Blog Verde - 20/86 - Meio ambiente é vida 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Objetivos do desenvolvimento sustentável

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

19 de Fevereiro de 2015

    Conforme a Resolução 66/288, da ONU, os objetivos do desenvolvimento sustentável “devem ser orientados para a ação, devem ser concisos e de fácil comunicação, em número limitado, de natureza global e universalmente aplicável a todos os países, considerando as diferentes realidades nacionais, suas capacidades e níveis de desenvolvimento e respeitando as políticas nacionais e prioridades”.

    sustainable_development_goals_2015_ONU

    A tabela 1, acima, que consta na Resolução A/69/700 da ONU, traz os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável, que estão sendo discutidos na reuniões mundiais e que deverão pautar a agenda de desenvolvimento pós-2015.

Fonte: UN,2014.

Publicidade

Preparando a agenda de desenvolvimento pós-2015

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

16 de Fevereiro de 2015

     Nos próximos meses, os Países-Membros das Nações Unidas vão negociar os parâmetros finais da agenda de desenvolvimento sustentável pós-2015.

    Essa agenda deve incluir princípios, com base nos resultados das principais conferências mundiais, incluindo a Cúpula do Milênio, o resultado da Cúpula Mundial de 2005, da Cúpula de 2010 sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, do resultado da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e das vozes das pessoas (sociedade civil) consolidadas durante todo o processo pós Rio+20.

    A agenda também deve contemplar os compromissos políticos atuais e as obrigações decorrentes da legislação internacional. Ela deve incluir metas concretas, juntamente com metas mensuráveis e realizáveis.

    Assim, a agenda de desenvolvimento pós-2015 deve responder aos desafios dos países, considerando suas diferentes capacidades e suas instituições. Os países não devem ser excessivamente sobrecarregados por uma agenda que crie desafios adicionais em vez de aliviar os encargos.

     Assim, essa agenda vai exigir compromissos sérios de financiamento e outros meios de execução, incluindo aqueles a serem acordados na terceira Conferência Internacional sobre o Financiamento do Desenvolvimento, em Addis Ababa, em julho de 2015 e na 21ª sessão da Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, em Paris, em dezembro de 2015.

Fonte: UN,2014.

Publicidade

Prêmio Nacional de Biodiversidade – Prorrogação de inscrições

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

14 de Fevereiro de 2015

    O Ministério do Meio Ambiente prorrogou as inscrições do Prêmio Nacional de Biodiversidade para o dia 22 de fevereiro de 2015.

    Conforme a Assessoria da Comunicação, o Prêmio tem por finalidade reconhecer o mérito de iniciativas, atividades e projetos de organizações não governamentais, empresas, sociedade civil, academia, órgãos públicos, imprensa e cidadãos, que se destacam por buscarem a melhoria ou manutenção do estado de conservação das espécies da biodiversidade brasileira, contribuindo para a implantação das Metas de Aichi para a Biodiversidade.

    Mais informações, cliquem aqui.

 

Publicidade

O que aprendemos das experiências de desenvolvimento das últimas duas décadas

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

13 de Fevereiro de 2015

    A Resolução A/69/700 (UN, 2014) traz, resumidamente, as experiências que os países do mundo vivenciaram em relação ao desenvolvimento nas últimas duas décadas, desde 1992 a 2002.  Essas experiências estão relatadas no documento da Rio + 20 intitulado “O futuro que queremos”. Neste estão os avanços obtidos e as lacunas que se constituirão nos desafios para as próximas décadas.

    Os avanços foram insuficientes para, por exemplo, erradicar a extrema pobreza nos países em desenvolvimento; sendo este o maior desafio colocado para o mundo todo, como necessário e urgente para se enfrentar. A extrema pobreza é algo inconcebível, inaceitável. E como tal permanece como o grande desafio do desenvolvimento sustentável.

    Conforme mencionada Resolução da ONU, a extrema pobreza pode ser erradicada na próxima geração. Os Objetivos do desenvolvimento do Milênio (ODMs) contribuíram para este progresso. Todos são chamados a fazer sua parte: sociedade civil, governos e setores privados.

