Arquivos julho 2016 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

julho 2016

Consenso de Nairobi – colaboração e igualdade no comércio e investimentos para o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Impacto Ambiental, Meio Ambiente

29 de julho de 2016

     Reunidos em Nairobi no período de 17 a 22 de julho, mais de 5.000 delegados de 149 países participaram da conferência UNCTAD14, a 14ª. Da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UN Conference on Trade and Development), que após debates, mesas redondas de alto nível, eventos temáticos, do Fórum Mundial de Investimentos, do Fórum Global de Commodities, do Fórum dos Jovens e do Fórum da Sociedade Civil, produziu uma Declaração, como importante resultado desta Conferência.

UNCTAD14_2016

    A declaração final, também chamada de Consenso de Nairobi, discute: os benefícios da globalização; os contínuos impactos da crise econômica e financeira global; a importância do trabalho, a igualdade de gênero e o empoderamento e promoção do espírito empresarial das mulheres e jovens, assim como traz ações para favorecer parcerias globais para erradicar a pobreza e viabilizar o desenvolvimento sustentável.

     A UNCTAD14 destacou questões relacionadas com medidas não tarifárias, a dívida e os fluxos financeiros ilícitos, e incluiu o lançamento de uma iniciativa e-comércio, bem como um fundo fiduciário multilateral sobre o comércio e capacidade produtiva.

     Outro importante resultado da UNCTAD 14, foi a assinatura, por mais de 90 países, de um roteiro sobre subsídios à pesca, cuja declaração conjunta apela à comunidade internacional a cumprir a meta 14 dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (conservação e utilização sustentável dos oceanos, mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável), e, especificamente, para alcançar a meta 14.6, sobre a proibição de subsídios à pesca que levam ao excesso de capacidade e a sobrepesca, eliminando subsídios que contribuem para a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada.

    Aos interessados em ler na íntegra o Consenso de Nairobi ou, em língua Swahili, chamado Nairobi Azimio, cliquem aqui. 

     Aos interessados em ler, na íntegra, o Relatório “Das decisões para as ações”, resultado final da UNCTAD 14, no sentido de auxiliar a reorientações de políticas e ações em nível local, regional e nacional, cliquem aqui.

 

Publicidade

Biomas brasileiros – programa de monitoramento

            A proteção da biodiversidade e dos recursos naturais se constitui em uma importante estratégia, a ser adotadas por países que almejam seguir o modelo de desenvolvimento sustentável.

            O Brasil possui importantes biomas que necessitam ser protegidos e que recaiam sobre eles medidas de prevenção e controle a possíveis perdas líquidas de sua diversidade biológica.

            Em 2015, por meio da Portaria n.365, de 27/11/2015, foi estabelecida a Estratégia do Programa de Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros, com o objetivo de mapear e monitorar o desmatamento, avaliar a cobertura vegetal e o uso/cobertura da terra e sua dinâmica, as queimadas, a extração seletiva de madeira e a recuperação da vegetação.

            Conforme o que está disposto no documento do Ministério do Meio Ambiente (MMA), os mapeamentos e monitoramentos gerados por esse Programa devem permitir o acompanhamento do desempenho das políticas públicas orientadas ao atingimento da meta de redução das emissões totais de gases de efeito estufa de 37% até 2025, e de 43% até 2030.

            Assim, essa estratégia vem ao encontro dos compromissos assinados pelo Brasil junto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), enquanto contribuição brasileira nos esforços de mitigação global, denominada Pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (em inglês, Intended Nationally Determined Contribution).

            Aos interessados em ler o documento, na íntegra, cliquem aqui. 

 

Publicidade

Opções de energias sustentáveis

     Recentemente, o programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) publicou um Relatório para auxiliar os tomadores de decisão sobre alternativas a matriz energética, considerando os impactos ambientais oriundos de cada uma das alternativas.

    O Relatório Green Energy Choices: the benefits, risks and trade-offs of low carbon technologies for electricity production (Escolhas de Energia Verde: benefícios, riscos e compensações de tecnologias de baixo impacto para produção de eletricidade) fornece uma comparação global do potencial de mitigação de Gases de Efeito Estufa (GHG) considerando diferentes tecnologias de geração de energia, incluindo hidrelétrica, solar, geotérmica e eólica. Mencionado Relatório examina, também os impactos ambientais e de saúde dessas opções, e suas implicações para utilização dos recursos naturais.

      O Diretor Executivo do UNEP, Achim Steiner, informa que este relatório traz fortes evidências de que a eletricidade gerada a partir de fontes renováveis provoca menos poluição do que a gerada a partir dos combustíveis fósseis. Essa informação é muito importante para a agenda de desenvolvimento e para a busca do cenário que se quer para 2050.

     Acrescenta o Diretor Executivo do UNEP: “Minha esperança é que os tomadores de decisão usem as evidências científicas neste relatório para selecionar  uma combinação sustentável de tecnologias de energias que sejam as mais limpas e mais seguras e mais para as próximas décadas”.

     Aos interessados em ler o Relatório, na íntegra, cliquem aqui.

Fonte: UNEP

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

03 de julho de 2016

     Julho já se iniciou. Metade do ano de 2016 passou. E o que fizemos? Conseguimos mudar nosso estilo de vida? Nosso comportamento diante dos desafios que nos aparecem depende do repensar estilo de vida, repensar consumo.

    As alternativas do modo de produção devem considerar tecnologias de baixo impacto, em outras palavras, que considerem as melhores opções que viabilizem adequadamente as variáveis sociais, ecológicas e econômicas.

    Nossas escolhas irão determinar as consequências futuras. Nossas escolhas são única e exclusivamente responsabilidade nossa.

    As frases, a seguir, são da Sra. Eleonor Roosevelt:

    “A filosofia de uma pessoa não é melhor expressa em palavras; ela é expressa pelas escolhas que a pessoa faz. A longo prazo, moldamos nossas vidas e moldamos a nós mesmos. O processo nunca termina até que morramos. E, as escolhas que fizemos são, no final das contas,  nossa própria responsabilidade”.

    “Não temos de nos tornar heróis do dia para a noite. Só um passo de cada vez, tratando cada coisa à medida que surge, vendo que não é tão assustadora como parecia, descobrindo que temos a força para a superar”.

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

03 de julho de 2016

     Julho já se iniciou. Metade do ano de 2016 passou. E o que fizemos? Conseguimos mudar nosso estilo de vida? Nosso comportamento diante dos desafios que nos aparecem depende do repensar estilo de vida, repensar consumo.

    As alternativas do modo de produção devem considerar tecnologias de baixo impacto, em outras palavras, que considerem as melhores opções que viabilizem adequadamente as variáveis sociais, ecológicas e econômicas.

    Nossas escolhas irão determinar as consequências futuras. Nossas escolhas são única e exclusivamente responsabilidade nossa.

    As frases, a seguir, são da Sra. Eleonor Roosevelt:

    “A filosofia de uma pessoa não é melhor expressa em palavras; ela é expressa pelas escolhas que a pessoa faz. A longo prazo, moldamos nossas vidas e moldamos a nós mesmos. O processo nunca termina até que morramos. E, as escolhas que fizemos são, no final das contas,  nossa própria responsabilidade”.

    “Não temos de nos tornar heróis do dia para a noite. Só um passo de cada vez, tratando cada coisa à medida que surge, vendo que não é tão assustadora como parecia, descobrindo que temos a força para a superar”.