Publicidade

Agregando valor

por Rodrigo Goyanna

Fevereiro 2019

As 10 tendências globais de consumo em 2019

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

27 de Fevereiro de 2019

O comportamento e o interesse dos consumidores estão mudando – e as marcas precisam entender os novos movimentos que se anunciam se quiserem continuar a falar com o seu público de modo eficiente e inovador.

Um novo estudo da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International revela as principais tendências de consumo que surgem em 2019 e que deverão ditar os próximos anos.

No geral, a pesquisa assinala que inteligência para saber usar o imenso leque de opções e poder de decisão disponíveis é essencial em 2019. “O grande desafio é saber dar sentido a tudo”, diz o estudo.

As autoras destacam que os consumidores estão ficando mais inteligentes (“todos são especialistas”) e autossuficientes. Além disso, demandam cada vez mais autenticidade e imediatismo. “Consumidores estão buscando por autenticidade, produtos diferenciados e experiências para que eles possam expressar sua individualidade. Consumidores em países em desenvolvimento estão reavaliando seus hábitos de consumo, abandonado o materialismo exagerado e buscando simplicidade, autenticidade e individualidade”, escrevem Angus e Westbrook.

Questões éticas e sobre o meio-ambiente também estão deixando de ser demandas de nicho e pautas de poucas marcas para se tornarem pontos essenciais para qualquer um. O movimento anti-plástico de 2018 (contra os canudinhos, por exemplo) mostrou que a preocupação ambiental veio para ficar.

As autoras também destacam a valorização do tempo individual, para uma “solitude” (que é diferente de solidão), a facilidade de contato via plataformas digitais e também a questão do envelhecimento: gerações mais velhas querem ser lembradas pelas marcas. “Os baby-boomers têm muito mais em comum em torno de valores e prioridades com os millennials e gerações mais jovens que muitos podem imaginar”, escrevem.

Confira, a seguir, as 10 tendências de consumo em 2019:

1. Pessoas mais velhas querem se sentir e agir como mais novas – e ser tratadas como tal
Em 2019, surgem os “agnósticos da idade”, aqueles que não acreditam mais que idade ou velhice é sinônimo de “piorar”. Eles não têm uma visão passiva sobre o envelhecimento e cuidam cada vez mais da aparência e da saúde. Pesquisas mostram que a geração que nasceu entre 1946 e 1964 também se preocupa com inovações tecnológicas, novos apps e novos smartphones.

Com populações envelhecendo em todo o mundo (no Japão, mais da metade da população terá mais de 50 anos em 2025), essa fatia de consumidores se torna essencial para marcas e empresas, que devem enxergar um potencial de crescimento na faixa etária. Aliás, essa faixa da população tem mais poder de compra que os mais jovens.

2. De volta ao básico: menos é mais
Consumidores tendem, cada vez mais, a rejeitar o genérico, os produtos massificados. A preferência, agora, é dada aos produtos simplificados e focados. Consumidores também estão reavaliando seus hábitos de consumo, rejeitando o materialismo e o consumismo e dando preferência a experiências mais simples e autênticas. Comprar comida localmente, de pequenos produtores, exemplifica a tendência.

No mercado de bebidas, o aumento no consumo de produtos artesanais (como as craft beers) reflete a tendência anti-massificação. No mercado de beleza, os produtos chamados DIY (Do It Yourself – faça você mesmo) também tem visto um boom de interesse e consumo. Segundo Kseniia Galenytska, analista sênior do Euromonitor: “A demanda por produtos que usam ingredientes naturais tem crescido. 29% dos consumidores buscam produtos de pele totalmente naturais e a demanda por transparência total de ingredientes alcançou 19% dos consumidores”.

3. Consumo consciente
Consumidores estão cada vez mais conscientes e buscam decisões positivas na maneira de comprar e consumir um produto ou serviço. O “mindfulness” chegou ao consumo. Essa parcela crescente de consumidores tem consciência do impacto negativo que o consumo exagerado e irresponsável está causando no mundo. Essa consciência abarca seres humanos, animais e meio-ambiente.

