Publicidade

A volta da boemia

por Mayara Kiwi

Diversão e cultura

Esteban Tavares fará show hoje em Fortaleza

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

07 de outubro de 2017

Sábado é dia de aproveitar a vida e porque não fazer isso ouvindo uma boa trilha sonora?!

Hoje a festa fica por conta de um dos destaques da cena do rock nacional: Esteban Tavares. A noite também contará com a presença do DJ Felipe BK e dos músicos locais: Caike Falcão e Flakes, que estão responsáveis pelos shows de abertura.

Esteban Tavares (Foto: Divulgação)

Sobre o Esteban
Seu 1º trabalho solo, “¡Adios Esteban!”, foi lançado em agosto de 2012 e alcançou a marca de mais de 16 discos vendidos por minuto na pré-venda da versão física e 100 mil downloads no primeiro mês.

Ingressos:
Vendas (1º Lote):
Pranchão SurfShop (Todas de Fortaleza).
Kangaço Rock Street (Rua Senador Pompeu, 834).
Online: https://goo.gl/pqyxe1.
OBS.: Ingressos limitados.
R$ 52,00 (Normal) e R$ 102,00 (Ingresso + Meet & Greet).

Serviço:
Show Estaban Tavares
Dia: Sábado – 07/10
Horário: 22h
Local: Berlinda Club – R. Dragão do Mar, 198 Centro

Publicidade

Conheçam o Mahoia Hostel e Café: um lugar aconchegante em meio a Vila Bachá

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

06 de outubro de 2017

Tudo começou com a ideia de um hostel. Luiz Costa, o proprietário e barista, de apenas 25 anos, morou durante alguns anos na Austrália e foi lá que ele descobriu o fantástico mundo do café. Ao voltar para o Brasil, nasceu uma crescente vontade de dividir sua nova paixão e vivência com a terra natal.

Ele estava procurando um lugar perto da praia, que não fosse muito movimentado e que tivesse uma atmosfera bem especifica. Não estava sendo muito fácil até que, ao passar por uma vila pequeninha em meio ao Meireles e ver uma placa de aluga-se, enxergou naquele espaço, negligenciado e praticamente abandonado, a possibilidade de reavivar a ruazinha e misturar um clima gostoso de conversa na calçada, com uma experiência diferente e aconchegante.

Foto: Bruno Little

Foto: Bruno Little

 

Quando chegou à casa, que daria berço ao que hoje é o Mahoia, Luiz logo percebeu que podia ir muito além de um hostel. O lugar poderia atender ao público de Fortaleza, não apenas como um espaço para receber pessoas, mas como uma forma de compartilhar histórias. Pensando no que tornaria essa vivência ainda mais rica, ele “matutou” a possibilidade de oferecer alguma coisa aos clientes e foi daí que surgiu a ideia do café e, naturalmente, o conceito brotou por completo.

Foto: Bruno Little

Foto: Bruno Little

 

Uma coisa é certa: se você gosta de café e de drinks de muito bom gosto, este é o lugar certo. As opções são várias e vão desde as bebidas geladas, quentes, com chantilly, chocolate ou cachaça, até os petiscos deliciosos e super bem executados. Fica à sua escolha, assim como os hambúrgueres (uau!) e acompanhamentos, que vão te fazer ter vontade de dar um abraço no chef da casa. Os pratos vêm muito bem montados e recebem uma atenção, que faz toda a diferença, quando chegam à mesa.

Foto: Bruno Little

Foto: Bruno Little

 

As possibilidades se estendem para todo os gostos. Juntando o contemporâneo com a baixa gastronomia e o sentimento de aconchego de casa, o Mahoia oferece uma verdadeira experiência gastronômica. O burger Spicy tem a crocância perfeita, combinada com um sabor inusitado, porém delicioso, e alimenta os famintos por pimenta. Já quem não come carne, não fica de fora, pode pedir o Veggie Mahoia, um burger de falafel israelense no pão australiano, molho ranch, queijo coalho, tomate, cebola, e alface. (É permitido salivar!)

