Publicidade

dezembro 2018

Golf: exemplo bem sucedido de tecnologias autônomas

Por silviomauro em Test-drive

20 de dezembro de 2018

Já ouviu falar em carros que andam sozinhos? Em tempos de tantos debates e notícias sobre as tecnologias de veículos autônomos, é muito interessante quando se tem, no Brasil, país no qual as novidades da indústria automotiva demoram a chegar, oportunidade de conhecer algumas prévias do que o futuro nos reserva na área de carros que irão dirigir por nós. O Volkswagen Golf, hatch médio que tivemos oportunidade de guiar por alguns dias em Fortaleza, é um exemplo de modelo que está, a um preço, digamos, relativamente acessível para parte do público consumidor, trazendo mais para perto de nós esse universo.

Isso porque o veículo é equipado com um recurso que foi o que mais chamou a atenção em todo o test-drive. Ele se chama “piloto automático adaptativo” (a sigla é ACC, de Automatic Cruise Control) e sua tecnologia usa um radar para acompanhar a velocidade dos carros ao redor. O motorista escolhe uma velocidade limite e o Golf vai seguindo o trânsito. Se os outros reduzem, ele faz o mesmo. Se aceleram, sua velocidade também aumenta. E se o veículo da frente para completamente, o modelo da Volkswagen para e manda o motorista apertar o freio para encerrar a operação.

O ACC não é uma novidade no Golf, está presente como opcional de algumas versões desde 2016. Mas a sensação de experimentar o recurso no dia-a-dia, vendo como ele pode facilitar a vida nos cansativos percursos do trânsito de Fortaleza, foi um alento e tanto. Na BR 116, via que tem trânsito expresso (sem semáforos), foram cerca de 5 km andando com o Golf sem a necessidade de apertar qualquer pedal.

O recurso se torna mais interessante pelo fato do Golf ser o único, entre os três hatchs médios mais vendidos do mercado, a oferecê-lo. No ranking de emplacamentos da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) que pesquisamos, o carro da Volkswagen está em terceiro, ficando atrás do Chevrolet Cruze e do Ford Focus. E destes dois, apenas o Focus tem um tecnologia que se aproxima, mas não é tão evoluída quanto a do Golf: chama-se Active City Stop e faz apenas a frenagem do veículo em caso de detecção do perigo de uma batida.

A versão guiada foi a Highline 1.4 TSI equipada com os opcionais “Rodas de liga leve aro 17”, “Teto solar elétrico” e “Pacote Premium”. É neste último que vem o ACC. O pacote também inclui recursos como “Park Assist” (assistente de estacionamento automático) e “Detector de fadiga”. Com todos os opcionais citados mais pintura metálica, o valor do carro (obtido no montador virtual do site da Volkswagen) é R$ 131.090,00.

Este conjunto de tecnologias que tornam o Golf mais autônomo, aliados ao câmbio automático de seis velocidades, à direção elétrica levíssima e ao sistema Start&Stop, que desliga o motor quando o carro para no trânsito para economizar energia, deixa a tarefa de dirigir bem mais leve. Na loucura do trânsito da cidade, acreditem, isso faz enorme diferença. E leva o motorista sonhar com o dia em que ele irá no banco de trás, de preferência dormindo, enquanto o carro o transporta para seu destino.

Vale ressaltar, no entanto, que mesmo que um dia o Golf consiga ficar completamente autônomo, é bom que a Volkswagen deixe sempre disponível a opção de dirigi-lo. O motor 1.4 TSI é diversão na certa. Com um ronco discreto, mas agradavelmente perceptível, ele traz a potência e o torque na medida certa, deixando o carro extremamente leve e com o comportamento de um pequeno foguete ao menor toque mais empolgado no acelerador. Isso garante a esportividade que os amantes do automobilismo (como é o nosso caso) possam se deleitar.

Este motor, aliás, é representativo de outra tendência da indústria automobilística, além da autonomia veicular que já citamos: a combinação de muita potência e torque (150 cv a 4.500 rpm e 25,5 kgfm a apenas 1.500 rpm) com o recurso do turbo, que otimiza o processo de combustão, e a baixa cilindrada. Toda essa combinação resulta em um carro que precisa de pouco toque no acelerador para responder bem e, por isso, economiza combustível. No nosso caso,  foram quase 10 dias rodando com o carro e o tanque, de 51 litros, não chegou nem a 1/4 .

Um detalhe adicional sobre o comportamento do motor é o silêncio com que ele trabalho e a quase total ausência de qualquer vibração. Isso, inclusive, levou a um fato curioso. O Golf que guiamos, como já foi dito, era equipado com o Start&Stop, que desliga o carro automaticamente quando ele não está em movimento. Como o motor é extremamente silencioso, não era possível identificar, quando chegávamos em alguma garagem, se ele estava desligado ou não. Era preciso sempre olhar o conta-giros no painel para saber se ele estava indicando algum funcionamento e se era preciso acionar o botão de desligamento.