     Atualmente, a família global possui 7 bilhões de pessoas e em 2050 estima-se que serão 9 bilhões de pessoas. As pessoas estão envelhecendo, vivendo mais e tendo vidas mais saudáveis (e isso é muito bom!). No entanto, devemos nos preparar para os impactos que advirão desse crescimento populacional, notadamente das pessoas que moram em áreas urbanas. Isto se constitui em desafios e também em oportunidades!

     A discussão da agenda de desenvolvimento pós-2015 deve voltar sua atenção para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Atenção maior deve ser dada aos que são mais vulneráveis, em particular os países africanos, os países menos desenvolvidos e os países insulares.

Fonte: UN, 2014.

Publicidade

O caminho para a dignidade até 2030

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Meio Ambiente

11 de Fevereiro de 2015

No final de dezembro/2014, a Resolução A/69/700, da Assembleia Geral da ONU, trouxe o Relatório Síntese da agenda de desenvolvimento sustentável pós-2015.

Com o título “O caminho para a dignidade até 2030: erradicando a pobreza, transformando todas as vidas e protegendo o Planeta”, o documento traz importantes informações que todos nós, cidadãos no mundo, deveríamos saber.

O Blog Verde traz, então, durante essa semana informações contidas neste Relatório, cujo conteúdo é objeto das negociações multilaterais dos países e que podem (e devem) subsidiar políticas públicas (sua readequação e implementação) em municípios e estados em seus setores industrial, financeiro, de agricultura e outros.

O desafio não é pequeno; mas com esforço conjunto é possível se alcançar metas e prazos. O Relatório propõe uma agenda universal e transformadora para o desenvolvimento sustentável, tendo por base os direitos, e tendo as pessoas e o planeta como centro de discussão. Um conjunto integrado de seis elementos essenciais foi fornecido para auxiliar e reforçar a agenda do desenvolvimento sustentável, no sentido de assegurar o que os anseios e visão expressas pelos Países Membros possam se tornar realidade em cada país. Os elementos são:

(a) Dignidade: para acabar com a pobreza e combater as desigualdades;

(b) Pessoas: para garantir uma vida saudável, o conhecimento e a inclusão das mulheres e crianças no processo de desenvolvimento;

(c) Prosperidade: para crescer uma economia forte, inclusiva e transformadora;

(d) Planeta: para proteger os ecossistemas para todas as sociedades e para os nossos filhos;

(e) Justiça: para promover sociedades e instituições fortes, seguras e pacíficas; e

(f) Parceria: para catalisar a solidariedade global para o desenvolvimento sustentável.

Mencionado Relatório destaca,a inda, que uma agenda integrada de desenvolvimento sustentável requer um quadro igualmente sinérgico de meios para a sua implementação, incluindo o financiamento, tecnologia e investimentos.

Além disso, o Relatório conclama a todos a assumir a responsabilidade compartilhada, a fim de garantir que as promessas se transformarão em ações exequíveis. Para isso, o Relatório propõe uma estrutura que permita acompanhar e rever sua execução.

Fonte: UN, 2014.

Publicidade

Prêmio Nacional da Biodiversidade

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Preservação

09 de Fevereiro de 2015

     O Ministério do Meio Ambiente (MMA) está com inscrições abertas para o Prêmio Nacional da Biodiversidade. O Objetivo do Prêmio é reconhecer projetos que contribuem para a melhoria ou conservação de espécies da biodiversidade brasileira.

Foto:Sandra Rafaela Fornte: www.flickr.com

Foto:Sandra Rafaela
Fornte: www.flickr.com

     Podem concorrer ao Prêmio Nacional da Biodiversidade as iniciativas, atividades e projetos na categoria de risco de extinção da espécie conforme critérios estabelecidos pela UICN (União Internacional pela Conservação da Natureza) ou evidências claras que promovam a mudança de pelo menos um dos critérios da UICN, a seguir listados:

I – Redução do declínio ou aumento do tamanho da população;

II – Redução da fragmentação ou aumento da conectividade entre as subpopulações;

III – Ampliação da área de distribuição da espécie, mesmo que seja apenas por identificação de novas áreas; ou

IV – Redução das ameaças às populações das espécies.

