Arquivos agosto 2013 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

agosto 2013

Resultados da pesquisa My World – Meu Mundo

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

30 de agosto de 2013

A pesquisa da Organização das Nações Unidas realizada no mundo interiro para eleger prioridades ambientais mundiais, com dados de 30/08/2013, teve ao todo cerca de 170.000 votos. O Brasil contribui, até o presente momento, com 18.509 votos.

Fonte: ONU

Fonte: ONU

As três prioridades ambientais mais votadas no mundo, até agora, são:

– proteção para florestas, rios e oceanos;

– educação de qualidade; e

– Acesso à água potável e ao saneamento.

Vocês acreditam que o tema: Acesso à energia em sua casa está em 15º lugar? O menos votado é o tema: melhoria dos transportes e estradas.

Você, caro leitor do Blog Verde, já votou? Não. Então, caso se interesse em contribuir nesta busca dos caminhos a percorrer no futuro e suas prioridades, clique aqui.

 

Publicidade

Conferência Virtual sobre Meio Ambiente

     O processo da 4ª Conferência Nacional de Meio Ambiente já está em andamento em todo o país. Já falamos várias vezes sobre o assunto no Blog Verde.

Fonte: MMA

Fonte: MMA

     Mas, este ano, tem uma novidade: a Conferência Virtual, para os cidadãos que não participaram das conferências municipais.

    Assim, todo cidadão é convidado a participar da Conferência Virtual do Meio Ambiente. Prezados leitores, são 16 dias em que vocês poderão enviar suas contribuições por meio da internet. O período vai de 26 de agosto (ontem) até 10 de setembro de 2013.

     Estão disponíveis os vídeo chats dos quatro eixos temáticos da Conferência no sítio do MMA, a saber: Produção e Consumo Sustentáveis, Redução dos Impactos Ambientais, Geração de Trabalho, Emprego e Renda; e Educação Ambiental.

    O Ministério do Meio Ambiente disponibilizou texto orientador da 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente, para auxiliar no processo da Conferência, inclusive da virtual. Aos interessados, cliquem aqui.

 

Publicidade

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no Ceará

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Saúde Ambiental

26 de agosto de 2013

    Este ano, 2013, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) tem por tema “Ciência, Saúde e Esporte”, deve acontecer no período de 21 a 27 de outubro . No Ceará, a SNCT é coordenada pela SECITECE (Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará), tendo a frente o Coordenador, Prof. Francisco Carvalho, cujas atividades estarão concentradas na Arena Castelão.

    O Estado do Ceará em todas as edições do evento. No ano passado, foram 1.220 ações desenvolvidas, recorde de atividades. A exposição na praça Luiza Távora, em 2012, recebeu cerca de 5 mil visitantes, com destaque para os estudantes de escolas públicas e particulares

    Hoje, dia 26 de agosto, às 14:30h haverá Audiência Pública sobre a participação do Ceará na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2013, no Complexo de Comissões Técnicas da Assembleia Legislativa do Ceará.

    Convite feito!Participem!

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

25 de agosto de 2013

     Domingo chegou novamente e com ele as frases do Blog Verde para refletir sobre vida e meio ambiente.

     Importante saber que quando lidamos com meio ambiente, estamos falando de uma área com intensos conflitos. Os interesses individuais são muitos, diversos e não devem se sobrepor aos interesses coletivos. Salutar que todos, sem exceção, tenham garantidos os seus direitos, dentre estes o direito à vida.

     Então, brindemos à vida, à saúde, à paz, à harmonia e ao bem-estar com frases de Madre Teresa de Calcutá.

    “A vida é uma oportunidade, aproveite-a. A vida é um desafio, enfrenta-o. A vida é riqueza, conserve-a. A vida é um combate, aceita-o. A vida é felicidade, merece-a. A vida é a vida, defende-a.” (Madre Teresa de Calcutá)

     “O dever é uma coisa muito pessoal; decorre da necessidade de se entrar em ação, e não da necessidade de insistir com os outros para que façam qualquer coisa” (Madre Teresa de Calcutá).

