Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

estrategia

TouchDown!

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

20 de Maio de 2018

O árbitro apita o fim do primeiro tempo! Hora de ir ao banheiro? Preparar a pipoca? Nos Estados Unidos não! Com o jeito americano de ser, eles conseguiram transformar o Superbowl, a final do Football Americano, segundo esporte mais popular do país, em um dos business entertainment mais rentáveis da história, e como quase tudo que se propõe a fazer, dão uma verdadeira aula de gestão; é um case de sucesso, onde quem gere o futebol brasileiro precisaria pagar ingresso, e assistir como se faz.

Em 2015, durante o intervalo do Superbowl, a cantora Katy Perry sobrevoou o campo, montou sob um gigante felino cenográfico, transformou o palco em um grande tabuleiro de xadrez, e cantou, tudo isso em menos de 13 minutos! A consequeência disso? Centenas de milhares de citações no Twitter e Facebook, reforço de branding, um gigantesco trafego de visitantes nas mídias dos parceiros, e outra multidão de curiosos interessados em conhecer esse esporte; são pessoas de todo o mundo, de diferentes idiomas, falando sobre o mesmo assunto. Enquanto isso, em terras tupiniquins, durante a final da Copa do Brasil, nós temos a opção de ver o Galvão Bueno comentar os melhores momentos no intervalo, ou escutar o Léo Batista narrar os gols da rodada. E tome gol da Alemanha.

A maneira com que os dirigentes esportivos nacionais enxergam o nosso futebol, deveria ser revista, a gestão do esporte que ainda é paixão nacional deveria se posicionar com mais racionalidade, profissionalismo e transparência, sob pena de perdermos a estigma de pais do futebol para nações que saíram da inércia e fizeram um benchmarking da forma americana de tratar esporte como business. Não é difícil, só é muito trabalho.

Ao invés de discutirmos onde estamos errando, criarmos indicadores de crescimento e projetarmos uma evolução do nosso esporte preferido, precisamos escutar notícias policiais se misturarem às futebolísticas. O resultado? Hoje infelizmente nós não fazemos mais parte do mainframe futebolístico, e não há previsão sobre o surgimento de dispositivos de controle de governança corporativa, que nos dê condições de “ajeitar nossa defesa”, ter um time “bem postado em campo”, e voltarmos as “quatro linhas” do futebol mundial “no ataque”. Nós precisamos de uma visão corporativa atuante para recuperar nosso prestigio como país do futebol. Seria um golaço.

Não precisamos que um juiz nos cobre arbitrariamente conceitos conhecidos do mundo corporativo, como compliance, endomarketing e meritocracia, é praxe para quem quer vencer, absorver a tática que o leve até o gol, os players do nosso mercado precisam “vestir a camisa” e acreditar que apesar da desvantagem competitiva, ainda dá pra vencer.

Não se trata de um esporte qualquer, é uma economia que gira em torno de um jogo, que se aquece a medida que as vitorias vão surgindo, é Vencer para Vender, e Vender para Ter, isso mesmo, Ter condições de novos auto investimentos que garantam a possibilidade de voltarmos a ser líder de mercado nesse esporte. Em algum momento do passado, os americanos enxergaram que isso era possível para com o American Football, e porque eles acreditaram, conseguiram atingir os incríveis números relacionados ao consumo do Superbowl 2015:

1 – A National Chicken Council, uma associação comercial que representa a indústria aviária nos EUA, calculou que aproximadamente 1,25 bilhão de asinhas de frango foram devoradas durante o Super Bowl 2015;

2 – A Domino’s Pizza e a Pizza Hut se planejaram para vender 29 milhões de fatias de pizza no dia do jogo;

3 – Um total de 112,2 milhões de pessoas assistiram ao Super Bowl no ano de 2014, tornando o evento o programa mais assistido na história da televisão norte-americana; em 2015, a expectativa é de que 1 em cada 3 norte-americanos, ou 169 milhões em todo o mundo, tenham assistido o jogo, que foi transmitido em 180 países e em mais de 30 idiomas. O gasto médio de consumo de quem viu o jogo pela TV foi de aproximadamente 78 dólares (custos com alimentação, equipamentos de TV e merchandising e camisas dos times.)