O veganismo e os produtos eco-friendly ganham mais espaço com essa tendência entre os consumidores ao redor do globo. Em países em desenvolvimento, consumir carne vermelha ainda é visto como sinal de maior poder aquisitivo e prosperidade. Mas, mesmo nesses países, como Nigéria, Paquistão e Brasil, as dietas vegetarianas ganharam espaço. Os produtos que não promovem testes em animais também estão sendo cada vez mais exigidos. Segundo o estudo, “a ética se tornou mainstream”, ou seja, se popularizou, e o conceito de negócio eticamente responsável mudou, abrangendo muito mais tópicos.

4. Digitalmente unidos
A transformação dos meios digitais e da tecnologia, que na última década evoluiu de “facilitador da comunicação” à criação de novas e multidimensionais formas de interação, vai continuar a criar novas experiências coletivas e moldar a maneira pela qual consumidores se conectam e colaboram.

Indústrias inteiras já estão se transformando para oferecer soluções e opções virtuais, como as áreas médica e do Direito. Os trabalhos e interações virtuais, onde será possível trabalhar e colaborar em equipe, mesmo à distância, serão cada vez mais comuns.

Segundo Mattew Hudak, analisa de pesquisa do Euromonitor, a realidade virtual surgida no mundo dos videogames vai se expandir para todas as áreas profissionais. Segundo ele, o desafio da próxima geração de novas tecnologias será o de fazer um balanço entre a facilidade do uso do consumidor (tecnologia user-friendly) e as altas capacidades técnicas do serviço ou produto em questão.

5. Todo mundo é especialista: conhecimento é poder
Em uma era de alta acessibilidade, onde tudo está ao alcance de um botão, consumidores sabem que podem contar com informações instantâneas para decidir suas compras. A relação entre varejista e consumidor mudou. Se antes estes buscavam certas marcas ou especialistas em quem podiam confiar para tomar suas decisões, agora consumidores muito bem informados tomam decisões por conta própria e conversam entre si em busca de conselhos e informações.

Nas redes sociais, consumidores não precisam das marcas para relatar problemas, fazer críticas, ou elogiar um produto ou serviço. O poder da informação está na mão de quem consome. Além disso, só crescem o poder dos “influenciadores” nas redes sociais. Nessa onda, a velha máxima “o cliente tem sempre razão” se tornou ainda mais uma verdade inquestionável.

O poder desses consumidores molda o e-commerce, onde sites contam com avaliações e rankings criados pelos compradores, que monitoram a todo instante preços e qualidade de produtos e atendimentos. Não há espaço para falta de transparência. Qualquer erro é imediatamente relatado e compartilhado.

6. Espaço próprio: o valor de “ficar sozinho”
O tempo onde a fronteira privada e profissional desaparecia (gerando o problema dos “workaholics”) ficou para trás, assim como aquele tempo criado pelas redes sociais onde as pessoas sofriam de ansiedade por sentirem que, ao ficar em casa, estavam “perdendo alguma coisa”. Em 2019, a valorização do tempo sozinho, do momento “eu”, veio para ficar. Não tem nada de errado em ficar em casa curtindo a própria companhia, longe do e-mail, dos eventos e das redes sociais.

Outra tendência mostra consumidores mais cuidadosos com o que compartilhavam online, valorizando mais a privacidade. Muita gente percebeu que não dava para ficar 24 horas por dia “competindo” em termos de experiência e felicidade nas redes sociais. As experiências da “vida real” voltaram a ser valorizados como escape do estresse constante da vida online.

7. “Deixa que eu faço” – Consumidores podem cuidar deles mesmos
Consumidores estão cortando o “meio de campo”, os profissionais intermediários, e fazendo eles mesmos. Sem consultar um profissional, pessoas resolvem seus próprios problemas com versatilidade. E se antes consumidores se deixavam levar pelo “hype” de novos produtos, agora eles buscam soluções simples e eficazes, que se encaixem no que eles desejam. De olho, por exemplo, na saúde, esses novos consumidores buscam soluções práticas de alimentos, valorizando produtos orgânicos.

Para atingir resultados pessoais de felicidade e saúde, esses consumidores estão dispostos a gastar mais se preciso. Sarah Petersson, pesquisadora sênior do Euromonitor, diz: “Ser capaz de ‘cuidar de si mesmo’ é visto como um luxo que permite às pessoas serem mais versáteis, expandirem suas possibilidades. Essa tendência reflete no modo como as pessoas comem, bebem e cuidam da sua saúde”.