Aos interessados em saber mais, cliquem aqui.

Fonte: MMA

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

08 de Fevereiro de 2015

     Hoje domingo de muito sol. Dia de parar um pouquinho para refletir sobre a vida…

    Essa semana, fiquei triste com a forma deselegante de uma empresa telefônica em afirmar que fiz solicitações para recarga de celulares (desconheço números, procedência, jamais autorizei absolutamente nada). Pior, estava fora do meu domicílio, na verdade fora do município, do Estado e do País.

    Meu Deus, que país é este? Que pessoas são essas que tem a coragem de usar nosso nome e fazer coisas das quais desconhecemos totalmente; e depois somos nós que temos de pagar? No mínimo, chamo isto de injustiça. Para não dizer que é uma total falta de respeito, de honestidade, de verdade, e de todos os bons sentimentos que emanam da natureza humana.

    Mas decidi que hoje, domingo, meu único dia de folga, não vou deixar me abalar. Amanhã cuido das providências legais, sejam estas quais forem, inclusive se necessário as providências policiais.

      Decidi tornar meu dia feliz. Portanto hoje vou conjugar os verbos: sonhar, viver, amar, acreditar e agradecer.

     Sonhar com dias melhores para meu município, para seus cidadãos, para meu País e para todas as pessoas (as que eu conheço e as que não conheço).

     Viver cada minuto desse dia bonito, pois não sei o futuro que me reserva, e a vida é bonita demais para ser desprezada.

     Amar minha família, meus colegas, meus amigos e as coisas que me rodeiam e que dão suporte à minha vida, como o ar que eu respiro e a água, tão escassa nesses tempos, que consumo para o desenvolvimento de todas as minhas atividades.

     Acreditar que amanhã será um dia melhor e que as pessoas certamente contribuirão para que tudo seja o mais perfeito possível; tudo vai dar certo!

     E agradecer. Agradecer a Deus pelo dom da minha vida e por cada ser vivo e não vivo neste mundo. Todos têm um papel neste mundo e agradeço, Senhor, por estar aqui neste momento.

     A todos vocês, desejo paz e saúde. Que as agruras da vida não te façam perder a paz de espírito tão valorosa para cada um de nós.

Publicidade

80% dos esgotos, no mundo, são lançados sem tratamento

    No último Relatório divulgado no começo de fevereiro/2015, a Organização Mundial da Saúde (WHO, sigla em inglês), alerta que apenas 20% dos esgotos, no mundo, são lançados no meio ambiente, com tratamento adequado.

esgoto_WHO_onu_2015

Fonte: WHO, 2015

    Mencionado Relatório alerta que essa forma inadequada de lançamento de esgoto pode provocar a contaminação de mananciais de água, provocando doenças. A OMS encoraja, portanto, governos locais e nacionais e olharem para a temática “tratamento de esgoto” como um recurso extremamente valioso, sendo este tema um dos prioritários para a agenda de desenvolvimento pós-2015.

    O relatório menciona ainda que a população urbana, no mundo, deve duplicar nas próximas quatro décadas e que os países tem demonstrado ter reduzida capacidade, cerca de 8%, de tratar eficientemente os esgotos que serão produzidos.

     Michel Jarraud, Presidente da UN-Water, comentou: “o esgoto tem sido bastante discutido na Agenda de Desenvolvimento pós-2015. Os países reconhecem que o desenvolvimento econômico e sustentável deve incorporar os recursos hídricos, o esgoto e a qualidade da água. Esse relatório contribui para as discussões futuras e deve auxiliar os tomadores de decisão”.

   O título do relatório é “Wastewater Management, a UN-Water Analytical Brief”. Aos interessados em ler na íntegra, cliquem aqui.

Fonte: WHO

Publicidade

3ª Conferência Científica da UNCCD

     A 3ª Conferência Científica da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD) acontecerá no período de 9 a 12 março de 2015, no México, com o tema geral: “A luta contra a desertificação, contra a degradação dos solos e contra a seca para a redução da pobreza e do desenvolvimento sustentável – a contribuição da ciência, a tecnologia, o conhecimento tradicional e práticas”.