4 – Cada comercial de 30 SEGUNDOS veiculado pelo canal de TV NBC custou US$ 4,5 milhões aos anunciantes (4,5 MILHOES DE DOLÁRES POR 30 SEGUNDOS!). Devido ao investimento, cada anunciante contratava agências para produzirem comerciais únicos e especiais para a final do Superbowl.

5 – Quando o U2 comandou o show do intervalo em 2002, Bono Vox mostrou a bandeira dos EUA durante uma das músicas. Essa simples ação fez com que o álbum do grupo pulasse da 108ª posição para a 8ª no ranking Billboard;

6 – Depois que a banda The Black Eyed Peas se apresentou no Super Bowl em 2011, as vendas da música “Where is the Love” aumentaram 332%.

7 – Os bilhetes para o Super Bowl custam, em média, 4.676 dólares, um aumento de 23% face a 2014. O estádio da final de 2015 tem capacidade para 71.000 lugares, e estava lotado!

A sorte está lançada, dizem que o jogo só termina quando o juiz acaba, mas enquanto a gente não mudar, GOL da Alemanha, ou melhor Touchdown pros americanos!

Publicidade

As 10 marcas cujos influenciadores no Instagram mais têm seguidores falsos

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

01 de Maio de 2018

No instagram, já é praxe grandes marcas pagarem para influenciadores divulgarem os seus produtos e serviços. Mas quantos seguidores desses “influencers” seriam verdadeiros (assim, consumidores reais sendo “influenciados”) e quantos seriam, na verdade, contas falsas?

 Um novo estudo americano da Points North Group traz essa resposta.

Divulgado pela revista AdAge, a pesquisa traz a lista das marcas cujos influenciadores contratados por elas mais têm perfis fake entre seus seguidores. As porcentagens, entre alguns marcas, são altas.

Isso mostra como o departamento de marketing de muitas empresas pode estar contratando um influenciador por achar que ele possui um alcance alto, quando, na verdade, este pode ser bem baixo.

O índice elevado de seguidores falsos nos perfis dos supostos influenciadores também mostra como a contagem do “nível de influência” (quantos seguidores a pessoa tem) e o cálculo de seu pagamento pode ser uma furada: quantos ali o post realmente alcança e quantos ali são fake ou têm um perfil inativo, as marcas costumam não saber.

Segundo a Point North Group, a média de preço de um seguidor por post é de 0,3 centavos de dólar entre marcas no Instagram.

Confira o top 10 de marcas cujos influenciadores têm seguidores falsos:

Posição Marca % de seguidores falsos
1 Ritz-Carlton 78
2 Aquaphor 52
3 L’Occitane 39
4 Pampers 32
5 DSW 29
6 Crocs 25
7 Lulus 22
8 Neiman Marcus 22
9 Magnum Ice Cream 20
10 Olay 19

O relatório também trouxe a lista das marcas que mais gastam com posts de influenciadores no Instagram e aquelas que estão se dando bem: as mais eficientes na relação gastos com influenciadores/retorno real.

Confira a lista dos que mais gastam:

Posição Marca Gasto (em dólares)
1 Flatty Tummy Co. 1.560.178
2 Amazon 646.212
3 Mercedes-Benz 515.697
4 Land O’Lakes 455.586
5 Stella Artois 423.175
6 Walmart 329.957
7 Waist Gang Society 317.783
8 SugarBear Hair 316.182
9 Freeform 304.357
10 Calvin Klein 250.763

Confira a lista das marcas mais eficientes. CPM é a sigla em inglês para “custo por mil impressões”, ou seja, quanto custa cada grupo de mil alcances reais de usuários/consumidores.

Posição Marca C.P.M. (em dólares)
1 Heinz Ketchup 1,78
2 Ulta Beauty 2,02
3 Hidden Valley 2,11
4 Suspicious Antwerp 2,13
5 Marc Jacobs Beauty 2,56
6 Chloé 2,97
7 Vicks 3,09
8 Call of Duty 3,12
9 Justice 3,16
10 BioClarity 3,19
Publicidade

McDonald’s apresenta seus oito sanduíches da Copa do Mundo 2018

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

15 de Abril de 2018

O MCDONALDS divulgou, ontem (11), os seus sanduíches especiais para a Copa do Mundo.