8. Um mundo sem plástico – Consumidores mais atentos ao desperdício
A luta por uma sociedade livre da “escravidão do plástico” ganhou força nos últimos anos e só crescerá em 2019, com consumidores mais atentos que rejeitam produtos cuja embalagem plástica é descartada com apenas um uso ou aqueles produtos de beleza que trazem micropartículas plásticas que poluem gravemente os oceanos. Pela versatilidade, 63% das embalagens de produtos como alimentos, produtos de beleza e produtos para o lar vêm em embalagens plásticas. Mas o uso pelos consumidores será mais consciente, buscando reciclagem, reuso e consumo consciente.

Com essa tendência, consumidores vão se mostrar a gastar mais em produtos com materiais recicláveis e cujas marcas se preocupam efetivamente com o meio-ambiente.

9. Eu quero agora! – Soluções rápidas e sem problemas
Eficiência é a palavra-chave. Consumidores estão mais atarefados e desejam serviços e produtos que são entregues rapidamente e da maneira mais simples possível, sem problemas. Preocupados em ter mais tempo e dar mais atenção aos seus trabalhos e vida pessoal, esses consumidores querem se preocupar o menos possível com as questões práticas da vida: uma compra no mercado, um novo serviço no celular: tudo precisa ser feito da maneira mais suave possível, requerendo a menor preocupação possível.

Tempo também é, cada vez mais, precioso. Uma boa parcela dos consumidores em 2019 tenderão a gastar mais dinheiro caso o serviço ou produto poupe-lhes tempo. A tecnologia 5G, o big data e a inteligência artificial colocarão à disposição serviços e produtos que salvarão muito tempo de seus consumidores cativos.

10. Amando a vida de solteiro
Pessoas acima dos 50 anos estão ficando mais solteiras e aproveitando essa nova vida. Solteiros por toda a vida ou recentemente viúvos ou separados, esses consumidores têm mais poder de consumo e estão adotando um estilo de vida típico dos jovens solteiros. Na próxima década, o crescimento no número de lares com solteiros será maior que o crescimento de qualquer outro tipo de lar.

Questão de conveniência e custo são essenciais para esses consumidores. Eles priorizam a segurança financeira e pensam na hora de tomar decisões de consumo mais que gerações mais jovens.

leia tudo sobre

Publicidade

As 10 tendências globais de consumo em 2019

Por rodrigogoyanna em branding, estrategia, Marketing

27 de Fevereiro de 2019

O comportamento e o interesse dos consumidores estão mudando – e as marcas precisam entender os novos movimentos que se anunciam se quiserem continuar a falar com o seu público de modo eficiente e inovador.

Um novo estudo da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International revela as principais tendências de consumo que surgem em 2019 e que deverão ditar os próximos anos.

No geral, a pesquisa assinala que inteligência para saber usar o imenso leque de opções e poder de decisão disponíveis é essencial em 2019. “O grande desafio é saber dar sentido a tudo”, diz o estudo.

As autoras destacam que os consumidores estão ficando mais inteligentes (“todos são especialistas”) e autossuficientes. Além disso, demandam cada vez mais autenticidade e imediatismo. “Consumidores estão buscando por autenticidade, produtos diferenciados e experiências para que eles possam expressar sua individualidade. Consumidores em países em desenvolvimento estão reavaliando seus hábitos de consumo, abandonado o materialismo exagerado e buscando simplicidade, autenticidade e individualidade”, escrevem Angus e Westbrook.

Questões éticas e sobre o meio-ambiente também estão deixando de ser demandas de nicho e pautas de poucas marcas para se tornarem pontos essenciais para qualquer um. O movimento anti-plástico de 2018 (contra os canudinhos, por exemplo) mostrou que a preocupação ambiental veio para ficar.

As autoras também destacam a valorização do tempo individual, para uma “solitude” (que é diferente de solidão), a facilidade de contato via plataformas digitais e também a questão do envelhecimento: gerações mais velhas querem ser lembradas pelas marcas. “Os baby-boomers têm muito mais em comum em torno de valores e prioridades com os millennials e gerações mais jovens que muitos podem imaginar”, escrevem.

Confira, a seguir, as 10 tendências de consumo em 2019:

1. Pessoas mais velhas querem se sentir e agir como mais novas – e ser tratadas como tal
Em 2019, surgem os “agnósticos da idade”, aqueles que não acreditam mais que idade ou velhice é sinônimo de “piorar”. Eles não têm uma visão passiva sobre o envelhecimento e cuidam cada vez mais da aparência e da saúde. Pesquisas mostram que a geração que nasceu entre 1946 e 1964 também se preocupa com inovações tecnológicas, novos apps e novos smartphones.