Veggie Mahoia (Foto: Luiz Costa)

 

O cardápio também oferece a boa e velha cervejinha gelada e drinks sem álcool, como a refrescante pink lemonade, que conquista todo mundo que se propõe a beber. A dica para quem é um pouco mais ousado e que adora provar coisas novas é a caipirinha de café. (Isso mesmo, você não leu errado!) Ela é uma daquelas surpresas que você vai adorar ter. Pode apostar!

Pink Lemonade (Foto: Bruno Little)

Pink Lemonade (Foto: Bruno Little)

 

Além do atendimento impecável e funcionários muito gentis e atentos, o espaço conta com uma programação musical, composta por djs e bandas locais e o plus é que o espaço é vinil frendly. (hahaha) Ou seja, a maioria dos djs tocam com vinil e tem tudo a ver com a proposta e decoração da casa, que tem uma pegada brasileira e tropical.

E, claro, que não poderíamos deixar de falar do nome, que vem de uma brincadeira com o regionalismo, de uma vontade, bem sucedida, de ser a nossa cara.

Foto: Bruno Little
1/5

Foto: Bruno Little

Foto: Bruno Little

20931128_10214057901591421_1366584916_o
21216318_10214155637434756_940663662_o
21245688_10214155643194900_570434912_o
Foto: Bruno Little
5/5

Foto: Bruno Little

Foto: Bruno Little

SERVIÇO: 
Mahoia Hostel & Café
Local: Vila Bachá 11, Meireles
Funcionamento: Quinta a domingo, de 17h às 0h

Publicidade

A banda cearense Selvagens à Procura de Lei é confirmada no Lollapalooza 2018

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

28 de setembro de 2017

Em terras alencarinas, todo mundo já ouviu alguma música ou pelo menos já ouviu falar da banda Selvagens à Procura de Lei, mas esse sucesso todo não é a toa. Os meninos vem conquistando espaço na cena musical nacional, já tem algum tempo e nós, como cearenses orgulhosos, não podemos deixar de comemorar e enfatizar a linda trajetória da banda, né?!

Já são mais de 80 shows feitos nos dois anos do Tour Praieiro e vários méritos conquistados. “Tarde Livre”, por exemplo, foi eleita a melhor música de 2016 pela escolha do leitor da Rolling Stone Brasil e recentemente, a Revista Exame incluiu os Selvagens na matéria “11 Bandas Que Estão Mudando A Música Brasileira”.

A noticia de que eles estariam no lineup do Lollapalooza 2018, um dos maiores festivais de música em atividade, rapidamente se espalhou nas redes sociais, juntamente de várias mensagens de felicitações e comentários de pessoas empolgadas com a ideia de assistir ao show.

Foto: Pedro Margherito/Divulgação

 

O festival

A sétima edição do festival contará com mais de 70 atrações musicais divididas em 4 palcos, nos dias 23, 24 e 25 de março de 2018, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Pearl Jam, Red Hot Chili Peppers, The Killers, Imagine Dragons, Lana Del Rey e LCD Soundsystem são as grandes atrações dessa edição.

A experiência vai muito além da música. O festival conta com diversos espaços, que vão desde áreas de descanso até os food trucks, pra garantir a sua qualidade de vida e energia para curtir a programação até o final.

Os ingressos podem ser adquiridos através do site do evento.

A banda

Em 2016, a Tour Praieiro percorreu 13 estados e mais de 20 cidades em 55 shows por todo o Brasil. Após um ano movimentado, os Selvagens à Procura de Lei consolidam sua trajetória, que começou a ser construída em Fortaleza, em 2009, por Rafael Martins (voz e guitarra), Gabriel Aragão (voz e guitarra), Caio Evangelista (voz e baixo) e Nicholas Magalhães (voz e bateria).

Produzido por David Corcos e gravado no estúdio Red Bull Station, Praieiro (2016), terceiro álbum da banda, remete as tardes livres antes da mudança dos integrantes para São Paulo e reforça a habilidade do grupo em unir o rock ao pop – seja na areia ou no asfalto.