A marca, tradicionalmente, lança novos lanches especiais, um para cada país e para cada dia da semana, trazendo ingredientes marcantes de cada culinária. É a quinta vez que o McDonald’s Brasil investe na ação.

Dessa vez, contudo, são oito lanches. Sete para cada dia da semana e o McBrasil, que poderá ser comprado em qualquer dia.

Outra novidade desse ano são as McFritas ou Batatas Rústicas personalizadas para cada país.

Chama a atenção a presença do McItália, já que a seleção, tragicamente, não se classificou para a Copa.

Uma ausência curiosa é um imaginado McRússia, o país anfitrião do evento. Seria interessante ver o lanche do país que receberá as seleções.

A explicação para tal escalação é simples: o McDonald’s decidiu que esse ano a marca homenagearia as oito seleções que já foram campeãs: Brasil, Alemanha, Espanha, Uruguai, Argentina, Inglaterra, Itália e França.

Os lanches estarão à venda a partir de 24 de abril.

O preço do combo (lanche, frita e refrigerante) deverá sair por 29,90 reais.

Confira, a seguir, cada lançamento:

McItália – Domingo

Composto por queijo muçarela, polpetone, tomate, pepperoni e melt de muçarela com tomate seco no pão de brioche. McFritas tradicionais com molho de muçarela com tomate seco e bacon picado.

McItália: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McItália: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McItália: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McFrança – Segunda-feira

Composto por cogumelos caramelizados, dois hambúrgueres, queijo emental, mix de folhas, cebola crispy e Melt Brie no pão com gergelim. Batatas Rústicas com molho Melt Brie e bacon picado.

McFrança: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McFrança: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McFrança: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McEspanha – Terça-feira

Composto por queijo muçarela, dois hambúrgueres, mix de folhas, tomate, copa fatiada e maionese de oliva no pão de brioche. Batatas rústicas com molho de maionese de oliva e bacon picado.

McEspanha: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McEspanha: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McEspanha: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McAlemanha – Quarta-feira

Composto por cebola caramelizada, 2 fatias de queijo emental entre dois hambúrgueres, bacon, tomate e mostarda rústica no pão com gergelim. Batatas rústicas com molho de maionese e bacon picado.

McAlemanha: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McAlemanha: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McAlemanha: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McUruguai – Quinta-feira

Composto por 2 fatias de queijo emental entre 2 hambúrgueres, copa fatiada, cebola crispy e maionese chimichurri no pão de brioche. McFritas tradicionais com molho de maionese chimichurri e bacon picado.

McUruguai: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McUruguai: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McUruguai: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McInglaterra – Sexta-feira

Composto por 2 fatias de queijo emental entre 2 hambúrgueres, picles, fatias de bacon, cebola crispy e molho barbecue no pão com gergelim. McFritas tradicionais com molho cheddar e bacon picado.

McInglaterra: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McInglaterra: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McInglaterra: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McArgentina – Sábado

Composto por 2 fatias de queijo cheddar entre 2 hambúrgueres, bacon, tomate, alface crespa e maionese chimichurri no pão de brioche. Batatas rústicas com molho de maionese verde e bacon picado.

McArgentina: sanduíches do McDonald's para a Copa do Mundo 2018 McArgentina: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018

McArgentina: sanduíches do McDonald’s para a Copa do Mundo 2018 (McDonald’s/Divulgação)

McBrasil – Todos os dias

Composto por dois hambúrgueres, queijo típico brasileiro, mix de folhas, bacon e maionese verde no pão de brioche. McFritas ou Batatas Rústicas especiais do dia.

O McDonald’s ainda não divulgou a imagem do McBrasil.