O Golf está inserido em um segmento que não vende muito, considerando os números globais do mercado brasileiro. Mas é, sem dúvida, um ícone da Volkswagen por várias de suas características, como esportividade, conforto, luxo, estabilidade e robustez. Tanto que a Volkswagen, quando lançou o Polo, fez questão de dizer que ele era uma espécie de “mini Golf” apelando para o imaginário dos consumidores que sonham com um Golf, mas não podem compra-lo. Vamos torcer, então, para que os recursos de condução autônoma deste maravilhoso modelo cheguem o quanto antes não só para o Polo mas para outros veículos de preço mais acessível da montadora.   

 

Golf

Ficha técnica – Golf Highline 1.4 TSI

Motor
Cilindrada 1.395 cm³
Potência 150 cv (G) / 150cv (E) – 4.500 rpm
Torque 25,5 kgfm (G) / 25,5 (E) – 1.500 rpm
Freios
Dianteiros Disco ventilado
Traseiros Disco
Principais dimensões
Comprimento (mm) 4.255
Distância entre eixos (mm) 2.638
Largura (mm) 1.799
Altura mm 1.468
Peso em ordem de marcha (kg) 1.279
Carga útil máxima (kg) 551
Capacidade do porta-malas (l) 313
Direção
Tipo Elétrica
Transmissão
Automática de 6 velocidades
Rodas e pneus
Rodas 6,5Jx16 / 7,0Jx17
Pneus 205/55 R16 / 225/45 R17

Preço (montado no site da Volkswagen)
R$ 121.190,00

leia tudo sobre

Publicidade

Carros flex: saiba mais sobre eles

Por silviomauro em Curiosidades

11 de dezembro de 2018

Em 2003, o Brasil conheceu a tecnologia dos veículos bicombustíveis a partir da entrada no mercado do Volkswagen Gol TotalFlex. No mesmo ano, a empresa lançaria o Fox, também com o mesmo recurso. Aos poucos, as outras montadoras foram seguindo o exemplo da pioneira e os modelos também conhecidos como carros flex foram ganhando a confiança dos consumidores em relação à eficiência e à qualidade dos motores.

Hoje, praticamente todos os automóveis fabricados no Brasil vêm com a disponibilidade de rodar com gasolina ou álcool. No texto a seguir, veja informações sobre o modo de funcionamento deles, suas particularidades e alguns cuidados necessários para garantir que, quando for colocar, por exemplo, seu Prisma usado bicombustível à venda, ele esteja em ótimo estado para garantir um bom preço.

Uma das primeiras características a destacar em relação ao motor bicombustível é que ele funciona praticamente da mesma maneira independentemente da mistura que estiver no tanque (100% gasolina, 100% álcool ou partes de cada um). Há um leve ganho de potência e torque com o álcool, mas é quase imperceptível para o motorista, porque a diferença é mínima. Nas fichas técnicas dos veículos, disponíveis nos sites das montadoras, é possível conferir como o ganho com o álcool é quase insignificante, de apenas 1% ou 2% em relação à gasolina.

Outro dado importante para carros flex é a relação custo-benefício na hora de abastecer. A regra geral é usar a fórmula dos 70%: como o álcool rende menos que a gasolina, o recomendável é usar o primeiro combustível apenas no caso do seu preço ser menor que 70% do preço do segundo. Mas como o consumo de um carro depende de muitos fatores, o ideal, mesmo, é encher o tanque com álcool, verificar quanto o carro anda com ele e fazer o mesmo com a gasolina. E depois dessas duas ações, verificar qual combustível, considerando as diferenças, resultou em maior economia para o bolso.

Em relação à vida útil do motor, embora o álcool seja um combustível mais corrosivo do que a gasolina, os veículos flex modernos vêm preparados para lidar com essa característica e seu uso exclusivo não significa desgaste dos componentes do motor. O sistema, vale lembrar, é projetado para funcionar com qualquer quantidade de ambos os combustíveis.

Para mais esclarecimentos sobre o universo dos carros flex, seguem abaixo respostas para algumas dúvidas que podem surgir em relação a eles:

É possível fazer alteração em qualquer tempo de um combustível para o outro?

Sim. O sistema de injeção identifica qual combustível foi colocado no tanque e assim regula os parâmetros para obter o melhor rendimento possível. Mas é recomendável não forçar muito o motor logo que a mudança for feita. Rode um pouco com o veículo de forma suave para que haja o reconhecimento.

