Agenda ambiental global até 2018 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Agenda ambiental global até 2018

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de junho de 2013

   A 44ª reunião do Conselho do GEF (Global Environmental Fund), em Washington, discute, nos dias 20 e 21 de junho, agenda ambiental global até 2018. No período de 2014 a 2018 serão liberados $369,82 milhões de dólares para o novo programa de trabalho. Aprovaram, também, o financiamento inicial para as ações da Convenção de Minimata sobre Mercúrio.

Membros do Conselho Fonte: GEF

Membros do Conselho
Fonte: GEF

    A presidente do GEF, Naoko Ishii, disse na oportunidade: “Em primeiro lugar, o GEF deve se concentrar em combater causas subjacentes da degradação ambiental, não só os sintomas. Eu acredito que a força potencial do GEF é a sua rede de parcerias com outras agências, convenções, com o Escritório de Avaliação do GEF, com o Painel Consultivo Científico e Técnico (STAP), com o setor privado e organizações da sociedade civil”. Enfrentar sérias ameaças ambientais exige destes parceiros “compartilhar a mesma orientação estratégica e contribuir baseado em seus próprios valores.”

Fonte: GEF

Publicidade aqui

Agenda ambiental global até 2018

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de junho de 2013

   A 44ª reunião do Conselho do GEF (Global Environmental Fund), em Washington, discute, nos dias 20 e 21 de junho, agenda ambiental global até 2018. No período de 2014 a 2018 serão liberados $369,82 milhões de dólares para o novo programa de trabalho. Aprovaram, também, o financiamento inicial para as ações da Convenção de Minimata sobre Mercúrio.

Membros do Conselho Fonte: GEF

Membros do Conselho
Fonte: GEF

    A presidente do GEF, Naoko Ishii, disse na oportunidade: “Em primeiro lugar, o GEF deve se concentrar em combater causas subjacentes da degradação ambiental, não só os sintomas. Eu acredito que a força potencial do GEF é a sua rede de parcerias com outras agências, convenções, com o Escritório de Avaliação do GEF, com o Painel Consultivo Científico e Técnico (STAP), com o setor privado e organizações da sociedade civil”. Enfrentar sérias ameaças ambientais exige destes parceiros “compartilhar a mesma orientação estratégica e contribuir baseado em seus próprios valores.”

Fonte: GEF