Publicidade

Auto Blog Ceará

por Sílvio Mauro

Fevereiro 2019

Documento e CNH digital e outras comodidades: aos poucos, a burocracia está diminuindo

Por silviomauro em Serviço

19 de Fevereiro de 2019

Um dos maiores pesadelos para qualquer brasileiro, a burocracia vai, lentamente sendo vencida pelas facilidades da tecnologia e a agilidade dos dispositivos móveis. Para quem é motorista e/ou tem veículo, desde o ano passado o Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran) tem tentado divulgar entre os usuários que algumas comodidades já estão disponíveis para, através do smartphone, se livrar da obrigação (e do risco) de andar com o documento do carro e a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Hoje, para quem não sabe, mais de 42 mil motoristas em todo o Ceará – aproximadamente a metade deles em Fortaleza – não precisam mais andar com a CNH na carteira para apresentar em uma blitz ou simplesmente se identificar. Desde junho do ano passado está disponível a CNH digital. De acordo com o órgão de trânsito do Estado, “a versão digital tem o mesmo valor jurídico da impressa, mas com mais praticidade”.

A CNH digital é uma versão do documento impresso que fica disponível no smartphone através do aplicativo Carteira Digital de Trânsito. Este último pode ser baixado tanto no Google Play quanto na Apple Store. Além da sua apresentação em blitzes ser aceita, a CNH digital pode, de acordo com o Detran, ser usada em situações como o embarque em todos os aeroportos do país, junto com o cartão de embarque (que hoje também pode ser virtual).

Augusto Maia, responsável pela área de Tecnologia da Informação do Detran, lembra que a principal vantagem é a diminuição do risco de sair de casa e ser pego desprevenido. “Hoje em dia as pessoas as pessoas esquecem a carteira, mas não esquecem o celular”. Outra vantagem é em relação à segurança. Em um assalto – risco mais que real para qualquer brasileiro, atualmente – o motorista não vai precisar passar pela chateação de tirar outra CNH. Além disso, como o controle é digital, Augusto assegura que não existe perigo de falsificação ou uso do documento por outra pessoa.

A má notícia é que só é possível fazer o cadastro da CNH digital para quem tem a habilitação no modelo mais recente, com QR Code. Hoje, no Ceará, a divisão entre quem possui o código e quem tem o modelo antigo é quase meio a meio: pouco mais de um milhão de usuários têm a carteira sem código e cerca de 900 mil têm a carteira nova. Os interessados na comodidade da CNH digital, portanto, têm de pedir uma habilitação nova para poderem fazer o cadastro. Só que para isso, o Detran exige um Boletim de Ocorrência registrado na polícia. Ou seja, só em caso de perda ou roubo do documento é possível mudar para o modelo novo.

A outra comodidade é a versão digital do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV, nome técnico do do documento do carro). Nesse caso, o processo é mais simples. Disponível em nove estados (sendo o Ceará um deles), ele exige apenas que o proprietário possua a folha de transferência do veículo (aquela onde é feita a assinatura no ato da compra ou da venda).

É nela que está um dos códigos em números que são exigidos pelo aplicativo (o outro é o Renavam do carro). O serviço é ainda mais recente que a CNH digital, começou em outubro do ano passado. Por isso, o número de veículos cadastrados é praticamente insignificante: em um universo de quase 3,2 milhões de cadastrados no Ceará, menos de 8 mil fizeram a versão digital.

Augusto explica que no caso do CRLV digital, o aplicativo gera um QR Code que é lido pelo agente de fiscalização da blitz. Uma informação importante: depois de feito o cadastro, não é preciso ter internet para acessar os dados, tanto da CNH quanto do CRLV digitais. “O usuário só precisa lembrar de ter sempre carga na bateria”, ressalta o representante do Detran. Isso, no entanto, não é um problema, já que em último caso basta um adaptador para ligar o aparelho na tomada de 12V do veículo.

Além do CRLV e da CNH digital, recursos tecnológicos podem significar economia

Augusto ressalta outros dois recursos disponíveis para os usuários do Ceará que podem trazer, além da agilidade, benefícios para o bolso. Alguém lembra de verificar periodicamente a data de vencimento da CNH, por exemplo, ou obter informações sobre a situação cadastral do veículo?

