Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

Projeto reaproveita flores usadas em casamentos em visitas a hospitais e asilos

Por rodrigogoyanna em Sem categoria

21 de julho de 2017

E se aquele buquê ou arranjo que você usou em seu casamento não fosse para o lixo, mas sim continuasse seu ciclo de embelezamento e deleite? Há como com o projeto “Sorria, Frô!”.

Desde 2016, voluntários levam a hospitais e asilos arranjos feitos a partir dessas flores que normalmente vão para o lixo. Nesse domingo (16), por exemplo, foi ao Frotinha da Parangaba.

O projeto é inspirado em iniciativas semelhantes feitas nos Estados Unidos, conhecidas de perto por um dos fundadores do “Sorria, Frô”, o publicitário Rodrigo Goyanna, que chegou a integrar um desses coletivos.

“Porém, por estar em um país de primeiro mundo como os Estados Unidos, nós entregávamos flores em lares de idosos bem estruturados, que tinham todas as condições. Eu pensava: ‘puxa, se quando eles recebem essas flores a sensação de gratidão e felicidade é tanta, imagine como seria no meu país se eu conseguisse entregá-las a quem tem menos condições”, diz Rodrigo.

Ao participar doThe Street Store, ele apresentou a proposta a uma das voluntárias do projeto social, Paôla Camila Baia, que abraçou a ideia e passou a arregimentar mais interessados.  Atualmente, são pelo menos sete voluntários “fixos” além dos dois: Thays Maria, Natanael Alves, Anne Rayssa e Tânia Fernandes  e Lígia Sousa. Fora aqueles que se integram pontualmente à iniciativa.

Autorizada por noivos ou cerimonialistas, a equipe recolhe as flores dos buffets, entregando-se, depois, ao processo de produção. Daí, partem para os locais que recebem as ações. “A essência do projeto  é espalhar alegria através de flores, mas a gente sempre tenta incrementar para tornar o dia deles mais especial. Por duas vezes, já conseguimos levar bandas, por exemplo”, conta Rodrigo.

Neste mês — um mês “bom”, conforme Rodrigo — o projeto vai conseguir fazer três visitas. “Começamos com uma ação por mês e, com a repercussão, foi aumentando”, diz ele.  A próxima já tem data marcada: será  no domingo (23). Mas o local ainda não está programado.

A experiência é gratificante, descreve Rodrigo. Para ilustrar isso, ele cita o caso da filha de uma paciente que o projeto visitou no Hospital de Messejana. Duas semanas após a ação, ela procurou o grupo. “Infelizmente, minha mãe veio a falecer, mas eu queria dizer que vocês fizeram com que ela um dos últimos dias felizes da vida dela”, relembra Rodrigo o depoimento dela.

“A ideia é aproveitar essa energia de uma nova vida que as flores simbolizam ao casal e entregá-las a um outro lado que acha que está esquecido, faltando carinho, atenção”, conta Rodrigo.

Saiba Mais

Para doar flores, basta entrar em contato com o projeto por meio de suas redes sociais, Facebook ou Instagram. O contato pode ser feito ainda pelo email sorriafro@gmail.com

 

Por Lucas Barbosa em Cotidiano

 

Publicidade

leia tudo sobre

Projeto reaproveita flores usadas em casamentos em visitas a hospitais e asilos

Por rodrigogoyanna em Sem categoria

21 de julho de 2017

E se aquele buquê ou arranjo que você usou em seu casamento não fosse para o lixo, mas sim continuasse seu ciclo de embelezamento e deleite? Há como com o projeto “Sorria, Frô!”.

Desde 2016, voluntários levam a hospitais e asilos arranjos feitos a partir dessas flores que normalmente vão para o lixo. Nesse domingo (16), por exemplo, foi ao Frotinha da Parangaba.

O projeto é inspirado em iniciativas semelhantes feitas nos Estados Unidos, conhecidas de perto por um dos fundadores do “Sorria, Frô”, o publicitário Rodrigo Goyanna, que chegou a integrar um desses coletivos.

“Porém, por estar em um país de primeiro mundo como os Estados Unidos, nós entregávamos flores em lares de idosos bem estruturados, que tinham todas as condições. Eu pensava: ‘puxa, se quando eles recebem essas flores a sensação de gratidão e felicidade é tanta, imagine como seria no meu país se eu conseguisse entregá-las a quem tem menos condições”, diz Rodrigo.

Ao participar doThe Street Store, ele apresentou a proposta a uma das voluntárias do projeto social, Paôla Camila Baia, que abraçou a ideia e passou a arregimentar mais interessados.  Atualmente, são pelo menos sete voluntários “fixos” além dos dois: Thays Maria, Natanael Alves, Anne Rayssa e Tânia Fernandes  e Lígia Sousa. Fora aqueles que se integram pontualmente à iniciativa.

Autorizada por noivos ou cerimonialistas, a equipe recolhe as flores dos buffets, entregando-se, depois, ao processo de produção. Daí, partem para os locais que recebem as ações. “A essência do projeto  é espalhar alegria através de flores, mas a gente sempre tenta incrementar para tornar o dia deles mais especial. Por duas vezes, já conseguimos levar bandas, por exemplo”, conta Rodrigo.

Neste mês — um mês “bom”, conforme Rodrigo — o projeto vai conseguir fazer três visitas. “Começamos com uma ação por mês e, com a repercussão, foi aumentando”, diz ele.  A próxima já tem data marcada: será  no domingo (23). Mas o local ainda não está programado.

A experiência é gratificante, descreve Rodrigo. Para ilustrar isso, ele cita o caso da filha de uma paciente que o projeto visitou no Hospital de Messejana. Duas semanas após a ação, ela procurou o grupo. “Infelizmente, minha mãe veio a falecer, mas eu queria dizer que vocês fizeram com que ela um dos últimos dias felizes da vida dela”, relembra Rodrigo o depoimento dela.

“A ideia é aproveitar essa energia de uma nova vida que as flores simbolizam ao casal e entregá-las a um outro lado que acha que está esquecido, faltando carinho, atenção”, conta Rodrigo.

Saiba Mais

Para doar flores, basta entrar em contato com o projeto por meio de suas redes sociais, Facebook ou Instagram. O contato pode ser feito ainda pelo email sorriafro@gmail.com

 

Por Lucas Barbosa em Cotidiano