Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

engajamento

Esta é a menor propaganda “de rua” do mundo (só dá para ver de binóculos)

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

08 de Maio de 2019

No último sábado, mais de 100 mil espectadores se reuniram no hipódromo de Churchill Downs para assistir – e apostar – na competição Kentucky Derby, maior corrida de cavalos dos Estados Unidos e uma das mais tradicionais do mundo. 

A ocasião grandiosa pareceu o local ideal para o grupo financeiro MassMutual instalar anuncios que de tão pequenos só poderiam ser vistos com ajuda de binóculos, um artigo onipresente no evento do qual os participantes lançam mão para acompanhar de perto o turfe.

Uma série de 20 miniaturas representando cenas cotidianas foram criadas pela agencia de publicidade nova-iorquina Johannes Leonardo e espalhadas em torno das principais áreas do terreno, como vigas dos telhados e campo interno.

Os minúsculos dioramas, com pessoas fazendo churrasco e passeando o cachorro, exibem cartazes com mensagens do tipo: “Observe mais de perto suas finanças para ver o quadro geral”.

Batizada de “Pequenos Atos”, a campanha traz a mensagem de que pequenos atos podem fazer uma grande diferença no futuro financeiro.

Em entrevista ao site Adweek, Jennifer Halloron, chefe de marca e publicidade da MassMutual explicou que a campanha também queria “surpreender e encantar” os adeptos do turfe e ao mesmo tempo homenagear a história do evento.

O MassMutual celebra seu segundo ano como parceiro do Kentucky Derby.

Letras miúdas no microscópio

Já que estamos falando de miudezas, em 2018, a fabricante holandesa de equipamentos para semicondutores, ASML, entrou para o Guinness World Records (o livro dos recordes) com o menor anúncio do mundo.

Invisível a olho nu, o anúncio publicitário tem 33,272 micrômetros (µm) de comprimento por 7,76 μm de largura. Detalhe: um micrômetro equivale a um milésimo de milímetro. Ele seria facilmente coberto por um único fio de cabelo humano, que tem cerca de 75 micrômetros de largura.

O anúncio foi criado em uma das máquinas de litografia da ASML, que são usadas para criar microchips em escala nanométrica, o que, por sua vez, permite que dispositivos eletrônicos se tornem mais baratos, mais rápidos e mais poderosos.

Ele foi gravado e impresso com luz ultravioleta em uma placa de silício de 300 mm e  continha o texto “Para ser realmente pequeno, você tem que pensar grande #Smallest_AD ASML”.

 

Publicidade

AMBEV TRAZ CHOPP STELLA ARTOIS A FORTALEZA

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

26 de Abril de 2019

A cerveja Stella Artois tem uma novidade para os cearenses: a chegada do Chopp Stella Artois. O lançamento acontece no dia 29 de abril, no Boteco Praia, e a previsão é de que chegue a outros pontos de venda da capital cearense ao longo de 2019.   

Stella Artois é uma cerveja que carrega uma história de mais de 600 anos. É levemente amarga e traz em sua fórmula lúpulo especial vindo da República Tcheca e uma levedura exclusiva vinda da Bélgica, que só existe em sua fórmula.

O Chopp Stella Artois requer Ritual para ser servido com perfeição: um banho de água fria para esfriar o cálice e manter o colarinho do chope. As primeiras gotas são sacrificadas; um pequeno preço para garantir o sabor mais fresco. O cálice é inclinado a 45 graus para obter a combinação perfeita entre espuma e líquido. Nesse momento, o colarinho perfeito é formado, prendendo o frescor.

“Stella Artois sabe como tornar cada momento com quem gostamos em uma ocasião ainda mais especial por meio de um líquido de alta qualidade com mais de 600 anos de tradição cervejeira”, afirma Lucas de Oliveira, gerente de marketing de Stella Artois.

Publicidade

Adidas lança tênis do futuro feito de um único material e 100% reciclável

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing, Vida

25 de Abril de 2019

Fãs de corrida sabem muito bem como é fácil se apegar a um tenis que aguenta o “tranco” dos exercícios, e como é triste ter que se desfazer dele depois de tantos usos. Mas e se fosse possível transformá-lo em outro par novinho reaproveitando todo seu material?

Essa é proposta de uma nova linha de tênis de performance da Adidas que é 100% reciclável: o Futurecraft Loop, definido pela fabricante de artigos esportivos como o “primeiro tênis para corrida feito para ser refeito”.