No aplicativo Meu Detran, para dispositivos móveis, o usuário cadastra um e-mail e fica recebendo diretamente do órgão estadual as ocorrências mais importantes sobre sua rotina de motorista e proprietário de veículo. O principal benefício é se antecipar a eventuais fiscalizações e evitar multas em blitzes.

Uma última comodidade que, segundo Augusto, muitos usuários não conhecem é em relação aos procedimentos ligados à compra de um carro novo. No site do Detran, explica ele, o proprietário pode emitir e pagar o IPVA e o seguro obrigatório, na opção “Primeiro licenciamento”, sem ter de recorrer a serviços de terceiros – que cobram por isso. “Muitas pessoas não conhecem esse recurso e acabam pagando por um serviço que não precisam”, destaca o representante do Detran.

leia tudo sobre

Publicidade

Eusébio Classic Car promove Carnaval à moda antiga no Shopping Eusébio

Por silviomauro em Evento

15 de Fevereiro de 2019

O Shopping Eusébio vai sediar neste sábado, 16, o 50º encontro do Eusébio Classic Car, clube de carros antigos e raros do município da Região Metropolitana de Fortaleza. Cerca de 70 automóveis estarão em exposição no estacionamento do shopping e o tema desta edição não poderia ser outro: Carnaval à moda antiga. O bloco “Sai da frente que não tem freio” promete animar o público com marchinhas tradicionais.

Diversos modelos clássicos do século passado como Fusca, Puma, Impala, Cadillac, Maverick e Jeep sairão em desfile pela CE-040 até chegar no estacionamento do shopping, onde ficarão disponíveis para a apreciação dos amantes de carros.

Os organizadores informam que o evento é aberto para quem quiser participar como expositor. É só estacionar o automóvel antigo no estacionamento do Shopping Eusébio. Eles garantem que não vai faltar gente para trocar ideias sobre compra e venda de veículos ou peças, combinar viagens ou passeios, tirar dúvidas sobre dicas de oficinas e manutenções preventivas necessárias ou apenas para uma boa conversa. O acesso também é livre e gratuito para quem quer só apreciar os carros.

Eusébio Classic Car nasceu em 2014
Segundo o médico Arnóbio Tomaz, um dos fundadores e presidente do Eusébio Classic Car, o clube nasceu no ano em que ele se mudou para a cidade vizinha a Fortaleza e percebeu que lá não havia nenhum grupo formal voltado para carros antigos. A iniciativa foi bem sucedida: mesmo recente, o clube já reúne mais de 350 sócios. “Meu sonho era fundar esse clube e hoje já somos o maior carros antigos do Brasil”, afirma Arnóbio. A entidade faz encontros em todos os terceiros sábados de cada mês.

Ele destaca a importância do Shopping Eusébio, lembrando que, na época, havia a somente a ideia de criar o clube, mas uma das demandas era um local com estrutura para receber os encontros dos futuros sócios. Por isso, a chegada do shopping ao município foi a oportunidade que faltava para colocar em prática o desejo. Graças ao centro comercial, o projeto engatou e permitiu acelerar os planos de fundação do Eusébio Classic Car.

Serviço
50º Encontro do Eusébio Classic Car e festa do bloco “Sai da frente que não tem freio”
Data: Sábado, 16/02
Horário: 16h às 21h
Local: Pátio do Shopping Eusébio (Av. Eusébio de Queiroz, 1890, Tamatanduba, às margens da CE-040)
Acesso: GRATUITO

Publicidade

Coleção de miniaturas: os pequenos notáveis

Por silviomauro em Sem categoria

13 de Fevereiro de 2019

“DESCULPEM, MAS ACEITO CONVITE PARA AMIZADES APENAS DE COLECIONADORES DE MINIATURAS”. Esta introdução da página no Facebook do médico cearense Suitberto Sobreira Junior, mais conhecido como Suit Júnior, reproduzida exatamente como a original (com todas as maiúsculas), resume bem para que ele mantém sua presença na rede social: Apenas para divulgar e trocar ideias com quem divide com ele a paixão pelas miniaturas de carros.