Usar sempre apenas um tipo de combustível pode trazer prejuízos para o motor?

Não. É mito a ideia de que o motor do automóvel flex pode “viciar” ao fazer uso de apenas um tipo de combustível.

Qual a utilidade do tanque de partida a frio?

Uma das características da maioria dos carros flex é contar um pequeno tanque de gasolina localizado perto do motor. Sua função é auxiliar a ligação em caso de de haver apenas álcool no tanque e o veículo estar em algum lugar muito frio. Isso acontece porque o álcool tem o ponto de combustão (temperatura na qual um combustível libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável) bem maior que a gasolina. No entanto, para quem mora em um lugar quente como Fortaleza, por exemplo, essa preocupação não existe. Vale ressaltar, ainda, que as montadoras têm investido em tecnologias para melhorar o processo e alguns modelos mais novos nem vêm mais com o tanque de partida a frio.

Publicidade

Carros flex: saiba mais sobre eles

Por silviomauro em Curiosidades

11 de dezembro de 2018

Em 2003, o Brasil conheceu a tecnologia dos veículos bicombustíveis a partir da entrada no mercado do Volkswagen Gol TotalFlex. No mesmo ano, a empresa lançaria o Fox, também com o mesmo recurso. Aos poucos, as outras montadoras foram seguindo o exemplo da pioneira e os modelos também conhecidos como carros flex foram ganhando a confiança dos consumidores em relação à eficiência e à qualidade dos motores.

Hoje, praticamente todos os automóveis fabricados no Brasil vêm com a disponibilidade de rodar com gasolina ou álcool. No texto a seguir, veja informações sobre o modo de funcionamento deles, suas particularidades e alguns cuidados necessários para garantir que, quando for colocar, por exemplo, seu Prisma usado bicombustível à venda, ele esteja em ótimo estado para garantir um bom preço.

Uma das primeiras características a destacar em relação ao motor bicombustível é que ele funciona praticamente da mesma maneira independentemente da mistura que estiver no tanque (100% gasolina, 100% álcool ou partes de cada um). Há um leve ganho de potência e torque com o álcool, mas é quase imperceptível para o motorista, porque a diferença é mínima. Nas fichas técnicas dos veículos, disponíveis nos sites das montadoras, é possível conferir como o ganho com o álcool é quase insignificante, de apenas 1% ou 2% em relação à gasolina.

Outro dado importante para carros flex é a relação custo-benefício na hora de abastecer. A regra geral é usar a fórmula dos 70%: como o álcool rende menos que a gasolina, o recomendável é usar o primeiro combustível apenas no caso do seu preço ser menor que 70% do preço do segundo. Mas como o consumo de um carro depende de muitos fatores, o ideal, mesmo, é encher o tanque com álcool, verificar quanto o carro anda com ele e fazer o mesmo com a gasolina. E depois dessas duas ações, verificar qual combustível, considerando as diferenças, resultou em maior economia para o bolso.

Em relação à vida útil do motor, embora o álcool seja um combustível mais corrosivo do que a gasolina, os veículos flex modernos vêm preparados para lidar com essa característica e seu uso exclusivo não significa desgaste dos componentes do motor. O sistema, vale lembrar, é projetado para funcionar com qualquer quantidade de ambos os combustíveis.

Para mais esclarecimentos sobre o universo dos carros flex, seguem abaixo respostas para algumas dúvidas que podem surgir em relação a eles:

É possível fazer alteração em qualquer tempo de um combustível para o outro?

Sim. O sistema de injeção identifica qual combustível foi colocado no tanque e assim regula os parâmetros para obter o melhor rendimento possível. Mas é recomendável não forçar muito o motor logo que a mudança for feita. Rode um pouco com o veículo de forma suave para que haja o reconhecimento.

Usar sempre apenas um tipo de combustível pode trazer prejuízos para o motor?

Não. É mito a ideia de que o motor do automóvel flex pode “viciar” ao fazer uso de apenas um tipo de combustível.

Qual a utilidade do tanque de partida a frio?

Uma das características da maioria dos carros flex é contar um pequeno tanque de gasolina localizado perto do motor. Sua função é auxiliar a ligação em caso de de haver apenas álcool no tanque e o veículo estar em algum lugar muito frio. Isso acontece porque o álcool tem o ponto de combustão (temperatura na qual um combustível libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável) bem maior que a gasolina. No entanto, para quem mora em um lugar quente como Fortaleza, por exemplo, essa preocupação não existe. Vale ressaltar, ainda, que as montadoras têm investido em tecnologias para melhorar o processo e alguns modelos mais novos nem vêm mais com o tanque de partida a frio.