Publicidade

Inteligência artificial cria rosto do corrupto no Brasil

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

18 de Março de 2018

E se todo o dinheiro desviado pela corrupção no Brasil fosse desviado por uma única pessoa? E se todo esse dinheiro fosse parar em um único bolso?

 Bem, primeiramente essa pessoa teria R$ 200 bilhões, o que faria dela a quinta pessoa mais rica do mundo, figurando no topo da lista anual da Forbes dos mais ricos.

Em segundo lugar, ele seria um homem de meia idade e branco.

Uma campanha para a Forbes, criada pela Ogilvy Brasil e pela empresa de tecnologia Nexo, deu nome fictício e rosto a esse corrupto-mor: Sr. Ric Brasil.

Com a ideia de alertar os brasileiros para o problema da corrupção (não que o povo brasileiro precise de mais alerta sobre isso, mas enfim…) e, também, para se posicionar contra diante do problema, a Forbes se valeu da inteligência artificial o do conceito de “machine learning” para criar esse personagem. 

A máquina deu a ele características físicas a partir da análise de 150 fotos de corruptos conhecidos do público e condenados, chegando a uma média de idade e de cor de pele, cabelo e olho, por exemplo.

Para moldar a personalidade, a máquina fez o cruzamento de milhares de dados vindos de notícias de jornal, depoimentos, entrevistas e obras literárias em torno de condenados e de investigações, como a Lava Jato.

Em fase de finalização, a Ogilvy promete que a imprensa poderá entrevistar, até o final de março, o Sr. Ric Brasil.

“Pensamos nessa campanha como uma forma de valorizar o empresário sério, aquele que cumpre seriamente com os seus deveres, que paga impostos e não precisa usufruir de dinheiro público para construir fortunas. Que não se deixa seduzir pela corrupção”, disse Antonio Camarotti, CEO da revista Forbes Brasil.

Desde o ano passado, ao publicar a lista dos mais ricos do Brasil, a revista faz um alerta ao lado do nome caso aquela pessoa esteja sendo investigada.

leia tudo sobre

Publicidade

Magazine Luiza vende colheres para você meter em brigas por aí

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

11 de Março de 2018

Sabe aquele velho ditado (machista)? “Em briga de marido e mulher, não se mete a colher”? Pois a Magazine Luiza resolveu meter a colher.

Em campanha no Dia Internacional da Mulher, a marca coloca a partir de hoje (8), em suas 860 lojas e no e-commerce, colheres à venda.

Não qualquer lugar. Elas vêm com a inscrição “Em briga de marido e mulher, tem que meter a colher, sim. Ligue 180 e denuncie”.

O custo será de R$ 1,80. Todo o dinheiro das vendas será revertido para o Instituto Patrícia Galvão e para a rede colaborativa Mete a Colher, ambas trabalhando em torno da luta contra a violência doméstica e a violência contra mulheres.

A criação é da agência David.

Dentro da empresa, a marca já criara um sistema para ajudar mulheres que tinham passado por alguma situação de violência. As funcionárias têm acesso ao Canal da Mulher, um sistema de denúncias interno. Luiza Trajano tem acesso direto ao sistema e monitora as denúncias que chegam.

Publicidade

Nike e LeBron James lançam filme poderoso sobre igualdade e união

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

21 de Janeiro de 2018

“Até que todos nós ganhemos”. Assim a Nike define “igualdade”.

Em sua nova campanha, “Equality”, a marca volta a defender o poder do esporte para unir as pessoas e criar mais oportunidades e igualdade.

Com narração do astro do basquete LeBron James, o filme mostra como, não importando raça, sexo ou nacionalidade, o esporte permite união e sonhos.

Neymar dá as caras brevemente no vídeo, assim como outros atletas de peso: Roger Federer, Rafael Nadal, Serena Williams e Megan Rapinoe, entre outros.

Dentro da campanha “Equality”, a marca promove parcerias e patrocínios a organizações como Mentor e PeacePlayers International, que trabalham com comunidades e projetos focados na igualdade.

Em 2017, por exemplo, a marca doou US$5 milhões a projetos do tipo.

Nos últimos anos, a Nike tem focado em campanhas que falam muito sobre igualdade, oportunidades, racismo e equidade de gênero.