Publicidade

Clima extremo no Brasil – parte 4 – final

      Com relação às projeções do regime de chuvas, o prof. Alexandre Costa, da Universidade Estadual do Ceará (UECE), um dos autores do capítulo sobre nuvens e aerossóis do Primeiro Relatório de Avaliação (RAN1) comenta a complexidade em realizar projeções das alterações nos níveis de chuva, pois ao mexer, por exemplo, num parâmetro como o raio médio das gotas de água de chuva na cobertura das nuvens, um modelo pode melhorar o desempenho, ou não, em virtude da dificuldade dos modelos em realizar projeções de chuvas (Pivetta, 2013).

    O Presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), Carlos Nobre, informa que os dados disponibilizados pelo PBMC servirão para guiar políticas públicas de adaptação e mitigação das mudanças climáticas, afirmando que os trabalhos não ficarão apenas no Primeiro Relatório de Avaliação, mas devem continuar e se tornar cada vez mais relevante (Pivetta, 2013).

     A ideia, no fim das contas, é ter uma rede de dados ambientais confiáveis que fornece a todos, inclusive aos tomadores de decisão, um panorama a respeito das mudanças climáticas.

     Para Professora Mercedes Bustamante, coordenadora da equipe que examinou as perspectivas de redução dos impactos e de adaptação às mudanças climáticas, as incertezas não justificam o adiamento das decisões sobre mitigação de emissão de gases de efeito estufa (Pivetta, 2013), o que vai ao encontro da necessidade de se alcançar os objetivos voluntários de limitações de emissões aprovados pelo governo brasileiro.

Fonte: Pivetta, Marcos. Extremos do Clima. São Paulo: Revista FAPESP, n. 210. Agosto/2013.

Publicidade

Clima extremo no Brasil – parte 3

     Pivetta (2013) informa que a divulgação do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional (RAN1) marca a incorporação da ferramenta de projeções no país: o Modelo Brasileiro do Sistema Terrestre (cuja sigla, em inglês, é Besm), que permite simular a evolução dos parâmetros do clima em escala global.

     Destaca-se que o modelo brasileiro foi possível com o financiamento modalidade Projeto Temático da FAPESP (Brazilian Model f the Global Climate System n. 2009/50528-6), coordenado pelo pesquisador Carlos Nobre, que é secretário de Políticas e Programas de Pesquisas e Desenvolvimento do MCTI e presidente do PBMC (Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas).

     As projeções até o fim deste século não são tão animadoras, com relação aos níveis atuais, a temperatura pode subir em todos os Biomas Brasileiros. O regime de chuvas é diferenciado, para mais ou para menos, em relação aos Biomas.

    Quanto ao Bioma Caatinga, a projeção, para os meses de verão (dezembro, janeiro e fevereiro) para os próximos 30 anos (ano 2041) é que a temperatura se eleve em 1,5º C, com redução de 25% no regime de chuvas e pode se elevar em 3,5º C, com redução de 40% no regime de chuvas, nos próximos 60 anos (ano 2071).

     As projeções para os meses de verão para o Bioma Cerrado também não são otimistas. O Cerrado deve sofrer tanto com a elevação da temperatura que pode chegar a +3º C nos próximos 30 anos (ano 2041) e de +5º C nos próximos 60 anos (ano 2071); como na diminuição no regime de chuvas de 20% para 2041 e de 35% para 2071.

     Portanto, algo com que se preocuparem, governos locais e cidadãos, no sentido de aprender a lidar com as perspectivas que se avizinham e que podem, certamente, ter reflexos nas diversas atividades socioeconômicas.

     Os cenários gerados pelo Besm foram aceitos, ressalta Pivetta (2013), neste ano pela iniciativa internacional que reúne os dados produzidos pelos 20 modelos globais até agora desenvolvidos. Assim, as projeções geradas pelo modelo nacional foram utilizadas na elaboração do Quinto Relatório do IPCC, com mais de 830 autores, previsto para divulgação em setembro, de 23 a 26, em Estocolmo, na Suécia.