E não são poucos, vale ressaltar. O grupo mais ativo do qual Suit Junior participa, o BR Autos Miniaturas (www.facebook.com/groups/BRAutosminiaturas/), tem mais de 18 mil deles. É verdade que nem todos são colecionadores, mas acompanham com atenção as muitas postagens que ocorrem todo dia, com imagens em vários ângulos dos carrinhos. Algumas reproduções são tão fiéis dos veículos originais que ficaria difícil, para leigos, saber se são miniaturas ou automóveis reais. O número de membros do BR Autos Miniaturas impressiona ainda mais pelo fato de ser um grupo fechado, ou seja, para entrar é preciso ser convidado por quem já está lá.

Com uma coleção de 600 modelos, alguns dos quais ilustram esta matéria, Suit Junior costuma vencer com certa frequência os desafios semanais do grupo, que dão direito a uma imagem das miniaturas do vencedor na capa da página do grupo. Esses desafios podem ser, por exemplo, das traseiras ou das frentes dos carrinhos. De acordo com Cléverton Sobreira, um dos administradores do BR Autos Miniaturas, a comunidade foi criada em 2016 e se mantém bastante ativa desde então, inclusive com membros de fora do Brasil.

“A galera troca dicas de quais miniaturas são melhores, como iniciar uma coleção, locais confiáveis de vendas e coleções lançadas. É um espaço voltado para o hobby de colecionar miniaturas”, explica ele, ressaltando que todas as interações são apenas virtuais, ou seja, não há encontros de colecionadores, nem mesmo dos que moram na mesma cidade.

Um detalhe interessante é que os aficionados não se contentam em comprar as miniaturas já prontas. Eles mexem nos carros, incrementam, colocam acessórios como spoilers e aerofólios e divulgam as atividades no grupo. Suit Junior, por exemplo, mantém uma “oficina” em casa para fazer as mudanças nos seus modelos. Segundo ele, colecionar miniaturas tem algumas vantagens em relação a outro hobby conhecido entre os amantes de veículos, que é o antigomobilismo – que consiste em possuir e manter veículos reais com no mínimo 30 anos de idade.

“Quando você lida com carros reais, uma grande alegria é quando troca. Mas depois de seis meses, você já cansou dele. Com as miniaturas, você pode mexer, criar acessórios. É uma terapia. Além do mais, elas não têm IPVA nem gasto com manutenção”, explica. Suit Junior revela que o único problema que já teve com o hobby foi a empolgação. “Já teve época em que eu comprava seis miniaturas por mês. Minha esposa me controlou e não faço mais isso”, brinca.

Falando em peso no bolso, apesar de incomparavelmente mais em conta que o antigomobilismo, o hobby de colecionar miniaturas não é exatamente um hábito barato. As opções mais em conta saem por algo próximo de 200 reais. “As mais caras beiram os R$ 3 mil”, afirma Cléverson. Ele ressalta que o preço vai depender de alguns fatores, como tamanho, material usado e nível de detalhes. Alguns modelos chegam a reproduzir o motor com tamanha fidelidade que até os cabos de velas são colocados.

O tamanho, explica o administrador do BR Autos Miniaturas, é calculado pela proporção. Os mais frequentes, de acordo com ele, são 1:64, 1:43, 1:24 e 1:18. A fração representa o quanto a miniatura é menor que o carro real, ou seja, 1:18, por exemplo, significa que ela é 18 vezes menor que o veículo.

Os materiais mais comuns, segundo os colecionadores, são o metal, o plástico e a resina. As que são feitas com o primeiro elemento costumam ser as mais caras, mas o nível de detalhamento também influencia bastante o preço. As compras dos colecionadores são feitas pela internet e os modelos podem vir de fábricas alemãs, italianas e – principalmente – chinesas.