Citando alguns exemplos: uma campanha sobremulheres atletas na India; um vídeo sobre superação e adversidade Michale Jordan; uma campanha em Xangai sobre liberdade.

A empresa também não fica no muro diante de assuntos políticos. O CEO da Nike não deixou de mostrar sua total desaprovação diante do plano do presidente americano Donald Trump de banir diversas nacionalidades no país e de deportar em massa milhares de imigrantes.

Assista:

leia tudo sobre

Publicidade

Novo filme do Burger King aposta em humor e beatbox

Por rodrigogoyanna em Marketing

10 de Janeiro de 2018

Comer por uma banda inteira: essa é a desculpa de uma jovem beatboxer para comer em dobro os lanches da promoção 2×15 do BK.

Ao fazer diferentes sons de percussão com a boca, a garota do filme Beatbox, criado pela David dedica um sanduíche para seu “lado batera” e outro para seu “lado DJ” – e come os dois sozinha.

Esse é o mote criativo que norteia a campanha da promoção da rede BK, o King em Dobro. Com lançamento em 3 de janeiro na TV e nas redes sociais, o filme brinca com a ideia de que inventamos qualquer desculpa para fazer o que gostamos muito, especialmente comer nossos lanches preferidos.

Este conteúdo foi originalmente publicado no site da AdNews.

leia tudo sobre

Publicidade

Metas dos brasileiros em 2018: aumentar a renda e relaxar mais

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

01 de Janeiro de 2018

Ganhar mais, gastar menos e relaxar. Essas serão as três maiores preocupações dos brasileiros em 2018.

Uma nova pesquisa da Kantar TNS descobriu as maiores preocupações e desejos para o novo ano que se aproxima.

Os consumidores brasileiros estão atentos à saúde e também ao bolso.

Para 74% dos consumidores, aumentar a renda será o objetivo principal de 2018. Porcentagem maior que nos últimos anos.

Quando o assunto é saúde e bem-estar, o foco principal é relaxar mais, para 48% dos entrevistados. Outra preocupação que só cresceu desde 2015.

Confira os resultados:

Dinheiro

Maiores preocupações:

  • Aumentar a renda: 74%
  • Poupar dinheiro: 67%
  • Comprar ou trocar de carro: 45%
  • Comprar ou trocar de casa: 44%

Saúde

Maiores preocupações:

  • Relaxar: 48%  
  • Se exercitar: 39%
  • Levar uma dieta balanceada: 35%
  • Parar de fumar: 10%

Felicidade

Maiores preocupações:

  • Procurar novo trabalho ou melhorar as condições atuais: 48%
  • Buscar um novo relacionamento: 19%

A pesquisa foi realizada com 866 pessoas entre 15 e 59 anos, das regiões Sudeste, Sul, Nordeste e Centro do Brasil, nos dias 5 a 18 de dezembro de 2017.

leia tudo sobre

Publicidade

Burger King lança comercial natalino e, novamente, provoca McDonald s com presente

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

26 de dezembro de 2017

A Burger King deu um “presente de grego” a McDonald’s neste Natal. A ação, realizada na África do Sul, enviou uma churrasqueira “com chamas reais” para uma unidade da McDonald’s. Implicitamente (ou nem tanto), a BK diz que os hambúrgueres da concorrente não são feitos no fogo e nem grelhados como os do “rei”. A agência alemã Grabarz & Partner assinou a campanha “The Gift Of Fire”.

Publicidade

Metade dos brasileiros já vê mais vídeos online que TV

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

20 de novembro de 2017

Mais da metade dos brasileiros já passa mais tempo assistindo a vídeos online que assistindo à TV. 56% dos brasileiros com acesso à internet e TV preferem a web em 2017.

A descoberta é de uma nova pesquisa do Instituto Provokers, feita em parceria com o Google Brasil e Youtube.O estudo foi feito com 1500 brasileiros, entre 14 e 55 anos, das classes A, B e C. A amostragem de entrevistados representa 123 milhões de pessoas.