Apresentado nesta semana nos Estados Unidos a um grupo seleto de jornalistas e esportistas, o tênis traz apenas um material em sua composição — um novo tipo de poliuretano termoplástico, que o reveste por inteiro, da língua e cordões à entressola. 

Essa característica facilita a reciclagem do tênis, já que não é preciso separar os componentes do produto por materiais diferentes. Quando estiverem velhos, os tênis poderão ser devolvidos à Adidas. E aí começa a mágica: ao fim de sua vida útil, os calçados serão lavados, moídos em grânulos e dissolvidos em materiais para gerar um novo par.

Para isso, a fabricante precisou desenvolver um processo de criação loop, ou seja, de ciclo de vida fechado, em que as matérias-primas podem ser reutilizadas várias vezes.  Mas, por se tratar de uma senhora inovação na indústria, ainda há muito espaço para atingir o reaproveitamento integral dos materiais.

Embora o tênis seja totalmente reciclável, o material reciclado só pode constituir 10% da próxima geração de sapato para manter seu nível de desempenho no uso. A Adidas espera melhorar esse índice nos próximos anos, para finalmente alcançar o ideal de circularidade do produto, aproveitando todo material do item antigo.

“O que acontece com seus sapatos depois de usá-los? Você os joga fora, exceto que não existe o ‘fora’. Existem apenas aterros e incineradores e, finalmente, uma atmosfera sufocada com excesso de carbono, ou oceanos cheios de lixo plástico”, declarou Eric Liedtke, membro do Conselho Executivo da Adidas.

“O próximo passo é acabar com o conceito de desperdício inteiramente. Nosso sonho é que você possa continuar usando os mesmos sapatos repetidas vezes”, garantiu o executivo em comunicado da marca.

A investida integra o plano de sustentabilidade da empresa de artigos esportivos para reduzir a geração de resíduos de seu processo produtivo, especialmente plástico.

Desde 2015, a marca trabalha em parceria com o programa Parley for the Oceansna produção de calçados feitos com fios e filamentos recuperados e reciclados de lixo plástico marinho e redes de pesca ilegais encontrados nos oceanos. Em 2019, a Adidas produzirá 11 milhões de pares de calçados dentro desse projeto.

Apenas 200 unidades do Futurecraft Loop foram lançadas como parte de um programa piloto. Elas serão testadas por pessoas selecionadas pela marca ao longo dos próximos meses.

Uma segunda geração do modelo deverá ser lançada em 2021, dessa vez para o público geral. Será o início de uma nova forma de comprar e vender o mesmo tênis, de novo, e de novo….e de novo? A conferir.

Publicidade

Clientes do Shopping Iguatemi Fortaleza ganharão sorvete de graça no dia 9 de abril

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

09 de Abril de 2019

Os amantes do sorvete têm encontro marcado no próximo dia 9 de abril (terça-feira), no Shopping Iguatemi. Na ocasião, a Ben & Jerry’s realiza o Free Cone Day, ação que distribuirá sorvete gratuitamente, de 12h às 20h. A ação é realizada pela marca na mesma data em todo o mundo.

Para garantir a participação, basta entrar na fila para pegar o sorvete, mas atenção: só se pode pegar uma bola por vez. Se desejarem, as pessoas podem voltar para a fila. A distribuição de sorvetes será feita até as 20h. A fila pode ser encerrada antes do fim do evento (20h) caso a previsão de atendimento ultrapasse esse horário. O Free Cone Day foi criado pela Ben & Jerry’s em 1979. Todo ano a marca reserva um dia para retribuir o apoio dos clientes e distribuir seu sorvete gratuitamente durante o dia inteiro.

leia tudo sobre

Publicidade

Por rodrigogoyanna em Marketing, Vida

21 de Março de 2019

Três notícias recentes envolvendo as questões “oceanos” e “plásticos” chamaram a atenção para um problema assustador. Primeiro, um estudo divulgado durante o Fórum Econômico Mundial em Davos desse ano previu que, em 2050, o oceano terá mais plástico que peixes. E que 99% das aves que consomem animais marinhos também terão plástico em seus estômagos.

Depois, um artigo publicado na revista Royal Society Open Science mostrou resultados de uma pesquisa que encontrou resíduos plásticos em pontos extremamente profundos do oceano, mostrando que a contaminação se alastrou completamente pelo ecossistema, não ficando restrita às baías e superfícies. Os cientistas encontraram plásticos em “pulgas do mar”, que vivem a milhares de metros abaixo da superfície. Esses pequenos organismos são ingeridos por predadores maiores, gerando uma contaminação em toda a cadeia alimentar.