Com populações envelhecendo em todo o mundo (no Japão, mais da metade da população terá mais de 50 anos em 2025), essa fatia de consumidores se torna essencial para marcas e empresas, que devem enxergar um potencial de crescimento na faixa etária. Aliás, essa faixa da população tem mais poder de compra que os mais jovens.

2. De volta ao básico: menos é mais
Consumidores tendem, cada vez mais, a rejeitar o genérico, os produtos massificados. A preferência, agora, é dada aos produtos simplificados e focados. Consumidores também estão reavaliando seus hábitos de consumo, rejeitando o materialismo e o consumismo e dando preferência a experiências mais simples e autênticas. Comprar comida localmente, de pequenos produtores, exemplifica a tendência.

No mercado de bebidas, o aumento no consumo de produtos artesanais (como as craft beers) reflete a tendência anti-massificação. No mercado de beleza, os produtos chamados DIY (Do It Yourself – faça você mesmo) também tem visto um boom de interesse e consumo. Segundo Kseniia Galenytska, analista sênior do Euromonitor: “A demanda por produtos que usam ingredientes naturais tem crescido. 29% dos consumidores buscam produtos de pele totalmente naturais e a demanda por transparência total de ingredientes alcançou 19% dos consumidores”.

3. Consumo consciente
Consumidores estão cada vez mais conscientes e buscam decisões positivas na maneira de comprar e consumir um produto ou serviço. O “mindfulness” chegou ao consumo. Essa parcela crescente de consumidores tem consciência do impacto negativo que o consumo exagerado e irresponsável está causando no mundo. Essa consciência abarca seres humanos, animais e meio-ambiente.

O veganismo e os produtos eco-friendly ganham mais espaço com essa tendência entre os consumidores ao redor do globo. Em países em desenvolvimento, consumir carne vermelha ainda é visto como sinal de maior poder aquisitivo e prosperidade. Mas, mesmo nesses países, como Nigéria, Paquistão e Brasil, as dietas vegetarianas ganharam espaço. Os produtos que não promovem testes em animais também estão sendo cada vez mais exigidos. Segundo o estudo, “a ética se tornou mainstream”, ou seja, se popularizou, e o conceito de negócio eticamente responsável mudou, abrangendo muito mais tópicos.

4. Digitalmente unidos
A transformação dos meios digitais e da tecnologia, que na última década evoluiu de “facilitador da comunicação” à criação de novas e multidimensionais formas de interação, vai continuar a criar novas experiências coletivas e moldar a maneira pela qual consumidores se conectam e colaboram.

Indústrias inteiras já estão se transformando para oferecer soluções e opções virtuais, como as áreas médica e do Direito. Os trabalhos e interações virtuais, onde será possível trabalhar e colaborar em equipe, mesmo à distância, serão cada vez mais comuns.

Segundo Mattew Hudak, analisa de pesquisa do Euromonitor, a realidade virtual surgida no mundo dos videogames vai se expandir para todas as áreas profissionais. Segundo ele, o desafio da próxima geração de novas tecnologias será o de fazer um balanço entre a facilidade do uso do consumidor (tecnologia user-friendly) e as altas capacidades técnicas do serviço ou produto em questão.

5. Todo mundo é especialista: conhecimento é poder
Em uma era de alta acessibilidade, onde tudo está ao alcance de um botão, consumidores sabem que podem contar com informações instantâneas para decidir suas compras. A relação entre varejista e consumidor mudou. Se antes estes buscavam certas marcas ou especialistas em quem podiam confiar para tomar suas decisões, agora consumidores muito bem informados tomam decisões por conta própria e conversam entre si em busca de conselhos e informações.

Nas redes sociais, consumidores não precisam das marcas para relatar problemas, fazer críticas, ou elogiar um produto ou serviço. O poder da informação está na mão de quem consome. Além disso, só crescem o poder dos “influenciadores” nas redes sociais. Nessa onda, a velha máxima “o cliente tem sempre razão” se tornou ainda mais uma verdade inquestionável.