Praieiro foi um pedido do público: financiado através de uma campanha de crowdfunding, a obra também foi bem recebida pela crítica especializada. “Tarde Livre”, o primeiro single do disco, foi eleita a melhor música nacional de 2016 pela escolha do leitor da Revista Rolling Stone Brasil. A faixa também já ultrapassa a marca 1 milhão de plays apenas na plataforma Spotify e alcança mais de 470 mil visualizações no YouTube.

No último ano, a banda passou por festivais nacionais importantes como DoSol Natal (RN), Feeling Pro Rock (SP), Festival Goiânia Noise (GO), Rio Novo Rock (RJ) e Banana Progressyva (SP), além de outros importantes palcos como o Planeta Terra (SP – 2011), Prêmio Multishow De Música Brasileira (apresentação com Capital Inicial – 2012), Porão do Rock (DF – 2013), Lollapalooza (SP – 2014), dentre outros eventos como a Virada Cultural (SP – 2013, 2014, 2015) e o Aniversário de 290 Anos de Fortaleza (CE – 2016).

Com grande força nas redes sociais, o grupo se aproxima cada vez mais do público cativo e agrega novos fãs. São mais de 105 mil curtidas do Facebook, mais de 25 mil seguidores no Instagram e no Twitter e 17 mil inscritos no canal do YouTube (mais de 1 milhão de views no clipe da música “Brasileiro”).

Siga os Selvagens à Procura de Lei nas redes:

Instagram – http://instagram.com/selvagensaprocuradelei
Facebook – http://www.facebook.com/sapdl
Twitter – https://twitter.com/sapdl

Publicidade

Com proposta multicultural, Selvagem ArtMix Festival confirma Raimundos e Baiana System em Fortaleza

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

15 de setembro de 2017

Música, teatro, dança, arte de rua, tudo no mesmo lugar, do pôr do sol ao amanhecer. Essa é a proposta do Selvagem ArtMix Festival, evento que estreia no próximo dia 2 de dezembro.

O festival nasce com a premissa de ressaltar o lado selvagem da vida. É um convite para encarar com muita garra o dia a dia na selva de pedra, viver a cidade e a cultura urbana ao máximo e ainda se conectar com as raízes, de onde tiramos personalidade, inspiração e criatividade. (E porque não aproveitar e beber uma catuaba geladinha, né?! )

Foto: Divulgação

O mix de referências se reflete na programação, que convida a uma mistura de experiências nessa virada multicultural. São shows de grandes nomes da música nacional, de nomes fortes da música cearense e apresentações de teatro, dança e grafite ao vivo.

“A ideia do Selvagem ArtMix é acontecer em várias cidades. Além de Fortaleza, em dezembro, vamos fazer em novembro no Rio de Janeiro, dentro do espaço Vivo Rio”, comenta Maurílio Fernandes, da Empire, que assina o evento.

Baiana System (foto: Divulgação)

Estrutura
O Selvagem ArtMix Festival conta com dois palcos, o Selvagem (para atrações nacionais) e o ArtMix (para as locais), além de espaço dedicado a food trucks de cardápio variado. O local será anunciado em breve.

Programação

Todo o line-up do festival está fechado, e duas atrações já foram divulgadas. BaianaSystem, grupo que busca ressignificar a sonoridade da música urbana produzida na Bahia – sob a influência dos sound systems, eles se utilizam do conceito de sistema como forma de amplificar não só o som, mas a essência das tradições populares.

E Raimundos, clássico do rock nacional com 20 anos de estrada que traz a turnê comemorativa com 20 hits escolhidos pelos fãs pela internet e músicas do trabalho mais recente, “Cantigas de Garagem”. Segundo Canisso, “o novo show é uma tentativa de contar essa história, são 20 anos de rock, uma dezena de discos, reggae, ska, forró, HC, pauleira, baladas, escolhidas a dedo pra galera pular muito e cantar junto, soltar os bichos. Festa do rock, pra quem aprecia e pra quem quer conhecer. Uma coisa é certa, difícil é ficar parado!”.