     No 5th Climate Report, do IPCC, está descrito como as mudanças climáticas continuam sem redução. Em particular, as temperaturas estão subindo, os oceanos estão se aquecendo, as águas dos oceanos estão se elevando, o gelo está a derreter, os oceanos estão acidificantes. Tão importante quanto isso, o Relatório vai mostrar que essas mudanças são em grande parte causada pelo Homem, o que, finalmente, foi acordado por consenso de 97% dos pesquisadores do IPCC.

Fonte: Pivetta, Marcos. Extremos do Clima. São Paulo: Revista FAPESP, n. 210. Agosto/2013.

Fonte: INPE/CCST

Fonte: IPCC

Publicidade

Clima extremo no Brasil – parte 2

     Em setembro será divulgado o Primeiro Relatório de Avaliação Nacional (RAN1) do Brasil, que é dividido em três partes. Conforme Pivetta (2013), a primeira parte traz as conclusões de estudos feitos entre 2007 e início de 2013, que demonstram a ocorrência de mudanças climáticas no País.

     A segunda parte, informa Pivetta (2013), detalha os impactos das alterações climáticas no País, considerando vulnerabilidades e medidas de adaptação. E a terceira etapa mostra formas de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em território nacional.

     Fioravanti (2013) menciona que, segundo o RAN1, a agricultura será o setor mais afetado no Brasil, por causa da alteração do regime de chuvas. No caso do Nordeste Brasileiro, as culturas de milho, arroz, feijão, algodão e mandioca devem sofrer perda significativa de produtividade devido à forte redução de área de baixo risco (Fioravanti, 2013). O relatório ainda indica como consequências da perda de produtividade do Nordeste, a provável intensificação a pobreza e o aumento de migração da área rural para urbana.

Fontes: Pivetta, Marcos. Extremos do Clima. São Paulo: Revista FAPESP, n. 210. Agosto/2013.

           Fioravanti, Carlos. Desafios no campo e nas cidades. São Paulo: Revista FAPESP, n. 210. Agosto/2013.

Publicidade

Clima extremo no Brasil – parte 1

     Em texto escrito por Marcos Pivetta, publicado na Revista FAPESP de agosto de 2013, o pesquisador informa que o clima no Brasil do final deste século será, provavelmente, bem diferente do atual.

     Conforme Pivetta (2013), nos biomas Amazônia e Caatinga, a quantidade estimada de chuvas pode ser 40% menor. Os brasileiros deverão conviver com extremos do clima, como períodos de seca prolongada e de chuva forte. Ainda, os brasileiros devem conviver com aparecimento de fenômenos antes raros no país, a exemplo do furacão Catarina, em março de 2004, que atingiu a costa de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

     Estas informações são parte do diagnóstico produzido pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), que estão no Primeiro Relatório de Avaliação Nacional (RAN1), que deve ser divulgado na 1ª. Conferência Nacional de Mudanças Climáticas, no período de 9 a 13 de setembro, evento organizado pela FAPESP.

    O Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) reuniu 345 pesquisadores de várias áreas no intuito de formular síntese inédita do estado da arte em relação à produção científica nacional sobre o tema: Mudanças Climáticas. O PBMC é concebido aos moldes do IPCC (Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas).

    Importante mencionar a informação, já divulgada no Blog Verde, que em maio de 2012 houve a constatação do maior nível de emissões de CO2, no valor de 400ppm. A quantidade de emissões de gases de efeito estufa, dentre os quais está o dióxido de carbono, é uma das responsáveis pelas alterações climáticas. Estratégias de redução das emissões são importantes mecanismos para enfrentamento das Mudanças Climáticas, mas isso é assunto para outros momentos.

Fonte: Pivetta, Marcos. Extremos do Clima. São Paulo: Revista FAPESP, n. 210. Agosto/2013.

Publicidade

A sustentabilidade como fator de classificação de risco

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

19 de agosto de 2013

     Os responsáveis técnicos do índice de sustentabilidade Dow Jones publicaram o novo ranking de sustentabilidade, como forma de classificação de risco de países.

Fonte: RobecoSAM

Fonte: RobecoSAM

    Pelas informações de RobecoSAM, o país mais sustentável dos analisados no mundo é a Suécia com a pontuação 8,25 de um total de 10. A Suécia obteve bons resultados nos fatores sociais, de governo e ambientais, sendo um dos fatores melhor avaliados: o uso de fontes renováveis de energia e as emissões de dióxido de carbono. Atrás da Suécia, em 2º Lugar está a Austrália com 7,87 pontos e em terceiro lugar a Suíça com 7,83 pontos.