O poder desses consumidores molda o e-commerce, onde sites contam com avaliações e rankings criados pelos compradores, que monitoram a todo instante preços e qualidade de produtos e atendimentos. Não há espaço para falta de transparência. Qualquer erro é imediatamente relatado e compartilhado.

6. Espaço próprio: o valor de “ficar sozinho”
O tempo onde a fronteira privada e profissional desaparecia (gerando o problema dos “workaholics”) ficou para trás, assim como aquele tempo criado pelas redes sociais onde as pessoas sofriam de ansiedade por sentirem que, ao ficar em casa, estavam “perdendo alguma coisa”. Em 2019, a valorização do tempo sozinho, do momento “eu”, veio para ficar. Não tem nada de errado em ficar em casa curtindo a própria companhia, longe do e-mail, dos eventos e das redes sociais.

Outra tendência mostra consumidores mais cuidadosos com o que compartilhavam online, valorizando mais a privacidade. Muita gente percebeu que não dava para ficar 24 horas por dia “competindo” em termos de experiência e felicidade nas redes sociais. As experiências da “vida real” voltaram a ser valorizados como escape do estresse constante da vida online.

7. “Deixa que eu faço” – Consumidores podem cuidar deles mesmos
Consumidores estão cortando o “meio de campo”, os profissionais intermediários, e fazendo eles mesmos. Sem consultar um profissional, pessoas resolvem seus próprios problemas com versatilidade. E se antes consumidores se deixavam levar pelo “hype” de novos produtos, agora eles buscam soluções simples e eficazes, que se encaixem no que eles desejam. De olho, por exemplo, na saúde, esses novos consumidores buscam soluções práticas de alimentos, valorizando produtos orgânicos.

Para atingir resultados pessoais de felicidade e saúde, esses consumidores estão dispostos a gastar mais se preciso. Sarah Petersson, pesquisadora sênior do Euromonitor, diz: “Ser capaz de ‘cuidar de si mesmo’ é visto como um luxo que permite às pessoas serem mais versáteis, expandirem suas possibilidades. Essa tendência reflete no modo como as pessoas comem, bebem e cuidam da sua saúde”.

8. Um mundo sem plástico – Consumidores mais atentos ao desperdício
A luta por uma sociedade livre da “escravidão do plástico” ganhou força nos últimos anos e só crescerá em 2019, com consumidores mais atentos que rejeitam produtos cuja embalagem plástica é descartada com apenas um uso ou aqueles produtos de beleza que trazem micropartículas plásticas que poluem gravemente os oceanos. Pela versatilidade, 63% das embalagens de produtos como alimentos, produtos de beleza e produtos para o lar vêm em embalagens plásticas. Mas o uso pelos consumidores será mais consciente, buscando reciclagem, reuso e consumo consciente.

Com essa tendência, consumidores vão se mostrar a gastar mais em produtos com materiais recicláveis e cujas marcas se preocupam efetivamente com o meio-ambiente.

9. Eu quero agora! – Soluções rápidas e sem problemas
Eficiência é a palavra-chave. Consumidores estão mais atarefados e desejam serviços e produtos que são entregues rapidamente e da maneira mais simples possível, sem problemas. Preocupados em ter mais tempo e dar mais atenção aos seus trabalhos e vida pessoal, esses consumidores querem se preocupar o menos possível com as questões práticas da vida: uma compra no mercado, um novo serviço no celular: tudo precisa ser feito da maneira mais suave possível, requerendo a menor preocupação possível.

Tempo também é, cada vez mais, precioso. Uma boa parcela dos consumidores em 2019 tenderão a gastar mais dinheiro caso o serviço ou produto poupe-lhes tempo. A tecnologia 5G, o big data e a inteligência artificial colocarão à disposição serviços e produtos que salvarão muito tempo de seus consumidores cativos.

10. Amando a vida de solteiro
Pessoas acima dos 50 anos estão ficando mais solteiras e aproveitando essa nova vida. Solteiros por toda a vida ou recentemente viúvos ou separados, esses consumidores têm mais poder de consumo e estão adotando um estilo de vida típico dos jovens solteiros. Na próxima década, o crescimento no número de lares com solteiros será maior que o crescimento de qualquer outro tipo de lar.

Questão de conveniência e custo são essenciais para esses consumidores. Eles priorizam a segurança financeira e pensam na hora de tomar decisões de consumo mais que gerações mais jovens.