Em três anos, o consumo de vídeos online saltou 90,1%, enquanto o consumo de TV se manteve praticamente estável. 

Já o smartphone se consolidou como principal meio para consumir esses vídeos online: é usado por 83% das pessoas e é preferência de 57% delas.

Além disso, pouca gente se desconecta quando está na frente da TV: 87% continua online enquanto assiste a algo na TV.

Confira os principais resultados da pesquisa:

Quem assiste

86% assistem a vídeos na internet – desses, 99% usam o YouTube

14% não assistem a vídeos na internet

Crescimento: em 2014, apenas 67% assistiam a vídeos online

Em 2014

– Média de 21,9 horas por semana assistindo à televisão

– Média de 8,1 horas por semana assistindo a vídeos na internet

Em 2017

– Média de 22,6 horas por semana assistindo à televisão

– Média de 15,4 horas por semana assistindo a vídeos na internet

Ou seja: o consumo de vídeos online cresceu em ritmo maior que o crescimento de consumo na TV

90,1%: foi o que cresceu o consumo de vídeos na web entre 2014 e 2017.

Mais internet

56% dos brasileiros com acesso a TV e internet já veem mais vídeos online: estes costumam passar, em média, 11,9 horas por semana vendo TV e 13,4 horas por semana vendo vídeos online.

Motivos

E por que ver vídeos online?

– 83% porque busca conteúdo que não está na TV

– 43% porque quer ver um conteúdo que passou na TV, mas não conseguiu ver

– 19% para saber mais sobre um conteúdo que viu, primeiro, na TV

Os preferidos

As plataformas prediletas para assistir a conteúdo online:

– 42% prefere YouTube

– 20% prefere WhatsApp

– 15% prefere Netflix

– 8% prefere Facebook

– 7% prefere TV paga

Publicidade

Metade dos brasileiros já vê mais vídeos online que TV

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

20 de novembro de 2017

Mais da metade dos brasileiros já passa mais tempo assistindo a vídeos online que assistindo à TV. 56% dos brasileiros com acesso à internet e TV preferem a web em 2017.

A descoberta é de uma nova pesquisa do Instituto Provokers, feita em parceria com o Google Brasil e Youtube.O estudo foi feito com 1500 brasileiros, entre 14 e 55 anos, das classes A, B e C. A amostragem de entrevistados representa 123 milhões de pessoas.

Em três anos, o consumo de vídeos online saltou 90,1%, enquanto o consumo de TV se manteve praticamente estável. 

Já o smartphone se consolidou como principal meio para consumir esses vídeos online: é usado por 83% das pessoas e é preferência de 57% delas.

Além disso, pouca gente se desconecta quando está na frente da TV: 87% continua online enquanto assiste a algo na TV.

Confira os principais resultados da pesquisa:

Quem assiste

86% assistem a vídeos na internet – desses, 99% usam o YouTube

14% não assistem a vídeos na internet

Crescimento: em 2014, apenas 67% assistiam a vídeos online

Em 2014

– Média de 21,9 horas por semana assistindo à televisão

– Média de 8,1 horas por semana assistindo a vídeos na internet

Em 2017

– Média de 22,6 horas por semana assistindo à televisão

– Média de 15,4 horas por semana assistindo a vídeos na internet

Ou seja: o consumo de vídeos online cresceu em ritmo maior que o crescimento de consumo na TV

90,1%: foi o que cresceu o consumo de vídeos na web entre 2014 e 2017.

Mais internet

56% dos brasileiros com acesso a TV e internet já veem mais vídeos online: estes costumam passar, em média, 11,9 horas por semana vendo TV e 13,4 horas por semana vendo vídeos online.

Motivos

E por que ver vídeos online?

– 83% porque busca conteúdo que não está na TV

– 43% porque quer ver um conteúdo que passou na TV, mas não conseguiu ver

– 19% para saber mais sobre um conteúdo que viu, primeiro, na TV

Os preferidos

As plataformas prediletas para assistir a conteúdo online:

– 42% prefere YouTube

– 20% prefere WhatsApp

– 15% prefere Netflix

– 8% prefere Facebook

– 7% prefere TV paga