    O evento será realizado durante a quarta sessão especial da Comissão de Ciência e Tecnologia (CST S-4) da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD).  Mencionada Conferência Científica tem como objetivo geral aproveitar gama de conhecimentos científicos, locais e tradicionais para alcançar o desenvolvimento sustentável e a redução da pobreza em áreas susceptíveis à desertificação, à degradação do solo e à seca.

    A conferência abordará três grandes desafios:

Diagnóstico de restrições: Como melhor caracterizar e compreender a vulnerabilidade e capacidade de adaptação dos ecossistemas e populações em regiões afetadas, incluindo regiões recém sensíveis às consequências das alterações climáticas?

Respostas: Como a promover a implementação de práticas e tecnologias mais adaptadas baseadas no conhecimento, histórias e lições de sucesso disponíveis?

Monitoramento e avaliação: Quais são os novos métodos de monitorização e avaliação disponível para avaliar a eficácia destas práticas e tecnologias?

    Convite feito. Ainda há tempo participar. Aos interessados, cliquem aqui para mais informações.

Fonte: UNCCD

Publicidade

Plano de Ação em favor da proteção do Ecossistema Manguezal

          Em 29/01/2015, a Portaria no 9, do ICMBio, instituiu o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas e de Importância Socioeconômica do Ecossistema Manguezal, o chamado PAN Manguezal.

Foto: Danielly Rios

Foto: Danielly Rios

     O objetivo geral do PAN Manguezal é conservar os manguezais brasileiros, reduzindo a degradação e protegendo as espécies focais do PAN, mantendo suas áreas e usos tradicionais, a partir da integração entre as diferentes instâncias do poder público e da sociedade.

    Conforme Art. 4o, o PAN Manguezal estabelece ações de conservação para 74 (setenta e quatro) espécies, sendo 20 (vinte) espécies ameaçadas em âmbito nacional, 09 (nove) espécies ameaçadas apenas em âmbito regional e 45 (quarenta e cinco) espécies de importância socioeconômica e não ameaçadas.

     Dentre as espécies ameaçadas de extinção podem-se citar: Mero; Tubarão-lixa; Macaco-prego-do-peito-amarelo; Socó-jararaca ou Socó-boi-escuro e Peixe-boi-marinho.

     O prazo de consecução das ações previstas no PAN Manguezal é janeiro de 2020.

   Aos interessados em ter acesso ao PAN Manguezal na íntegra cliquem aqui.

Fonte: Imprensa Nacional/MMA

Publicidade

Plano de Ação em favor da proteção do Ecossistema Manguezal

          Em 29/01/2015, a Portaria no 9, do ICMBio, instituiu o Plano de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas e de Importância Socioeconômica do Ecossistema Manguezal, o chamado PAN Manguezal.

Foto: Danielly Rios

Foto: Danielly Rios

     O objetivo geral do PAN Manguezal é conservar os manguezais brasileiros, reduzindo a degradação e protegendo as espécies focais do PAN, mantendo suas áreas e usos tradicionais, a partir da integração entre as diferentes instâncias do poder público e da sociedade.

    Conforme Art. 4o, o PAN Manguezal estabelece ações de conservação para 74 (setenta e quatro) espécies, sendo 20 (vinte) espécies ameaçadas em âmbito nacional, 09 (nove) espécies ameaçadas apenas em âmbito regional e 45 (quarenta e cinco) espécies de importância socioeconômica e não ameaçadas.

     Dentre as espécies ameaçadas de extinção podem-se citar: Mero; Tubarão-lixa; Macaco-prego-do-peito-amarelo; Socó-jararaca ou Socó-boi-escuro e Peixe-boi-marinho.

     O prazo de consecução das ações previstas no PAN Manguezal é janeiro de 2020.

   Aos interessados em ter acesso ao PAN Manguezal na íntegra cliquem aqui.

Fonte: Imprensa Nacional/MMA