A produção do festival ainda não confirmou o local do evento e maiores informações sobre ingressos e pontos de vendas.

Publicidade

Em apresentação gratuita, Lidia Maria lança música inédita no projeto Curta São Luiz

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

12 de setembro de 2017

A cantora Lidia Maria chega ao projeto Curta São Luiz nessa quarta-feira13 de setembro, a partir das 12h30, para apresentar uma versão pocket do show Por inteiro, com músicas que mostram os diferentes pedaços da sua trajetória. Seja no pop ou no samba, no forró ou no carnaval, o denominador comum é a própria artista e a maneira natural como ela passeia por todos eles. Entre composições do primeiro CD Alma Leve, o repertório também faz um passeio por interpretações do Pessoal do Ceará, geração de artista como Fagner, Ednardo e Belchior, que influenciam diretamente o seu trabalho.

Lidia Maria  (Foto: Pedro Martins)

Lidia Maria (Foto: Pedro Martins)

A apresentação no Curta São Luiz, que é gratuita, vai contar com a participação de Alex Ramon, na guitarra e no violão, e de Jefferson Portela, na percussão e programações. Na ocasião, Lidia Maria vai apresentar uma música inédita, intitulada Saiam das Suas Casas, que faz uma reflexão sobre a tecnologia e o uso excessivo das redes sociais. Além disso, o show Por Inteiro é um olhar mais profundo da cantora sobre si mesma, mais festivo, mas sem deixar de ser melodioso. Violão e bandolim não poderiam ficar de fora, pois completam a sua identidade e atendem ao apelo do público, que sempre insistiu que ela tocasse nas apresentações.

Sobre a artista
Lidia Maria é cantora e compositora de Fortaleza. Em 2013, lançou o elogiado álbum autoral Alma Leve conquistando premiações, show no exterior, aparições na Globo e Globo News, músicas em rádios, videoclipe na TV e o reconhecimento do público e da crítica. Nesse novo momento, ela deseja continuar sua trajetória para alcançar outros públicos e lugares, dessa vez mostrando a sua alma de artista por inteiro.

 

 SERVIÇO

Projeto Curta São Luiz: Lidia Maria – Por Inteiro

Dia: 13/09/2017 – quarta-feira

Horário: 12h30

Local: Hall do Cineteatro São Luiz (Foyer)

Classificação: livre

Duração: 50 minutos

Entrada gratuita

 

Publicidade

Ziriguidum, festa de música brasileira em vinil, acontecerá na véspera de feriado

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

05 de setembro de 2017

Depois de duas edições na Praça dos Leões, sendo uma no centro cultural Home Less e outra no Lion’s Bar, a Ziriguidum, festa de música brasileira em vinil, vai à sua terceira edição nesta quarta-feira, véspera de feriado, no Mambembe – Comida e Outras Artes, na Praia de Iracema. O tema desta edição, “Como O Diabo Gosta”, é referência direta à música de mesmo nome de Belchior (“E a única forma que pode ser norma, é nenhuma regra ter, é nunca fazer nada que o mestre mandar. Sempre desobedecer, nunca reverenciar”), enaltecendo o compositor cearense e o hedonismo e repudiando o ufanismo, em ocasião do feriado de 7 de setembro.

Ziriguidum

Flyer da festa Ziriguidum

A festa, idealizada por Diego Penaforte, visa esquentar as pistas, resgatando e difundindo a vasta diversidade e riqueza, da música brasileira através dos discos de vinil e será comandado pelos DJ’s Alan Morais, Tomé e Selektah Diego, que prometem proporcionar ao público alencarino uma experiência sonora única, girando clássicos e obscuridades do carimbó, rock, black music, samba-rock, afro-brasilidades, brega, forró, entre outros ritmos.