Finalmente, nessa semana,  uma baleia morta encalhada numa praia nas Filipinas foi examinada postumamente por pesquisadores de uma ONG. Eles encontraram cerca  de 40 quilos de plástico em seu estomago. Entre o lixo, 16 sacos de arroz. Não dá para saber se essa foi exatamente a causa da morte, mas certamente tamanha contaminação em seu estômago não fazia bem.

Esses três fatos preocupantes remetem à mais nova campanha da entidade sea Sheperd, ONG focada na conservação da vida marinha. As peças divulgadas pela organização chocam para atrair a atenção para o problema do lixo plástico nos oceanos. As imagens mostram animais marinhos sufocando com uma simples sacola de supermercado, em desespero e agonia.

O texto dos cartazes diz “O plástico que você usa uma vez tortura os oceanos para sempre”. Fato. Se uma sacola plástica jogada indevidamente no mar foi usada apenas por alguns minutos por um consumidor, ela ficará pelo menos uma centena de anos “viva” nas águas, prejudicando muitas espécies marinhas. Tartarugas marinhas, por exemplo, muitas vezes confundem as sacolas com águas-vivas, essas sim seus alimentos naturais. O engano é fatal.

A campanha foi criada pelas agências Tribal Worldwide São Paulo e pela DDB da Guatemala.

Veja as imagens da campanha:

Campanha da entidade Sea Shepherd: alerta para problema do lixo no oceano (Sea Shepherd/Divulgação)

leia tudo sobre

Publicidade

Comercial da Apple faz “inundação de cores” para promover iPhone Xr

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

03 de Janeiro de 2019

Dezenas de pessoas correndo pelas ruas com roupas multicoloridas, simulando uma enchente de amarelos, azuis, vermelhos e roxos, com direito a movimentos e saltos audaciosos de parkour.

Esse é o cenário do novo comercial da Apple chamado “Color Flood” (inundação de cor) para promover o iPhone XR, novo modelo mais barato de smartphone da marca, lançado no final de 2018.

À medida que se movimentam pela cidade, mais e mais corredores coloridos se juntam ao grupo. Quando se aproxima do fim, o vídeo mostra a praça da cidade se enchendo de um arco-íris de corredores, criando fluxos de cores em várias direções, ao som da música “Come Along”, de Cosmo Sheldrake.

O anúncio termina com o slogan “Dê espaço para a cor” mostrando o mar de pessoas e depois uma tela do iPhone XR, que possui um display de retina líquida de 6,1 polegadas. Confira:

Publicidade

O que você busca em 2019?

Por rodrigogoyanna em Marketing

01 de Janeiro de 2019

leia tudo sobre

Publicidade

Storytelling – Que história é essa?

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

18 de dezembro de 2018

Contar uma história que atinja o emocional do seu publico e o conecte com sua proposta de valor, para humanizar a relação entre empresa e cliente. Uma excelente estratégia para uma empresa criar uma reputação que repercuta positivamente sua imagem organizacional para com o mercado, ao se conectar com quem se identifica com a narrativa.

Porque o ser humano, leia consumidor, tende a se posicionar como tribos comportamentais, em criar vinculo emocionas àquele clã que pensa semelhante. Não à toa a programação neuroliguistica vê no rapport, ou espelhamento, uma excelente estratégia de negociação.

Quando a sua marca tem uma narrativa interessante e apresenta o seu produto de maneira sutil, o seu potencial cliente fica mais próximo do seu negócio, criando uma relação benéfica entre o consumidor e a empresa.

O estreitamento da relação entre as duas partes envolvidas no processo gera o engajamento necessário para alavancar vendas de uma maneira indireta, subjetiva e muito mais emocional, porque mais do quem uma troca comercial, você conquista seu consumidor e o encanta através de uma narrativa, que desde que ela foi contada, agora os une através da identificação para com a mensagem entregue.

No vídeo acima, o Chipotle, fast food de comida mexicana fresca, reforça através de uma historinha, que apesar da competitividade e do crescimento da empresa,  a preocupação em manter sua essência é fator determinante em cada etapa do processo produtivo, ao ofertar pro mercado, uma comida bem mais saudável que fast foods convencionais.

Publicidade

Se um nódulo surgisse nos seios mais tocados do mundo, alguém notaria?