     O Brasil aparece no 45º lugar com 4,63 da pontuação total de 10, entre os 59 países emergentes (em número de 38) e desenvolvidos (em número de 21) analisados no índice. O Chile foi o país emergente melhor posicionado no ranking, no 18º Lugar.

     Conforme as informações do EcoSítio, os resultados deste índice permitem indicar que um perfil de sustentabilidade mais forte corresponde a um prêmio de seguro mais baixo. A demanda dos investidores por estratégias orientadas, em longo prazo, que integrem considerações ambientais, sociais e de governo, por meio de uma série de diferentes tipos de ativos é muito provável que vá aumentar, sobretudo por causa da crise financeira que expõe algumas das deficiências das medidas tradicionais que se utilizam para avaliação de risco país.

Fonte: EcoSítio e RobecoSAM

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável

18 de agosto de 2013

    Domingo de paz é o que desejo a cada um de vocês. O último mês, confesso, foi difícil de caminhar… Tantas dores… Quantas tribulações. Se eu tivesse o poder de mudar as coisas muito provavelmente traria todas as dores para mim, tiraria o peso da cruz dos entes queridos. Mas não tenho esse poder, nenhum de nós, seres humanos, o possui.

    Assim, na minha pequenina existência, mas com toda força de minha fé e na certeza do poder de Deus, oro por cada um. Peço que as bênçãos desçam e fortaleçam os queridos irmãos em Cristo, de perto e de longe.

     A vocês, caríssimos leitores do Blog Verde, ofereço as frases de hoje que são retiradas de letras de músicas religiosas. Que a vida de vocês seja repleta de sonhos bons, de caminhar sereno, de respeito ao próximo e a si mesmo, de harmonia com a Natureza e com todos os seres que habitam esta nave-mãe, chamada Terra.

      “E ainda se vier noite traiçoeira, se a cruz pesada for, Cristo estará contigo!”

     “Tenho andado ao teu lado, junto a ti permanecido, Eu te levo em meus braços.”

      “Remove a minha pedra, Me chama pelo nome, muda minha história, ressuscita os meus sonhos”.

     “Nada poderá me abalar, nada poderá me derrotar, pois minha força e vitória tem um nome: é Jesus!”

      “E se em meio a tribulação eu me esquecer de Ti, ilumina minhas trevas com Tua luz”.

Publicidade

Frases para refletir… sobre vida e meio ambiente

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável

18 de agosto de 2013

    Domingo de paz é o que desejo a cada um de vocês. O último mês, confesso, foi difícil de caminhar… Tantas dores… Quantas tribulações. Se eu tivesse o poder de mudar as coisas muito provavelmente traria todas as dores para mim, tiraria o peso da cruz dos entes queridos. Mas não tenho esse poder, nenhum de nós, seres humanos, o possui.

    Assim, na minha pequenina existência, mas com toda força de minha fé e na certeza do poder de Deus, oro por cada um. Peço que as bênçãos desçam e fortaleçam os queridos irmãos em Cristo, de perto e de longe.

     A vocês, caríssimos leitores do Blog Verde, ofereço as frases de hoje que são retiradas de letras de músicas religiosas. Que a vida de vocês seja repleta de sonhos bons, de caminhar sereno, de respeito ao próximo e a si mesmo, de harmonia com a Natureza e com todos os seres que habitam esta nave-mãe, chamada Terra.

      “E ainda se vier noite traiçoeira, se a cruz pesada for, Cristo estará contigo!”

     “Tenho andado ao teu lado, junto a ti permanecido, Eu te levo em meus braços.”

      “Remove a minha pedra, Me chama pelo nome, muda minha história, ressuscita os meus sonhos”.

     “Nada poderá me abalar, nada poderá me derrotar, pois minha força e vitória tem um nome: é Jesus!”

      “E se em meio a tribulação eu me esquecer de Ti, ilumina minhas trevas com Tua luz”.