DJ1
DJ2
DJ3

 

SERVIÇO:
Ziriguidum #3 – Como O Diabo Gosta
Quarta-feira, 6 de setembro, véspera de feriado
A partir das 22h
Mambembe – Rua dos Tabajaras, 368, Praia de Iracema
Ingressos:
R$10 (Meia – Confirmar presença no evento também garante meia)
R$15 + 1Kg de alimento não perecível (Solidária – Ganha 1 Caipirinha Fogo Santo)
R$20 (Inteira)
Aceita cartões de crédito e débito na bilheteria e no bar

Publicidade

Zéis lança seu primeiro disco solo e pode ter certeza que você vai gostar de ouvir

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

29 de agosto de 2017

Zéis é frontman da banda Capotes Pretos na Terra Marfim, atua na cena teatral de Fortaleza como ator, preparador vocal e em trilhas sonoras, mas, até agora, ainda não tinha um trabalho para chamar de seu. Em abril de 2016, o músico reuniu canções, conceitos e ideias e entrou em estúdio, em um trabalho que levaria cerca de um ano para ser concluído.

Com 10 faixas e participações especiais de Lorena Nunes, Andrezão GDS e Berg Menezes, o álbum foi lançado em versão física, e chega às plataformas digitais em setembro.

Zéis - De Preto em Blue

Zéis – De Preto em Blue

“A vontade de fazer esse álbum surgiu pela necessidade que senti de produzir uma música que conversasse mais diretamente com as pessoas sobre temas que não pude falar até agora nos meus outros trabalhos. Este álbum é também um encontro meu com mundos musicais que eu não pude explorar até aqui”, conta.

Com mais peso no instrumental e nas temáticas das letras (desigualdade social, racial e violência são alguns deles), Zéis apresenta em “De Preto em Blue” uma estreia solo de um artista maduro, criativo e versátil, unindo experimentação e pegada pop em uma mistura de gêneros que vai do maracatu ao rap, do folk ao brega, sem parecer uma colcha de retalhos, tudo fazendo sentido de estar junto e tendo seu lugar.

Processo criativo e participações especiais

“De Preto em Blue” foi todo construído ao lado do produtor Igor Miná, do Mocker Studio. Juntos, encontraram timbres especiais e arranjos trabalhados em camadas e camadas de sintetizadores, guitarras e samples modificados – cada música tem uma história de bastidor, um instrumento com função reimaginada (um teclado Yamaha dos anos 90 gravado com pedais de efeito de guitarra; um surdo de bateria afinado e tocado como alfaia; uma cuíca eletrônica criada com sintetizador; samples de bateria captados em estúdio e remontados digitalmente).

“Todo trabalho solo nunca é solo de verdade. A gente sempre precisa de muito mais gente envolvida, e isso dá muito mais sentido ao trabalho”, comenta.

Para a missão, Zéis contou com as participações da cantora Lorena Nunes, com quem divide os vocais na bela “Vai Ter Carnaval”; do rapper Andrezão GDS, que solta o verbo em “Retrovisor”; do baterista Artur Guidugli, dos Capotes Pretos; de Berg Menezes nos synths de “Sopro Vital”; e de Gigi Castro e Jânio Florêncio, parceiros nas composições “Sopro Vital” e “Vai Ter Carnaval”, respectivamente.

 

Outras plataformas

A versão digital do disco vai ser disponibilizada nas plataformas digitais de streaming e download como Spotify, Deezer, Apple Music e Google Play durante o mês de setembro, pelo selo Mocker Discos e distribuição via Tratore.

Sobre Zéis

Moisés Filipe, o Zéis, é cantor e compositor cearense formado em música pela Universidade Federal do Ceará. À frente dos Capotes Pretos na Terra Marfim, lançou o álbum homônimo à banda em 2015 e o EP “A Casa” em 2013. Tocou nos principais festivais de música de Fortaleza, como Maloca Dragão, Mostra Petrúcio Maia, Feira da Música, Conecta, Festival UFC de Cultura, Manifesta e Grito Rock. Estreou o show solo em dezembro de 2016 em formato trio, assumindo o baixo e utilizando samples ao vivo. É atuante no cenário teatral da cidade como ator, preparador vocal e compondo sonoplastias para espetáculos.