Por rodrigogoyanna em Marketing

04 de novembro de 2018

No mês de outubro se comemora o Outubro Rosa, um movimento mundial que visa estimular a luta contra o Cancer de mama e seu diagnóstico precoce. Por conta disso, várias marcas e instituições globais lançam campanhas para conscientizar o público. Mas uma em especial está dando o que falar pela irreverência.

A Fundação Marie Keating, na Irlanda, resolveu colocar um “nódulo” nos seios da estátua de Molly Malone na cidade de Dublin, que é a personagem de uma famosa canção irlandesa de mesmo nome. Na história, Mollye é uma comerciante que vende peixes e frutos do mar pelas ruas da  cidade.

Reza a lenda que tocar os seios da estátua de bronze traz sorte, o que faz de Molly uma baita atração turística local. Atenta à fama da estátua, a Fundação Marie Keating e a agência Rothco lançaram a campanha “Take Notice” (“Preste atenção”, em português) para responder à pergunta: “E se um nódulo surgisse nos seios mais tocados do mundo, alguém notaria?”.

Durante um dia de filmagens, a equipe de produção acompanhou a interação de centenas de turistas com a estátua para ver se alguém repararia no caroço (uma massinha anexada no seio esquerdo e pintada de bronze). Ninguém reparou.

A brincadeira na verdade é um convite à reflexão sobre uma doença que muitas vezes passa despercebida para as mulheres, por falta de uma prática simples: o ato de apalpar as mamas para identificar precocemente o desenvolvimento de um câncer.

 

Publicidade

Petrobras apresenta HAMLET, um espetáculo da Armazém Companhia de Teatro.

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

24 de agosto de 2018

Acostumada a processos que resultam na criação de uma dramaturgia própria (vide Inveja dos Anjos e A Marca da Água – que levaram o Prêmio Shell de Melhor Autor em 2008 e 2012, além de O Dia em que Sam Morreu – Prêmio Cesgranrio de Melhor Texto em 2014), a Armazém Companhia de Teatro se volta agora para um outro tipo de processo, onde o que mais interessa é o seu posicionamento sobre a narrativa. Partindo da obra fundamental de Shakespeare, a ideia geral da companhia é encontrar um Hamlet do nosso tempo. Um Hamlet cheio de som e fúria. Não numa atualidade forçada, mas ressaltando aspectos da obra que dialogam com esse coquetel de conflitos contemporâneos que vemos todos os dias jorrando nas grandes cidades do mundo.

Patrocinada pela Petrobras desde 2000, a companhia completou 30 anos de existência no final de 2017, travando um complexo diálogo criativo com um dos melhores materiais dramatúrgicos da história. Hamlet é o príncipe da Dinamarca. Apenas um mês separa a morte repentina e inexplicável de seu pai  e o novo casamento de sua mãe. O príncipe tem visões de seu pai, que afirma que foi envenenado pelo irmão, e exige que Hamlet se vingue e mate o novo Rei (seu tio e padrasto). Hamlet se finge de louco para esconder seus planos, e vai perdendo o controle sobre sua própria realidade no meio deste processo. Ou seja, a invenção teatral do século XVI de um príncipe que fingia loucura e o espírito inflamado do nosso século entraram inevitavelmente em colisão. Já não há mais fingimento. A loucura de Hamlet tornou-se a loucura do mundo.

A história de Hamlet é a história da destruição de uma ordem estabelecida. Shakespeare representa a corte real dinamarquesa mergulhada em corrupção. Assassinato, traição, manipulação e sexualidade são as armas usadas na guerra para preservar o poder. No centro dessa história está Hamlet, um homem desesperadamente preocupado com a natureza da verdade, um homem notável que quer ser mais verdadeiro do que, provavelmente, é possível ser. E que exige do resto do mundo que sejam todos verdadeiros com ele. Mas é possível conhecer a si mesmo integralmente? É possível conhecer integralmente as pessoas a seu redor? Hamlet se fragmenta, nossa época o faz assim, um sujeito destrutivo, atormentado e letal.

O diretor Paulo de Moraes acredita que “é importante tratar Shakespeare como se ele fosse um genial dramaturgo recém-descoberto com algumas coisas urgentes a dizer sobre a guerra, sobre a loucura do mundo e sobre nossos líderes políticos modernos.” No Hamlet da Armazém Companhia de Teatro, sete atores dão vida aos personagens de Shakespeare (Patrícia Selonk, Ricardo Martins, Marcos Martins, Lisa Eiras, Jopa Moraes, Isabel Pacheco e Luiz Felipe Leprevost). A tradução ficou a cargo de Maurício Arruda Mendonça, parceiro habitual de Moraes em muitas dramaturgias montadas pela companhia. “Maurício conseguiu uma poesia sem pompa, que comunica sem perder a beleza. E é grande mérito dos atores que essa poesia chegue rasgando, ela é língua, ela é corpo, ela é carne”, comenta Paulo de Moraes.

