Publicidade Anuncie

Ditadura militar será tema de discussão no Mausoléu Castello Branco, em Fortaleza

O evento, marcado para esta quinta-feira (10), promoverá roda de conversa sobre a ditadura militar e a democracia no Brasil, além de projeção de filmes e discotecagem.

O Mausoléu Castello Branco recebe o evento que atende à recomendação da Comissão Nacional de Memória, Verdade e Justiça. (FOTO: Reprodução/Flickr iJuliAn)

O Mausoléu Castello Branco recebe o evento que atende à recomendação da Comissão Nacional de Memória, Verdade e Justiça. (FOTO: Reprodução/Flickr iJuliAn)

O mausoléu onde estão guardados os restos mortais do ditador Castelo Branco será palco, nesta quinta-feira (10), da celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos no Ceará.  A iniciativa partiu da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Direitos Humanos do gabinete do governador Camilo Santana.

O coordenador, Dimitri Cruz, afirma que a escolha do local deve-se à necessidade de se discutir a democracia, reforçando o que foi a ditadura militar no Brasil. “A proposta da coordenadoria é justamente fazer com que aquele espaço seja um espaço que debata a democracia. A gente sabe que o símbolo e as referências da ditadura milita pode sem resignificados. Logicamente que a ideia não é fazer uma discussão a cerca de uma pessoa ou outra pessoa. A ideia é dar um novo sentido a esse período”, explica.

A programação começa pela manhã com a pintura de um mural no Museu da Imagem e do Som (MIS), que fica em frente ao Mausoleu, na Avenida Barão de Studart. A partir das 17 horas, haverá a apresentação de filmes e roda de conversa com ex-presos políticos. O grupo Aparecidos Políticos é um dos parceiros da ação.

“Teremos a projeção de depoimentos, de curtas. O coletivo Cine Molotov, a partir das 19 horas, vai exibir o filme “O fim do esquecimento, do Renato Tapajós. E no final da noite vamos ter uma festa com o DJ Estácio Facó, seguindo até às 22 horas”, detalha a advogada Stella Mares sobre a programação, que é gratuita.

A ação atende à recomendação da Comissão Nacional de Memória, Verdade e Justiça.

Saiba mais na matéria de Jack de Carvalho, da Rádio Tribuna BandNews FM:

Dê sua Opinião