform, 2014.

Publicidade

Salvando vidas de muitas maneiras – Relatório ODM 2014

     Muito recentemente, a Organização das Nações Unidas publicou o Relatório dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) – 2014. Aproxima-se a data limite, que é 2015, para que os países alcancem metas e prazos.

    Mencionado relatório dos ODM é baseado em estatísticas oficiais e fornece o resumo mais recente de todas as metas, tanto em nível global quanto regional. Os resultados mostram que os esforços concentrados para alcançar as metas dos ODM pelos governos nacionais, pela comunidade internacional, pela sociedade civil e pelo setor privado estão indo em direção de tirar as pessoas da pobreza extrema e melhorar seu futuro.

     O Secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, comentou: “os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio foram uma promessa de defender os princípios da dignidade humana, igualdade e equidade, e libertar o mundo da pobreza extrema. Os ODM, com oito grandes metas e com prazos mensuráveis, estabeleceram um plano para enfrentar os desafios de desenvolvimento mais prementes do nosso tempo”.

    Ainda segundo o relatório, ao longo dos últimos 20 anos, a probabilidade de uma criança morrer antes dos cinco anos foi quase cortada pela metade, o que significa cerca de 17 mil crianças salvas todos os dias. Globalmente, a taxa de mortalidade materna caiu 45% entre 1990 e 2013.

     Outra informação importante é sobre a terapia anti-retroviral para pessoas infectadas pelo HIV salvou 6,6 milhões de vidas desde 1995. A expansão dessa cobertura poderia salvar muitos mais. Desde 1995, os esforços para combater a tuberculose salvaram cerca de 22 milhões de vidas.

    Em tempos de tantas informações que nos causam profunda tristeza, como a morte de milhares de pessoas no conflito da Síria, a informação de que políticas públicas, quando efetivamente implementadas podem salvar milhares de vida, é uma doce esperança. Temos, sim, muito que realizar, reprogramar, readequar… Mas tenho fé e acredito nessa linda criatura divina que denominamos Homem.

Fonte: New York: UN Department of Public Information

Publicidade

Salvando vidas de muitas maneiras – Relatório ODM 2014

     Muito recentemente, a Organização das Nações Unidas publicou o Relatório dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) – 2014. Aproxima-se a data limite, que é 2015, para que os países alcancem metas e prazos.

    Mencionado relatório dos ODM é baseado em estatísticas oficiais e fornece o resumo mais recente de todas as metas, tanto em nível global quanto regional. Os resultados mostram que os esforços concentrados para alcançar as metas dos ODM pelos governos nacionais, pela comunidade internacional, pela sociedade civil e pelo setor privado estão indo em direção de tirar as pessoas da pobreza extrema e melhorar seu futuro.

     O Secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, comentou: “os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio foram uma promessa de defender os princípios da dignidade humana, igualdade e equidade, e libertar o mundo da pobreza extrema. Os ODM, com oito grandes metas e com prazos mensuráveis, estabeleceram um plano para enfrentar os desafios de desenvolvimento mais prementes do nosso tempo”.

    Ainda segundo o relatório, ao longo dos últimos 20 anos, a probabilidade de uma criança morrer antes dos cinco anos foi quase cortada pela metade, o que significa cerca de 17 mil crianças salvas todos os dias. Globalmente, a taxa de mortalidade materna caiu 45% entre 1990 e 2013.

     Outra informação importante é sobre a terapia anti-retroviral para pessoas infectadas pelo HIV salvou 6,6 milhões de vidas desde 1995. A expansão dessa cobertura poderia salvar muitos mais. Desde 1995, os esforços para combater a tuberculose salvaram cerca de 22 milhões de vidas.

    Em tempos de tantas informações que nos causam profunda tristeza, como a morte de milhares de pessoas no conflito da Síria, a informação de que políticas públicas, quando efetivamente implementadas podem salvar milhares de vida, é uma doce esperança. Temos, sim, muito que realizar, reprogramar, readequar… Mas tenho fé e acredito nessa linda criatura divina que denominamos Homem.

Fonte: New York: UN Department of Public Information