Hamlet recebeu o Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria de Melhor Iluminação, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Cenografia, Iluminação, Figurino e Categoria Especial (pela Trilha Sonora Original). Também recebeu o Prêmio Shell 2017 de Melhor Cenário, além de indicações para Melhor Direção e Melhor Iluminação. No Prêmio APTR, o espetáculo recebeu os prêmios de Melhor Atriz Coadjuvante (Lisa Eiras) e Melhor Cenário, além de indicações nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Atriz, Iluminação e Figurino. Hamlet também recebeu o Prêmio Cenym 2017 de Melhor Atriz (Patrícia Selonk) e Melhor Companhia de Teatro.

Sobre a Armazém Companhia de Teatro

Em 2018, a Armazém Companhia de Teatro segue apresentando sua versão de HAMLET em turnê nacional, passando por Fortaleza, Salvador, Recife, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Aracajú e Natal. Com mais de 30 prêmios nacionais no currículo, a companhia também foi premiada duas vezes no Festival Fringe de Edimburgo (na Escócia), com o prestigiado Fringe First Award (2013 e 2014) e no Festival Off de Avignon (na França), com o Coup de Couer de la Presse d’Avignon (2014).

A Armazém Companhia de Teatro foi formada em 1987, em Londrina, em meio à efervescência cultural vivida pela cidade paranaense na década de 80 – de onde saíram nomes importantes no teatro, na música e na poesia. Liderados pelo diretor Paulo de Moraes, o senso de ousadia daqueles jovens buscando seu lugar no palco impregnaria para sempre os passos do grupo: a necessidade de selar um jogo com o seu espectador, a imersão num mundo paralelo, recriado sobretudo pela ação do corpo, da palavra, do tempo e do espaço.

Com sede no Rio de Janeiro desde 1998, a companhia acaba de completar 30 anos de formação. Graças ao patrocínio continuado da Petrobras, a companhia tem conseguido levar seu trabalho aos públicos mais variados, tanto do Brasil quanto do exterior. Sempre baseando seus espetáculos em pesquisas temáticas (com a criação de uma dramaturgia própria com ênfase nas relações do tempo narrativo) e formais (que se refletem na utilização do espaço, na construção da cenografia, ou nas técnicas utilizadas pelos atores para conviver com o risco de encenar em cima de um telhado, atravessando uma fina trave de madeira ou imersos na água), a questão determinante para a companhia segue sendo a arte do ator. Busca-se para o ator uma dinâmica de corpo, voz e pensamento que dê conta das múltiplas questões que seus espetáculos propõem. E a encenação caminha no mesmo sentido, já que é o corpo total do ator que a determina.

Apesar da construção de espetáculos tão díspares e complementares como A Ratoeira é o Gato (1993), Alice Através do Espelho (1999), Toda Nudez Será Castigada (2005) e O Dia em que Sam Morreu (2014), a Armazém Companhia de Teatro segue sua trajetória sempre investindo numa linguagem fragmentada, que ordene o movimento do mundo a partir de uma lógica interna. Essa lógica interna é a voz da Armazém, talvez a grande protagonista do mundo representacional da companhia.

 

 

O que disse a crítica

“A direção de Paulo de Moraes é de um artesanato criterioso. O primeiro ato reúne as características formais ampliadas numa sucessão de recursos surpreendentes. No segundo, o desenvolvimento da trama ganha o ritmo de um voo rasante. A cenografia de Carla Berri e Paulo de Moraes confere à caixa cênica a imponência de estrutura envidraçada, que se movimenta como anteparo de vilanias e abrigo de duelos. A iluminação de Maneco Quinderé define a coloração dramática de assassinatos e a luminosidade da maquinaria do palco com a autoridade de sua assinatura. O elenco está igualmente alinhado com a proposta vibrante do encenador.”

Macksen Luiz – crítico (em jornal O Globo)

 

“Em mais um grande acerto, a Armazém Companhia de Teatro equilibra com maestria o clássico e o contemporâneo nesta releitura da tragédia de Shakespeare. Patrícia Selonk dá uma aula de interpretação na pele do (quase) enlouquecido protagonista, muito bem acompanhada Lisa Eiras (Ofélia) e um amadurecido Jopa Moraes – que se desdobra em três papéis. Discretas referencias à realidade política do país também são muito bem exploradas.”