Para quem confunde uma miniatura com um brinquedo, Cléverson explica que há diferenças significativas. “As miniaturas são peças de coleção, com muitos detalhes, e esses detalhes são frágeis, por isso não são recomendados para crianças”. Além disso, Suit Junior dá uma ideia de como, realmente, o hobby é para “crianças grandes”. Ele avalia que sua coleção, iniciada há 29 anos, vale pelo menos 150 mil reais.

leia tudo sobre

Publicidade

Sonhos de consumo: veja modelos e marcas mais buscados no Google em 2018

Por silviomauro em Curiosidades

07 de Fevereiro de 2019

Os carros e marcas com os quais os brasileiros sonham são efetivamente os que eles podem comprar? Existe uma equivalência entre os interesses dos consumidores nacionais e o comportamento das vendas? Movidos por esta curiosidade, pedimos ajuda ao Google, maior mecanismo de buscas do mundo, para saber o que as pessoas mais pesquisam em seu site quando o assunto é automóvel.

Também pedimos à gigante da tecnologia os dados dos consumidores cearenses, para saber se eles coincidem com as médias nacionais. Considerando apenas o universo dos automóveis (aí incluídos os SUVs), há coincidências e resultados interessantes. Volkswagen e GM, as duas marcas mais vendidas do mercado nacional, também são as que despertam mais interesse nas buscas, embora com uma inversão: primeira no ranking de vendas, a GM aparece depois da Volkswagen nas buscas. No Ceará, no entanto, a posição das montadoras nas buscas é a mesma das vendas, com a GM em primeiro.

A partir da terceira posição, no entanto, aparecem detalhes curiosos nas buscas. A Honda, marca de carros com valor mais alto e que não tem nenhum modelo na faixa dos “populares” compactos, está na oitava posição do mercado quando o assunto é total de unidades comercializadas. Mas em relação ao interesse dos consumidores, ela é a terceira marca mais procurada no Brasil e a quarta no Ceará. Será que um modelo compacto e mais em conta da montadora japonesa faria sucesso por aqui? Parece que sim.

O Google também confirma um dado que é facilmente perceptível no Ceará: o fascínio dos consumidores de carros do Estado pela marca e pelos modelos da Toyota – especialmente o Corolla e a Hilux. No ranking dos sedans mais buscados em todo o país, o Honda Civic é o primeiro. Já nas buscas cearenses, o Corolla é o líder. No caso das picapes, o fenômeno é parecido. Quando são consideradas as pesquisas de todo o território nacional, a Volkswagen Saveiro e a Fiat Toro são as primeiras do ranking e a Hilux aparece em terceiro. Já no “país Ceará”, a picape da marca japonesa é a líder inconteste.

Em outra informação fornecida pelo site, a que revela os modelos mais buscados em geral (sem considerar o segmento), o desejo dos cearenses pelos modelos da Toyota se revela. No cenário nacional, o carro mais buscado é o GM Ônix. Depois dele vem o Honda Civic. O Corolla aparece na 5ª posição. Já no Ceará, o modelo da Toyota é o segundo no ranking de interesse, e o Civic não figura nem entre os 10 primeiros.

Outra peculiaridade dos consumidores cearenses, que é o deslumbramento por carros que denotem status pelo tamanho e pelo preço, se revela nas pesquisas do Google. No ranking nacional de buscas, não aparece nenhum SUV. Já no cearense estão presentes o Hyundai Creta e – sempre ela – a picape Hilux.

Uma característica das buscas que coincide com as vendas no mercado é a concentração em um universo limitado de marcas. Apesar de 24 marcas estarem presentes nos membros da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entidade que concentra os produtores de veículos do País, 94% do mercado está concentrado em 10 delas: GM, Volkswagen, Ford, Hyundai, Renault, Fiat, Toyota, Honda, Jeep e Nissan. E são basicamente essas que aparecem entre as mais buscadas pelos consumidores, tanto se considerarmos o cenário nacional quanto o cearense. As marcas chinesas, por exemplo, que vêm tentado conquistar a confiança dos consumidores, ainda não parecem ter despertado interesse.

