Agenda 2030: ação global para as pessoas e para o Planeta – Parte 1 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Agenda 2030: ação global para as pessoas e para o Planeta – Parte 1

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

20 de Janeiro de 2016

    Em setembro de 2015, foram instituídos os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável que integram, conjuntamente, a Agenda 2030 das Nações Unidas. O papel das Nações Unidas engloba a assistência necessária a todos os países do mundo no sentido de auxiliar a transformação que estes devem proceder para implementar as dimensões econômica, social e ambiental da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

     São quatro (4) princípios que norteiam a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a saber: integração, universalidade, direitos humanos e inovação.

    A universalidade diz respeito a todas as pessoas, sem limites de fronteiras. A Agenda 2030 deve ser universalmente aplicada, considerando as diferentes realidades entre os países, seus níveis de desenvolvimento e suas respectivas políticas e prioridades. Essa Agenda requer responsabilidade coletiva e um reforço na governança institucional.

    A integração diz respeito a uma ação harmônica como um todo. A Agenda 2030 deve ser atuante considerando os três pilares do desenvolvimento sustentável, balanceando e interconectando as dimensões social, ambiental e econômica.

    O princípio dos Direitos Humanos e igualdade traz implícita a necessidade de um mundo justo e sustentável, no qual as desigualdades não são apenas determinadas pelas variáveis econômicas. Para se alcançar níveis básicos de bens e serviços a todos, é necessária melhor distribuição de recursos, melhor acesso a oportunidades e à informação, para o atendimento das necessidades de toda a sociedade.

     A inovação é a chave do progresso. É senso comum a transferência de inovações tecnológicas. Para tanto, faz-se necessário reforçar a ciência formal, o conhecimento tradicional e o senso comum dos cidadãos, que permita aos países avançarem na direção do desenvolvimento sustentável.

Fonte: UNEP.

Publicidade aqui

Agenda 2030: ação global para as pessoas e para o Planeta – Parte 1

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

20 de Janeiro de 2016

    Em setembro de 2015, foram instituídos os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável que integram, conjuntamente, a Agenda 2030 das Nações Unidas. O papel das Nações Unidas engloba a assistência necessária a todos os países do mundo no sentido de auxiliar a transformação que estes devem proceder para implementar as dimensões econômica, social e ambiental da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

     São quatro (4) princípios que norteiam a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a saber: integração, universalidade, direitos humanos e inovação.

    A universalidade diz respeito a todas as pessoas, sem limites de fronteiras. A Agenda 2030 deve ser universalmente aplicada, considerando as diferentes realidades entre os países, seus níveis de desenvolvimento e suas respectivas políticas e prioridades. Essa Agenda requer responsabilidade coletiva e um reforço na governança institucional.

    A integração diz respeito a uma ação harmônica como um todo. A Agenda 2030 deve ser atuante considerando os três pilares do desenvolvimento sustentável, balanceando e interconectando as dimensões social, ambiental e econômica.

    O princípio dos Direitos Humanos e igualdade traz implícita a necessidade de um mundo justo e sustentável, no qual as desigualdades não são apenas determinadas pelas variáveis econômicas. Para se alcançar níveis básicos de bens e serviços a todos, é necessária melhor distribuição de recursos, melhor acesso a oportunidades e à informação, para o atendimento das necessidades de toda a sociedade.

     A inovação é a chave do progresso. É senso comum a transferência de inovações tecnológicas. Para tanto, faz-se necessário reforçar a ciência formal, o conhecimento tradicional e o senso comum dos cidadãos, que permita aos países avançarem na direção do desenvolvimento sustentável.

Fonte: UNEP.