Renata Magalhães – crítica (em Revista Veja Rio)

 

“Patrícia Selonk assina um Hamlet histórico, um desempenho monumental, construção de carne, afeto, razão desmedida, impossibilidade, flerte com o desejo humano desvairado de absoluto. A condição feminina faz parte da busca da contradição. Ela imprime ao personagem mais uma nota de oscilação e de incerteza sensível, fortalece a identificação do protagonista com a imagem patética do cidadão impotente do nosso tempo, a partir de uma intensa vibração afetiva subterrânea.”

Tânia Brandão – crítica (em blog Folias Teatrais)

 

“A versão de Hamlet, da Armazém Companhia de Teatro, é um marco.”

Cláudia Chaves – crítica (em Jornal do Brasil)

 

 

Ficha técnica

HAMLET

Da obra de William Shakespeare

Montagem da Armazém Companhia de Teatro

Direção: Paulo de Moraes

Tradução: Maurício Arruda Mendonça

Elenco: Patrícia Selonk (Hamlet), Ricardo Martins (Claudius), Marcos Martins (Polonius), Lisa Eiras (Ofélia), Jopa Moraes (Laertes), Isabel Pacheco (Gertrudes) e Luiz Felipe Leprevost (Horácio)

Participação em Vídeo: Adriano Garib (Espectro)

Cenografia: Carla Berri e Paulo de Moraes

Iluminação: Maneco Quinderé

Figurinos: João Marcelino e Carol Lobato

Música: Ricco Viana

Preparação Corporal: Patrícia Selonk

Coreografias: Toni Rodrigues

Preparador de Esgrima: Rodrigo Fontes

Fotografias e Vídeos: João Gabriel Monteiro

Programação Visual: João Gabriel Monteiro e Jopa Moraes

Técnico de Palco: Regivaldo Moraes

Assistente de Produção: William Souza

Produção Executiva: Flávia Menezes

Produção: Armazém Companhia de Teatro

Patrocínio: Petrobras

Serviço

HAMLET

Da obra de William Shakespeare

Montagem da Armazém Companhia de Teatro

Direção: Paulo de Moraes

Tradução: Maurício Arruda Mendonça

Elenco: Patrícia Selonk, Ricardo Martins, Marcos Martins, Lisa Eiras, Jopa Moraes, Isabel Pacheco e Luiz Felipe Leprevost

Local: Teatro Dragão do Mar

Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema

Telefone(85) 3488-8600

Apresentações: Dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro de 2018

Horários: Sexta-feira e Sábado, 20 horas e Domingo, 18 horas

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia-entrada)

– desconto de 50% no valor inteiro na compra de até 2 ingressos para a força de trabalho e clientes do Cartão Petrobras

Classificação: 16 anos.

Duração 140 minutos (incluindo 10 minutos de intervalo)

Drama

Publicidade

Petrobras apresenta HAMLET, um espetáculo da Armazém Companhia de Teatro.

Por rodrigogoyanna em estrategia, Marketing

24 de agosto de 2018

Acostumada a processos que resultam na criação de uma dramaturgia própria (vide Inveja dos Anjos e A Marca da Água – que levaram o Prêmio Shell de Melhor Autor em 2008 e 2012, além de O Dia em que Sam Morreu – Prêmio Cesgranrio de Melhor Texto em 2014), a Armazém Companhia de Teatro se volta agora para um outro tipo de processo, onde o que mais interessa é o seu posicionamento sobre a narrativa. Partindo da obra fundamental de Shakespeare, a ideia geral da companhia é encontrar um Hamlet do nosso tempo. Um Hamlet cheio de som e fúria. Não numa atualidade forçada, mas ressaltando aspectos da obra que dialogam com esse coquetel de conflitos contemporâneos que vemos todos os dias jorrando nas grandes cidades do mundo.

Patrocinada pela Petrobras desde 2000, a companhia completou 30 anos de existência no final de 2017, travando um complexo diálogo criativo com um dos melhores materiais dramatúrgicos da história. Hamlet é o príncipe da Dinamarca. Apenas um mês separa a morte repentina e inexplicável de seu pai  e o novo casamento de sua mãe. O príncipe tem visões de seu pai, que afirma que foi envenenado pelo irmão, e exige que Hamlet se vingue e mate o novo Rei (seu tio e padrasto). Hamlet se finge de louco para esconder seus planos, e vai perdendo o controle sobre sua própria realidade no meio deste processo. Ou seja, a invenção teatral do século XVI de um príncipe que fingia loucura e o espírito inflamado do nosso século entraram inevitavelmente em colisão. Já não há mais fingimento. A loucura de Hamlet tornou-se a loucura do mundo.