Canal no Youtube

Um bônus pra quem quer ver um pouco de como foi o processo de produção do disco, no canal do Zéis, você pode encontrar vários vídeos que formam uma espécie de linha do tempo, mostrando a construção do álbum e é claro, clipes e vídeos do artista. Vale a pena, assistir!

Para conhecer e acessar:

Facebook: http://www.facebook.com/zeisfanpageoficial

YouTube: http://www.youtube.com/c/zeisoficial

Publicidade

O Barbarians Pub vem conquistando o coração dos boêmios do Benfica

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

21 de agosto de 2017

​A volta da boemia, inquieta como sempre, ouviu rumores de um novo pub no ​bairro Benfica e é claro, não iria perder essa por nada. Fomos lá conhecer e já adiantamos, todos deveriam ir também.

Com uma proposta inovadora e ​​tra​n​sformadora para o espaço onde está inserido, o Barbarians nasce​u​ no dia 21 de julho, com a missão de resgatar o conceito de Pub, na sua mais pura essência e faz isso com muito estilo e bom gosto. Quem costuma frequentar o bairro, sabe da carência, que existe em relação a um entretenimento, que traga um frescor de coisa nova e proporcione uma experiência diferente do usual e exaustivo.

20821428_1547215038634451_1275781069_o
coxinhas de frango ao molho barbecue
20807000_1547215095301112_1824603395_o

É impossível entrar no bar e não se atentar para a decoração, cheia de camisas de time​s​ assinadas por jogadores, balcão de madeira, bandeiras e troféus de Rugby. Os sócios Pedro Melo e Fernando Saraiva, além de fãs do Ferroviário, (Viva o ferrim!!), também jogam​ Rugby pelo time Asa Branca.

Junto das opções de cervejas puro malte, escuras, ipas, chopps, shots ou cachacinhas, o freguês pode escolher alguns petiscos, como as suculentas coxinhas de frango acompanhadas por molho barbecue ou quem sabe uma porção de batata frita com cheddar e bacon.  Das cervejas especiais, provamos a Hopsession Session, uma Ipa da 5 elementos, que é a primeira cervejaria artesanal do Ceará, e nos surpreendemos com o aroma delicioso e o sabor leve e agradável que ela tem. É uma boa pedida.

 Hopsession Session, uma Ipa da 5 elementos

Hopsession Session, uma Ipa da 5 elementos

Além de tudo isso, você pode assistir aos jogos, ouvir uma música incrível, ser muito bem atendido e pagar um preço nada assustador. Realmente, tiramos o nosso chapéu para o Barbarians Pub, que trouxe a qualidade e a experiência diferenciada que faltava no Benfica. Sejam bem vindos!

 

 

leia tudo sobre

Publicidade

“Cada show que eu faço é uma tesourada no juízo”, diz Totonho em sua segunda vinda a Fortaleza.

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

07 de agosto de 2017

O final de semana foi cheio de encontros calorosos e música boa.  A volta da Boemia,  como era de se esperar, foi ao Amici’s bar prestigiar o trabalho de duas bandas incríveis, que além de colocar todo mundo pra dançar, levantam várias reflexões importantes sobre o momento em que vivemos, nos conduzindo a um entendimento totalmente diferenciado e não obvio, sobre tudo que nos rodeia. Aproveitamos então, para contar pra vocês um pouco sobre Emerson Bastos e o Jardim de acordes e sobre a banda paraibana Totonho e os Cabra.