Uma conclusão final que se pode tirar da pesquisa é a seguinte: os consumidores, tanto em nível nacional como local, precisam saber que o mercado é vasto e muitos produtos merecem ser mais conhecidos. Menos concentração no interesse por modelos e marcas certamente ajudaria a aumentar a concorrência e, quem sabe, resultar em carros um pouco menos caros para todos.

leia tudo sobre

Publicidade

Sonhos de consumo: veja modelos e marcas mais buscados no Google em 2018

Por silviomauro em Curiosidades

07 de Fevereiro de 2019

Os carros e marcas com os quais os brasileiros sonham são efetivamente os que eles podem comprar? Existe uma equivalência entre os interesses dos consumidores nacionais e o comportamento das vendas? Movidos por esta curiosidade, pedimos ajuda ao Google, maior mecanismo de buscas do mundo, para saber o que as pessoas mais pesquisam em seu site quando o assunto é automóvel.

Também pedimos à gigante da tecnologia os dados dos consumidores cearenses, para saber se eles coincidem com as médias nacionais. Considerando apenas o universo dos automóveis (aí incluídos os SUVs), há coincidências e resultados interessantes. Volkswagen e GM, as duas marcas mais vendidas do mercado nacional, também são as que despertam mais interesse nas buscas, embora com uma inversão: primeira no ranking de vendas, a GM aparece depois da Volkswagen nas buscas. No Ceará, no entanto, a posição das montadoras nas buscas é a mesma das vendas, com a GM em primeiro.

A partir da terceira posição, no entanto, aparecem detalhes curiosos nas buscas. A Honda, marca de carros com valor mais alto e que não tem nenhum modelo na faixa dos “populares” compactos, está na oitava posição do mercado quando o assunto é total de unidades comercializadas. Mas em relação ao interesse dos consumidores, ela é a terceira marca mais procurada no Brasil e a quarta no Ceará. Será que um modelo compacto e mais em conta da montadora japonesa faria sucesso por aqui? Parece que sim.

O Google também confirma um dado que é facilmente perceptível no Ceará: o fascínio dos consumidores de carros do Estado pela marca e pelos modelos da Toyota – especialmente o Corolla e a Hilux. No ranking dos sedans mais buscados em todo o país, o Honda Civic é o primeiro. Já nas buscas cearenses, o Corolla é o líder. No caso das picapes, o fenômeno é parecido. Quando são consideradas as pesquisas de todo o território nacional, a Volkswagen Saveiro e a Fiat Toro são as primeiras do ranking e a Hilux aparece em terceiro. Já no “país Ceará”, a picape da marca japonesa é a líder inconteste.

Em outra informação fornecida pelo site, a que revela os modelos mais buscados em geral (sem considerar o segmento), o desejo dos cearenses pelos modelos da Toyota se revela. No cenário nacional, o carro mais buscado é o GM Ônix. Depois dele vem o Honda Civic. O Corolla aparece na 5ª posição. Já no Ceará, o modelo da Toyota é o segundo no ranking de interesse, e o Civic não figura nem entre os 10 primeiros.

Outra peculiaridade dos consumidores cearenses, que é o deslumbramento por carros que denotem status pelo tamanho e pelo preço, se revela nas pesquisas do Google. No ranking nacional de buscas, não aparece nenhum SUV. Já no cearense estão presentes o Hyundai Creta e – sempre ela – a picape Hilux.

Uma característica das buscas que coincide com as vendas no mercado é a concentração em um universo limitado de marcas. Apesar de 24 marcas estarem presentes nos membros da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entidade que concentra os produtores de veículos do País, 94% do mercado está concentrado em 10 delas: GM, Volkswagen, Ford, Hyundai, Renault, Fiat, Toyota, Honda, Jeep e Nissan. E são basicamente essas que aparecem entre as mais buscadas pelos consumidores, tanto se considerarmos o cenário nacional quanto o cearense. As marcas chinesas, por exemplo, que vêm tentado conquistar a confiança dos consumidores, ainda não parecem ter despertado interesse.

Uma conclusão final que se pode tirar da pesquisa é a seguinte: os consumidores, tanto em nível nacional como local, precisam saber que o mercado é vasto e muitos produtos merecem ser mais conhecidos. Menos concentração no interesse por modelos e marcas certamente ajudaria a aumentar a concorrência e, quem sabe, resultar em carros um pouco menos caros para todos.