A história de Hamlet é a história da destruição de uma ordem estabelecida. Shakespeare representa a corte real dinamarquesa mergulhada em corrupção. Assassinato, traição, manipulação e sexualidade são as armas usadas na guerra para preservar o poder. No centro dessa história está Hamlet, um homem desesperadamente preocupado com a natureza da verdade, um homem notável que quer ser mais verdadeiro do que, provavelmente, é possível ser. E que exige do resto do mundo que sejam todos verdadeiros com ele. Mas é possível conhecer a si mesmo integralmente? É possível conhecer integralmente as pessoas a seu redor? Hamlet se fragmenta, nossa época o faz assim, um sujeito destrutivo, atormentado e letal.

O diretor Paulo de Moraes acredita que “é importante tratar Shakespeare como se ele fosse um genial dramaturgo recém-descoberto com algumas coisas urgentes a dizer sobre a guerra, sobre a loucura do mundo e sobre nossos líderes políticos modernos.” No Hamlet da Armazém Companhia de Teatro, sete atores dão vida aos personagens de Shakespeare (Patrícia Selonk, Ricardo Martins, Marcos Martins, Lisa Eiras, Jopa Moraes, Isabel Pacheco e Luiz Felipe Leprevost). A tradução ficou a cargo de Maurício Arruda Mendonça, parceiro habitual de Moraes em muitas dramaturgias montadas pela companhia. “Maurício conseguiu uma poesia sem pompa, que comunica sem perder a beleza. E é grande mérito dos atores que essa poesia chegue rasgando, ela é língua, ela é corpo, ela é carne”, comenta Paulo de Moraes.

Hamlet recebeu o Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria de Melhor Iluminação, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Cenografia, Iluminação, Figurino e Categoria Especial (pela Trilha Sonora Original). Também recebeu o Prêmio Shell 2017 de Melhor Cenário, além de indicações para Melhor Direção e Melhor Iluminação. No Prêmio APTR, o espetáculo recebeu os prêmios de Melhor Atriz Coadjuvante (Lisa Eiras) e Melhor Cenário, além de indicações nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Atriz, Iluminação e Figurino. Hamlet também recebeu o Prêmio Cenym 2017 de Melhor Atriz (Patrícia Selonk) e Melhor Companhia de Teatro.

Sobre a Armazém Companhia de Teatro

Em 2018, a Armazém Companhia de Teatro segue apresentando sua versão de HAMLET em turnê nacional, passando por Fortaleza, Salvador, Recife, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Aracajú e Natal. Com mais de 30 prêmios nacionais no currículo, a companhia também foi premiada duas vezes no Festival Fringe de Edimburgo (na Escócia), com o prestigiado Fringe First Award (2013 e 2014) e no Festival Off de Avignon (na França), com o Coup de Couer de la Presse d’Avignon (2014).

A Armazém Companhia de Teatro foi formada em 1987, em Londrina, em meio à efervescência cultural vivida pela cidade paranaense na década de 80 – de onde saíram nomes importantes no teatro, na música e na poesia. Liderados pelo diretor Paulo de Moraes, o senso de ousadia daqueles jovens buscando seu lugar no palco impregnaria para sempre os passos do grupo: a necessidade de selar um jogo com o seu espectador, a imersão num mundo paralelo, recriado sobretudo pela ação do corpo, da palavra, do tempo e do espaço.

Com sede no Rio de Janeiro desde 1998, a companhia acaba de completar 30 anos de formação. Graças ao patrocínio continuado da Petrobras, a companhia tem conseguido levar seu trabalho aos públicos mais variados, tanto do Brasil quanto do exterior. Sempre baseando seus espetáculos em pesquisas temáticas (com a criação de uma dramaturgia própria com ênfase nas relações do tempo narrativo) e formais (que se refletem na utilização do espaço, na construção da cenografia, ou nas técnicas utilizadas pelos atores para conviver com o risco de encenar em cima de um telhado, atravessando uma fina trave de madeira ou imersos na água), a questão determinante para a companhia segue sendo a arte do ator. Busca-se para o ator uma dinâmica de corpo, voz e pensamento que dê conta das múltiplas questões que seus espetáculos propõem. E a encenação caminha no mesmo sentido, já que é o corpo total do ator que a determina.