Foto: Willian Ferreira

Foto: Willian Ferreira

Emerson Bastos e o Jardim de Acordes é uma banda totalmente lúdica, cheia de encantamentos, poesia e critica. É rica em pluralidade sonora e com certeza já arrancou ou vai acabar te arrancando algum suspiro ou pensamento inesperado e totalmente fora da caixa. Trata-se de um espetáculo completo, conduzido por artistas que se mostram muito felizes por fazer o que se propõe e isso é um diferencial visível, que faz com que o público se sinta parte do show, dando-lhes a sensação de estar também em cima do palco, celebrando e fazendo parte de uma grande festa. “Relacionamentos Afetivos Romanticamente Políticos” é um show e também um álbum, que nasce com o intuito de questionar os arcaicos costumes da sociedade moderna, chamando atenção para si através de uma estética afável, porém, contendo uma sútil provocação e um convite a subversão do status quo.

Foto: Willian Ferreira

Foto: Willian Ferreira


Para conhecer o som da banda:

 

Totonho e os Cabra (PB) 

Foto: A volta Da Boemia

Foto: A volta Da Boemia

É uma daquelas bandas que tem uma chama a mais e que se espalha feito brasa atingindo o coração de quem se aproxima. Uns chamam de feeling, outros atribuem ao bom introrsamento dos músicos, mas o que realmente importa, é que é tudo tão envolvente, que você não quer sair de perto, porque sabe que algo está prestes a acontecer. É poesia regional, com um som provocante, marcado por uma narrativa que nos aproxima da banda e faz entender que tem sim, gente nesse mundo. O som é tão refrescante quanto um banho de mar, no calor do meio dia, de um céu sem nuvem. Música pra dançar, cantar de olho fechado, pular e sair de alma renovada.

Foto: A volta Da Boemia

Foto: A volta Da Boemia

Batemos um papo com Totonho, que nos contou um pouco sobre suas passagens pelo Ceará e motivações. Confira:

A Volta Da Boemia: Essa é a segunda vez que vocês tocam na capital. Além de Fortaleza, vocês já fizeram alguma passagem por outros cantos do Ceará?

Totonho: A primeira vez que toquei em Fortaleza foi no ano passado, no interior já toco a muito tempo. No Crato, Barbalha, Nova Olinda… Em fortaleza é a segunda vez, mas é um lugar que gostaria de sempre ter vindo. É a esquina do oceano,  um lugar importante pra música popular brasileira e esse lugar saber que você existe, é um marco pra quem é compositor no nordeste, isso é indiscutível. Eu fico cada vez mais feliz quando as pessoas fazem um esforço descomunal pra levar uma música, que é fora do eixo, fora do sistema geral, pra ocupar os espaços, como nós ocupamos. Música e arte, são pra tirar as coisas do lugar, sabe?!

A Volta Da Boemia: As duas faces, do artista e da pessoa antes mesmo de ser artista, em algum momento se confundem?

Totonho: A música não é só sobre ganhar o dinheiro, que vai te sustentar, eu não sou artista 24h por dia, eu tenho muitas outras coisas pra fazer na minha vida, sou artista quando eu estou no palco, quando eu to componho, quando faço música, depois disso, eu sou um cidadão comum e tenho muita responsabilidades e deveres como qualquer outra pessoa.

A Volta Da Boemia:  Existiu um instante em que ficou claro o seu papel com artista?

Totonho: Aconteceu algo muito incrível comigo, eu fui compositor durante 7 anos, em João Pessoa, depois disso eu me formei em pedagogia, fui morar no Rio e  fui parar na sala de aula, porque me bateu uma crise, achando que o Brasil precisava mais de professores, do que de artistas. O brasil tem artista pra caral***. Eu passei 15 anos em sala de aula, até que Geraldo Azevedo, que era presidente da ONG, exigiu que eu fosse embora, que eu fosse correr atrás da minha música. Ele me incentivou e eu fui. O significado é um pouco disso, de que arte também é pra educar, no contexto que eu entendo, como Chico Science também entendeu. Acho que a música nordestina tem que vir com uma responsabilidade e não só fazer poesia ou fazer graça com as questões sociais. Precisa ser um pouco atuante. O que eu faço hoje em dia é uma obra de arte de resistência, em que me caiba e caiba a minha diferença e a de todos.

A Volta Da Boemia: O que guia o seu pensamento e ativismo?

