Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

Por rodrigogoyanna em Marketing, Vida

21 de Março de 2019

Três notícias recentes envolvendo as questões “oceanos” e “plásticos” chamaram a atenção para um problema assustador. Primeiro, um estudo divulgado durante o Fórum Econômico Mundial em Davos desse ano previu que, em 2050, o oceano terá mais plástico que peixes. E que 99% das aves que consomem animais marinhos também terão plástico em seus estômagos.

Depois, um artigo publicado na revista Royal Society Open Science mostrou resultados de uma pesquisa que encontrou resíduos plásticos em pontos extremamente profundos do oceano, mostrando que a contaminação se alastrou completamente pelo ecossistema, não ficando restrita às baías e superfícies. Os cientistas encontraram plásticos em “pulgas do mar”, que vivem a milhares de metros abaixo da superfície. Esses pequenos organismos são ingeridos por predadores maiores, gerando uma contaminação em toda a cadeia alimentar.

Finalmente, nessa semana,  uma baleia morta encalhada numa praia nas Filipinas foi examinada postumamente por pesquisadores de uma ONG. Eles encontraram cerca  de 40 quilos de plástico em seu estomago. Entre o lixo, 16 sacos de arroz. Não dá para saber se essa foi exatamente a causa da morte, mas certamente tamanha contaminação em seu estômago não fazia bem.

Esses três fatos preocupantes remetem à mais nova campanha da entidade sea Sheperd, ONG focada na conservação da vida marinha. As peças divulgadas pela organização chocam para atrair a atenção para o problema do lixo plástico nos oceanos. As imagens mostram animais marinhos sufocando com uma simples sacola de supermercado, em desespero e agonia.

O texto dos cartazes diz “O plástico que você usa uma vez tortura os oceanos para sempre”. Fato. Se uma sacola plástica jogada indevidamente no mar foi usada apenas por alguns minutos por um consumidor, ela ficará pelo menos uma centena de anos “viva” nas águas, prejudicando muitas espécies marinhas. Tartarugas marinhas, por exemplo, muitas vezes confundem as sacolas com águas-vivas, essas sim seus alimentos naturais. O engano é fatal.

A campanha foi criada pelas agências Tribal Worldwide São Paulo e pela DDB da Guatemala.

Veja as imagens da campanha:

Campanha da entidade Sea Shepherd: alerta para problema do lixo no oceano (Sea Shepherd/Divulgação)

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Por rodrigogoyanna em Marketing, Vida

21 de Março de 2019

Três notícias recentes envolvendo as questões “oceanos” e “plásticos” chamaram a atenção para um problema assustador. Primeiro, um estudo divulgado durante o Fórum Econômico Mundial em Davos desse ano previu que, em 2050, o oceano terá mais plástico que peixes. E que 99% das aves que consomem animais marinhos também terão plástico em seus estômagos.

Depois, um artigo publicado na revista Royal Society Open Science mostrou resultados de uma pesquisa que encontrou resíduos plásticos em pontos extremamente profundos do oceano, mostrando que a contaminação se alastrou completamente pelo ecossistema, não ficando restrita às baías e superfícies. Os cientistas encontraram plásticos em “pulgas do mar”, que vivem a milhares de metros abaixo da superfície. Esses pequenos organismos são ingeridos por predadores maiores, gerando uma contaminação em toda a cadeia alimentar.

Finalmente, nessa semana,  uma baleia morta encalhada numa praia nas Filipinas foi examinada postumamente por pesquisadores de uma ONG. Eles encontraram cerca  de 40 quilos de plástico em seu estomago. Entre o lixo, 16 sacos de arroz. Não dá para saber se essa foi exatamente a causa da morte, mas certamente tamanha contaminação em seu estômago não fazia bem.

Esses três fatos preocupantes remetem à mais nova campanha da entidade sea Sheperd, ONG focada na conservação da vida marinha. As peças divulgadas pela organização chocam para atrair a atenção para o problema do lixo plástico nos oceanos. As imagens mostram animais marinhos sufocando com uma simples sacola de supermercado, em desespero e agonia.

O texto dos cartazes diz “O plástico que você usa uma vez tortura os oceanos para sempre”. Fato. Se uma sacola plástica jogada indevidamente no mar foi usada apenas por alguns minutos por um consumidor, ela ficará pelo menos uma centena de anos “viva” nas águas, prejudicando muitas espécies marinhas. Tartarugas marinhas, por exemplo, muitas vezes confundem as sacolas com águas-vivas, essas sim seus alimentos naturais. O engano é fatal.

A campanha foi criada pelas agências Tribal Worldwide São Paulo e pela DDB da Guatemala.

Veja as imagens da campanha:

Campanha da entidade Sea Shepherd: alerta para problema do lixo no oceano (Sea Shepherd/Divulgação)