Apesar da construção de espetáculos tão díspares e complementares como A Ratoeira é o Gato (1993), Alice Através do Espelho (1999), Toda Nudez Será Castigada (2005) e O Dia em que Sam Morreu (2014), a Armazém Companhia de Teatro segue sua trajetória sempre investindo numa linguagem fragmentada, que ordene o movimento do mundo a partir de uma lógica interna. Essa lógica interna é a voz da Armazém, talvez a grande protagonista do mundo representacional da companhia.

 

 

O que disse a crítica

“A direção de Paulo de Moraes é de um artesanato criterioso. O primeiro ato reúne as características formais ampliadas numa sucessão de recursos surpreendentes. No segundo, o desenvolvimento da trama ganha o ritmo de um voo rasante. A cenografia de Carla Berri e Paulo de Moraes confere à caixa cênica a imponência de estrutura envidraçada, que se movimenta como anteparo de vilanias e abrigo de duelos. A iluminação de Maneco Quinderé define a coloração dramática de assassinatos e a luminosidade da maquinaria do palco com a autoridade de sua assinatura. O elenco está igualmente alinhado com a proposta vibrante do encenador.”

Macksen Luiz – crítico (em jornal O Globo)

 

“Em mais um grande acerto, a Armazém Companhia de Teatro equilibra com maestria o clássico e o contemporâneo nesta releitura da tragédia de Shakespeare. Patrícia Selonk dá uma aula de interpretação na pele do (quase) enlouquecido protagonista, muito bem acompanhada Lisa Eiras (Ofélia) e um amadurecido Jopa Moraes – que se desdobra em três papéis. Discretas referencias à realidade política do país também são muito bem exploradas.”

Renata Magalhães – crítica (em Revista Veja Rio)

 

“Patrícia Selonk assina um Hamlet histórico, um desempenho monumental, construção de carne, afeto, razão desmedida, impossibilidade, flerte com o desejo humano desvairado de absoluto. A condição feminina faz parte da busca da contradição. Ela imprime ao personagem mais uma nota de oscilação e de incerteza sensível, fortalece a identificação do protagonista com a imagem patética do cidadão impotente do nosso tempo, a partir de uma intensa vibração afetiva subterrânea.”

Tânia Brandão – crítica (em blog Folias Teatrais)

 

“A versão de Hamlet, da Armazém Companhia de Teatro, é um marco.”

Cláudia Chaves – crítica (em Jornal do Brasil)

 

 

Ficha técnica

HAMLET

Da obra de William Shakespeare

Montagem da Armazém Companhia de Teatro

Direção: Paulo de Moraes

Tradução: Maurício Arruda Mendonça

Elenco: Patrícia Selonk (Hamlet), Ricardo Martins (Claudius), Marcos Martins (Polonius), Lisa Eiras (Ofélia), Jopa Moraes (Laertes), Isabel Pacheco (Gertrudes) e Luiz Felipe Leprevost (Horácio)

Participação em Vídeo: Adriano Garib (Espectro)

Cenografia: Carla Berri e Paulo de Moraes

Iluminação: Maneco Quinderé

Figurinos: João Marcelino e Carol Lobato

Música: Ricco Viana

Preparação Corporal: Patrícia Selonk

Coreografias: Toni Rodrigues

Preparador de Esgrima: Rodrigo Fontes

Fotografias e Vídeos: João Gabriel Monteiro

Programação Visual: João Gabriel Monteiro e Jopa Moraes

Técnico de Palco: Regivaldo Moraes

Assistente de Produção: William Souza

Produção Executiva: Flávia Menezes

Produção: Armazém Companhia de Teatro

Patrocínio: Petrobras

Serviço

HAMLET

Da obra de William Shakespeare

Montagem da Armazém Companhia de Teatro

Direção: Paulo de Moraes

Tradução: Maurício Arruda Mendonça

Elenco: Patrícia Selonk, Ricardo Martins, Marcos Martins, Lisa Eiras, Jopa Moraes, Isabel Pacheco e Luiz Felipe Leprevost

Local: Teatro Dragão do Mar

Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema

Telefone(85) 3488-8600

Apresentações: Dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro de 2018

Horários: Sexta-feira e Sábado, 20 horas e Domingo, 18 horas

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia-entrada)

– desconto de 50% no valor inteiro na compra de até 2 ingressos para a força de trabalho e clientes do Cartão Petrobras

Classificação: 16 anos.

Duração 140 minutos (incluindo 10 minutos de intervalo)

Drama