Totonho:
Acho que a sociedade precisa de pessoas, que possam ajudar o povo estranho que somos e que também possam ajudar a conduzir, nos caminhos tortuosos, que a gente sempre escolhe. A arte serve pra isso, pra tirar as coisas do lugar, tirar o olhar olhar central e trazer pra periferia dos assuntos. A paixão é porra nenhuma, foda é a periferia da paixão. Cada pequeno show que eu faço é uma tesourada no juízo.

A Volta Da Boemia: Você acredita na música como algo descentralizado, né?! Fala um pouco sobre a proposta de deixar suas músicas à disposição de outros artistas. 

Totonho: Eu sou um dos poucos artistas brasileiros que trabalha com o modelo Creative Commons. Qualquer pessoa pode pegar minha música e colocar outra melodia, qualquer pessoa pode pegar minha melodia e colocar outra letra, pode pegar minha letra e colocar outras partes. A única coisa que não pode, é dizer que eu não tenho nada a ver com isso. Eu tenho coragem, porque eu tenho obra e obra é pra ser mexida, não é pra servir como forma de encantamento. Tem que bulir com as mãos, se não ela fica uma coisa sonsa, de indústria, coisa de pessoas que acham que a selfie é mais importante do que o som.


Para conhecer o som da banda:

Publicidade

Jaloo confirma show gratuito em Ecléticos Livre Festival

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

02 de agosto de 2017

A 2ª edição do Ecléticos Livre Festival, que ocorre nos dias 26 e 27 de agosto, já começou a causar ansiedade na capital cearense. O artista Jaloo, uma das atrações confirmadas no evento, retorna à Fortaleza para mais um show inspirador, que acontecerá no primeiro dia, no antiteatro do Parque do Cocó. (Seja sempre bem vindo, Jaloo)

Jaloo (Foto Divulgação)

Jaloo (Foto Divulgação)

A iniciativa propõe a fusão das mais variadas sonoridades, dando ênfase à beleza da pluralidade e trabalhando a arte, através da linguagem musical, como ferramenta transformadora de meios e espaços. Como o Festival acontece em um parque ecológico, nada mais justo do que uma preocupação ambiental e uma nova proposta de atividades voltadas para a sustentabilidade, resinificação e revitalização dos espaços, locais e equipamentos culturais da cidade.

Publicação de Jaloo nas redes sociais.

Publicação de Jaloo nas redes sociais.

Entre as atrações estão também Jord Guedes, Daniel Peixoto e Cadillac Dinossauros, que irão homenagear nosso querido Belchior, trazendo uma dose de nostalgia e saudosismo para a noite, que também contará com diversas ações formativas.

leia tudo sobre

Publicidade

Jaloo confirma show gratuito em Ecléticos Livre Festival

Por Mayara Kiwi em Diversão e cultura

02 de agosto de 2017

A 2ª edição do Ecléticos Livre Festival, que ocorre nos dias 26 e 27 de agosto, já começou a causar ansiedade na capital cearense. O artista Jaloo, uma das atrações confirmadas no evento, retorna à Fortaleza para mais um show inspirador, que acontecerá no primeiro dia, no antiteatro do Parque do Cocó. (Seja sempre bem vindo, Jaloo)

Jaloo (Foto Divulgação)

Jaloo (Foto Divulgação)

A iniciativa propõe a fusão das mais variadas sonoridades, dando ênfase à beleza da pluralidade e trabalhando a arte, através da linguagem musical, como ferramenta transformadora de meios e espaços. Como o Festival acontece em um parque ecológico, nada mais justo do que uma preocupação ambiental e uma nova proposta de atividades voltadas para a sustentabilidade, resinificação e revitalização dos espaços, locais e equipamentos culturais da cidade.

Publicação de Jaloo nas redes sociais.

Publicação de Jaloo nas redes sociais.

Entre as atrações estão também Jord Guedes, Daniel Peixoto e Cadillac Dinossauros, que irão homenagear nosso querido Belchior, trazendo uma dose de nostalgia e saudosismo para a noite, que também contará com diversas ações formativas.